logo
rss  Vol. XX - Nº 353         Montreal, QC, Canadá - domingo, 17 de Novembro de 2019
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Água de Pau

A freguesia que não dorme

Norberto Aguiar

Entrevista de Norberto Aguiar

A nossa conversa com o presidente da Junta de Freguesia de Água de Pau, José Fernando Costa, teve lugar no seu escritório, na sede da Junta, por sinal, arrumado quanto baste. Água de Pau tinha acordado e no exterior começava um lindo dia de sol. Antes da conversa propriamente dita, José Fernando Costa, na casa dos 50 anos, dá-nos a conhecer o edifício da Junta e suas valências. Há museu no interior, a fazer lembrar Água de Pau de tempos remotos, e mais recentes, como das décadas de 50 e 60 do século passado. Além disso, no rés-do-chão do antigo, mas impecável imóvel, há um espaço dedicado à venda de produtos usados: calças, camisas, roupa e brinquedos de bebé, etc... «As pessoas habituaram-se a não pôr fora o que já não usam. Aqui, recolhe-se tudo, trabalha-se o que há a trabalhar e depois vende-se a quem precisa por preços módicos», diz José Costa com um sorriso nos lábios. No vaivém, muita gente que entra e sai do edifício. Jovens e menos jovens. «Estamos fora de mão em relação à Câmara Municipal e como somos uma freguesia grande e de muita vida, as pessoas vêm aqui tratar dos seus problemas. Pode ser de toda a ordem, como sejam pagar a água, luz, impostos, etc..».

A entrevista começa.

«Água de Pau é uma freguesia de cariz rural e vive do setor primário. É uma aglomeração com muita vida, sobretudo no aspeto cultural. Produzimos de tudo! Laranjas, melancias, morangos, uvas, beterraba, tabaco.... Temos vários grupos de teatro, de música, uma equipa (Santiago) de futebol federada desde 1979. E possuímos infraestruturas muito boas, como o parque desportivo José Mestre; temos boas escolas, creche, a sede da Filarmónica Pauense, a mais antiga do concelho e dos Açores; a Casa do Pescador, visto termos o segundo porto de pesca do concelho. Por outro lado, falta-nos reabilitar o antigo cineteatro Ferreira da Silva, que com a ajuda da Câmara queremos transformar num centro multiusos, com sala para congressos e outras valências. E temos intenções de relocalizar o parque temático para animais na zona poente da freguesia. Um trilho pedestre que nos leve à Lagoa do Fogo também está nos nossos planos. E depois há o Centro de Saúde da Casa do Povo e o Centro Comunitário J.B.M. Amaral. Como pode ver, Água de Pau oferece aos seus residentes boas condições», afirma convictamente José Costa.

«E porque o nosso povo sai à rua e apoia temos vários festivais na Baixa da Areia – bela praia, que desconhecíamos – no Porto de Pesca, com artistas e bandas vindas de vários pontos da ilha e não só. Julho e agosto, por exemplo, são meses muito festivos aqui. E nem se fala na Festa de Nossa Senhora dos Anjos – a segunda maior da ilha, logo depois do Senhor Santo Cristo dos Milagres, em Ponta Delgada. Temos as Festas das Vindimas (6 de setembro), também um cartaz de Água de Pau, onde toda a gente participa, sejam homens ou mulheres. Há nessa altura muito vinho doce, e o célebre Vinho de Cheiro, este uma especialidade da nossa freguesia. A Caloura, para além de ser um dos maiores pontos turísticos do concelho e de S. Miguel, produz vinho de qualidade. Turisticamente? Claro que a Caloura está bem preparada. Tem várias estruturas, como a praia (Baixa da Areia), a piscina (no Porto), restaurantes de qualidade, casas de veraneio, dois hotéis-bungalows, e um hotel com 300 camas. Chegamos a ter no Verão mil a dois mil turistas por dia. E temos ainda a vista maravilhosa do Monte Santo. Quer mais?»

«Mas também temos problemas. O maior está relacionado com os donos das vivendas na Caloura, que não votam na freguesia – votam nas localidades de origem – mas estão sempre a reclamar...».

Agora que fala de problemas, diga-me lá o que mais falta faz a Água de Pau para que a freguesia atinja a sua maturidade, digamos assim...

«Faltam-nos mais empresas de todo o tipo, bancos, escritórios, etc. de maneira a criarmos mais emprego, pois também nesta freguesia há gente que quer trabalhar e não tem onde. A baixa na construção veio criar uma série de dificuldades que não estávamos à espera. É a crise, dizem-nos e com alguma razão. Esperemos que venham dias melhores».

E depois de outra pergunta nossa...

«Fui eleito à segunda tentativa. Na primeira concorri com o apoio do PSD. Desta vez apresentei-me como independente, mas nas listas do Partido Socialista. Se estamos a fazer um bom trabalho? Eu penso que sim, a julgar pelo que ouço das pessoas, talvez satisfeitas com o cumprimento das nossas promessas; promessas que sabíamos que podíamos cumprir. Mas isso é tudo relativo. Só no próximo ato eleitoral é que podemos ter a certeza de que tivemos bom desempenho se voltarmos a ser eleitos, caso nos apresentemos, claro.»

Já nos preparávamos para as despedidas quando o presidente José Fernando Costa ainda nos fez parte de mais uma série de considerandos sobre a sua freguesia.

– Água de Pau tem uma muito boa relação com os seus emigrantes e seus descendentes. Daí que de há dois anos a esta parte organizemos o Dia do Emigrante; uma grande Festa na praia da Baixa da Areia, em vésperas (dia 13 de agosto) das Festas de Nossa Senhora dos Anjos (dia 15 de agosto), que é altura de muitos emigrantes virem à terra. Para além disso, estamos a preparar para 2017 um grande encontro de pauenses na cidade de New Bedford (Nova Inglaterra). Nessa viagem contamos levar a Filarmónica Fraternidade Rural, o grupo «Os Quiridos», a equipa de futebol do Santiago e, naturalmente, o executivo da Junta. Ao todo, para aí umas 200 pessoas.

Porquê o nome de Água de Pau?

Diz-se que os primeiros povoadores ao arribarem à zona do Paúl se aperceberam que havia um giro de água abundante que corria sobre um pau... Vai daí, nomearam a povoação, ainda hoje questionada nas suas próprias origens, de Água de Pau.

Na altura que passámos por Água de Pau para realizar este trabalho, a freguesia, uma das mais dinâmicas do concelho de Lagoa, da ilha e dos Açores, estava comemorando os seus 500 anos (1515 - 2015). Várias promoções foram levadas a cabo pela Junta e pela Câmara Municipal. Uma medalha foi cunhada para marcar tão importante efeméride. Os três elementos do LusoPresse que fizeram parte da equipa que se deslocou aos Açores também tiveram direito a uma medalha.

Água de Pau foi a primeira vila sede do concelho de Lagoa. Depois perdeu-a para o conjunto das freguesias do Rosário e Santa Cruz. Hoje, Água de Pau recuperou o título de vila sem, contudo, ter acedido a sede de concelho.

Especial
A nossa conversa com o presidente da Junta de Freguesia de Água de Pau, José Fernando Costa, teve lugar no seu escritório, na sede da Junta, por sinal, arrumado quanto baste. Água de Pau tinha acordado e no exterior começava um lindo dia de sol. Antes da conversa propriamente dita, José Fernando Costa, na casa dos 50 anos, dá-nos a conhecer o edifício da Junta e suas valências.
Agua de Pau.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2019