logo
rss  Vol. XX - Nº 350         Montreal, QC, Canadá - quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Destacado o papel das filarmónicas na Diáspora

O Diretor Regional das Comunidades destacou segunda-feira, na Praia da Vitória, o importante contributo das bandas filarmónicas para o «bom relacionamento intergeracional» nas comunidades emigradas açorianas.

Paulo Teves, que falava na abertura do Encontro dos Maestros das Bandas Filarmónicas da Diáspora Açoriana, salientou que «os jovens que incorporam as nossas filarmónicas integram-se num ambiente saudável, que se alimenta de uma sã convivência geradora de valências imprescindíveis ao desenvolvimento harmónico do ser humano, como sejam o espírito de grupo, a solidariedade e a amizade entre todos os membros da banda».

«O Governo dos Açores, porque valoriza muito o papel destas importantes agremiações musicais na vida social das comunidades a que pertencem, tem acompanhado, muito de perto, os seus percursos existenciais», afirmou o Diretor Regional.

«O apoio concedido a diversas filarmónicas dos Açores e das comunidades nas suas deslocações contribui para o reforço das relações que existem de ambos os lados, bem como promove a nossa presença no mundo», acrescentou.

Para Paulo Teves, «as filarmónicas existentes nas comunidades açorianas da diáspora revestem-se, por isso, de uma importância fundamental para a coesão social da própria comunidade".

»São elas que acompanham, valorizam e solenizam, com as suas atuações e a sua presença, os eventos culturais de natureza profana e religiosa, identitários das comunidades a que pertencem», salientou.

Por seu lado, o Diretor Regional da Cultura, também presente na abertura deste Encontro, reafirmou a «importância das filarmónicas na perpetuação e afirmação dos valores identitários e culturais dos Açores".

Na sua intervenção, Nuno Ribeiro Lopes salientou a »necessidade de concretizar em rede a colaboração e formação existente, transformando as filarmónicas em pilares da iniciação e formação musical, independentemente da sua localização ou capacidade».

O Diretor Regional destacou ainda «o esforço que tem vindo a ser desenvolvido por estas instituições para acompanharem os novos desafios criados por um mundo aberto e mais global, abrindo-se a novas experiências e a novos públicos».

Nuno Ribeiro Lopes salientou também a «importância do reforço dos laços culturais entre a Região e a Diáspora, articulando melhor e de forma mais ativa o conhecimento das diferentes realidades e das diferentes tendências", considerando que esta iniciativa é um »exemplo».

O Encontro de Maestros das Bandas Filarmónicas da Diáspora Açoriana é organizado pelas direções regionais da Cultura e das Comunidades, em parceria com o Grupo Recreativo de Atividades Turísticas Internacionais na Terceira – GREAT e com o apoio da Câmara Municipal da Praia da Vitória.

O evento conta com a participação de maestros de 18 bandas filarmónicas das comunidades açorianas, nomeadamente das províncias do Ontário, Manitoba, Alberta e Colúmbia Britânica, do Canadá, e da Califórnia e Massachusetts, dos Estados Unidos da América.

Durante uma semana, os participantes terão a oportunidade de, para além de partilhar as suas experiências e vivências comunitárias, receber formação nas áreas da composição musical e da direção e regência de bandas filarmónicas.

Durante o encontro, os 18 maestros trabalharão com a banda filarmónica Sociedade Recreio Lajense para a realização de um concerto em conjunto.

O espetáculo, que vai assinalar o encerramento da iniciativa, terá lugar sábado, 28 de maio, pelas 21h00, no Auditório do Ramo Grande, na Praia da Vitória, com entrada livre.

Diáspora
O Diretor Regional das Comunidades destacou segunda-feira, na Praia da Vitória, o importante contributo das bandas filarmónicas para o «bom relacionamento intergeracional» nas comunidades emigradas açorianas.
Destacado o papel das filarmonicas na Diaspora.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020