logo
rss  Vol. XX - Nº 349         Montreal, QC, Canadá - quarta-feira, 08 de Abril de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Português ao raio X

Luciana Graça (Leitora de português do Instituto Camões na Universidade de Toronto)

Rubrica produzida em colaboração com a Coordenação do Ensino Português no Canadá/Camões, I.P.

«Vão haver propostas?» ou «Vai haver propostas?»

O verbo «haver», com o sentido de «existir», é um verbo impessoal (sem sujeito); daí que fique sempre na 3.ª pessoa do singular, independentemente de ser seguido de uma palavra ou de uma expressão no plural; ora, e o que acontece, quando o verbo «haver» é utilizado com um auxiliar?

E a todos os nossos estimados Leitores, claro, os votos de uma excelente semana!

Caso:

«“[No] programa eleitoral do PSD […], vão haver propostas com as quais vamos concordar e outras com as quais não vamos concordar”.» (palavras atribuídas a Miguel Relvas, Expresso em linha, 2011-04-06).

Comentário:

«vai haver»: i) como referimos, o verbo «haver», com o sentido de «existir», é um verbo impessoal (sem sujeito); daí que fique sempre na 3.ª pessoa do singular, independentemente de ser seguido de uma palavra ou de uma expressão no plural; ii) quando o verbo «haver» é utilizado com algum auxiliar, é este mesmo verbo auxiliar que passa a assumir a impessoalidade gramatical; ou seja, o verbo auxiliar, nestas situações, fica também sempre na 3.ª pessoa do singular; iii) no caso acima apresentado, devemos dizer, portanto, «vai haver propostas» (assim como diríamos também «vai haver proposta»).

Em síntese:

vão haver X

vai haver V

Língua Portuguesa
Luciana Graça (Leitora de português do Instituto Camões na Universidade de Toronto)
7_Vao_ou_vai_haver.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020