logo
rss  Vol. XX - Nº 353         Montreal, QC, Canadá - domingo, 17 de Novembro de 2019
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Festas de São Pedro...

Uma ideia de António Soares Manteiga que perdura

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Ainda como presidente da Associação Portuguesa de Sainte-Thérèse, Luís Martins deu início às festas do Divino Espírito Santo de São Pedro como, aliás, aconteceu com as festas de Nossa Senhora dos Anjos, já aqui expresso noutro texto algures nestas páginas. Aquelas, uma ideia do malogrado António Manuel Soares, também conhecido por António Manuel Manteiga, resistiram aos contratempos e alguns conflitos de personalidade e estão aí, provavelmente para durar. Já as últimas não resistiram aos problemas e ficaram pelo caminho poucos anos após a sua criação, «apesar dos esforços de muita gente, como Eugénio de Melo, José Duarte... Até mandámos vir de Portugal uma imagem da Santa!»

Coroa do Espírito Santo

Aguiar photo.jpg
O malogrado António Manuel Soares, Manteiga para os amigos, no decorrer dum cortejo (Festas de S. Pedro) que ajudou a criar.

Para que as Festas de São Pedro pudessem ter tido lugar, houve que pedir uma coroa emprestada a um particular de Laval. O problema foi que o padre António Araújo se recusou a benzer a coroa por ser dum particular. Depois, «Ele veio às nossas reuniões, mas recusou participar nas festividades porque a Associação era quem explorava as festas, procurando o lucro, e isso ele não tolerava. Tinha que haver uma conta à parte, fora da Associação. Aqui éramos nós, da Associação que nos opúnhamos, pois, aquele lucro fazia falta para o nosso orçamento anual...» Com a guerra instalada, ainda «tentámos um padre brasileiro de Montreal e nada feito. Fomos depois a New Bedford buscar um outro sacerdote. Foi ele, assim, que oficiou as festividades com o acordo de uma das igrejas da cidade», remata-nos o homem de Santa Cruz da Lagoa. E de seguida: «Com dinheiro tudo fizemos para que as Festas fossem realizadas».

«No ano seguinte mandámos vir uma coroa de São Miguel. O padre António Araújo, então, acabou por benzer a coroa. Hoje, as Festas de São Pedro são um cartaz religioso e turístico para Sainte-Thérèse».

«Deixei a Associação, pela última vez, no ano 2000. Liguei-me então à Comissão das Festas de São Pedro e fiquei até 2014. Uma questão de desconsideração para com um meu familiar acabado de falecer, fez-me deixar a Comissão de forma definitiva, isto apesar de eu ter tido sempre um papel marcante nessa mesma comissão, onde pelos meus conhecimentos e influência, trazia muito apoio da parte dos comerciantes meus antigos parceiros».

«Agora dedico-me ao meu jardim e pratico ténis todas as semanas, o que me obriga a estar em forma nos meus 70 anos».

Em jeito de rodapé, ainda pusemos mais uma questão a Luís Martins. E a resposta veio assim: – No meu tempo já havia subsídios do governo. Até num tempo em que nós de certa maneira não precisávamos. E o bonito da questão foi mesmo que foi o próprio ministro a contatar comigo e por mais que eu lhe dissesse que não tínhamos necessidade, ele pôs à nossa disposição um dos seus assessores. Moral da história, lá recebemos a subvenção. Agora, neste tempo de muitas restrições, eu não sei como funciona.

Especial
Ainda como presidente da Associação Portuguesa de Sainte-Thérèse, Luís Martins deu início às festas do Divino Espírito Santo de São Pedro como, aliás, aconteceu com as festas de Nossa Senhora dos Anjos, já aqui expresso noutro texto algures nestas páginas. Aquelas, uma ideia do malogrado António Manuel Soares, também conhecido por António Manuel Manteiga, resistiram aos contratempos e alguns conflitos de personalidade e estão aí, provavelmente para durar. Já as últimas não resistiram aos problemas e ficaram pelo caminho poucos anos após a sua criação, «apesar dos esforços de muita gente, como Eugénio de Melo, José Duarte... Até mandámos vir de Portugal uma imagem da Santa!»
Festas de Sao Pedro.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2019