logo
rss  Vol. XX - Nº 347         Montreal, QC, Canadá - sábado, 22 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Investigador no Canadá...

Diz que filantropia pode colocar novamente Portugal no mapa

Toronto, Ontário – O investigador português Pedro Vieira, que vive no Canadá, considerou que a filantropia pode ter um papel importante no apoio ao ensino de investigação para colocar novamente Portugal no mapa.

"Adoro Portugal e gostava imenso de estar na Europa noutras circunstâncias. Lamento não haver uma tradição de filantropia tão grande não apenas em Portugal, mas na Europa em geral, ao contrário do que se verifica na América do Norte», disse Pedro Vieira, de 33 anos.

O investigador, natural do Porto, está no Canadá há seis anos, leciona no Perimeter Institute, em Waterloo, no Sul do Ontário, é especialista em teoria quântica de campos, naquele que é considerado mundialmente um dos melhores centros de investigação e pesquisa de física teórica.

O projeto em que Pedro Vieira está inserido «não é único, é raro», e será difícil de germinar na Europa.

"Um projeto destes será difícil de imaginar sem ser no Canadá e talvez nalguns locais nos Estados Unidos», afirmou.

O instituto conta com dezenas de alunos com doutoramentos e mestrados, com a maior parte dos professores a serem provenientes de vários pontos do globo.

O Perimeter Institute de Física Teórica foi criado em 1999 na sequência de uma parceira público-privada através do contributo do filantropo Mike Lazaridis, fundador da operadora de telemóveis Blackberry. Inicialmente, em 2000, o empresário doou 100 milhões de dólares canadianos (68 milhões de euros), investindo mais tarde 50 milhões (34 milhões de euros), em 2008.

"O facto de este instituto funcionar através da filantropia revela que há pessoas com muito dinheiro e entidades privadas, que percebem que é um investimento muito barato para o retorno que podem ter», sublinhou Pedro Vieira.

Para o emigrante português, este «é um investimento muito eficiente» tendo em conta o possível retorno para a sociedade.

Trata-se de um investimento «puramente em pessoas», mas que a longo prazo pode ter um impacto enorme porque uma grande parte das revoluções veio da física teórica.

Seria «muito interessante» verificar em Portugal se «por exemplo um Belmiro de Azevedo decidisse financiar um instituto da física teórica de topo», e pudesse assim colocar Portugal no mapa, fazendo do país um dos «centros líderes mundiais da física teórica».

"Não é um investimento gigantesco, é um investimento em pessoas. Se for bem-feita, esta parceria público-privada é algo, na minha opinião, que funciona melhor ainda do que o modelo tradicional de universidades e de investigação, baseado em universidades que são tipicamente instituições muito grandes, e por isso mesmo, têm uma enorme inércia, mais lentas, mais ineficientes do que estes institutos que funcionam de uma forma excelente», realçou.

O físico teórico português tem desenvolvido um trabalho significativo na área da teoria quântica de campos. Uma das suas contribuições mais importantes é a solução exata para o espetro de uma teoria quântica de campos em quatro dimensões.

Além de diversas bolsas de investigação, Pedro Vieira já foi distinguido pelo Governo do Ontário através dos Earlier Research Awards. Em 2015, foi galardoado nos Estados Unidos, pela Alfred P. Sloan Research Fellowships, e foi ainda o vencedor da Gribov Medal, distinção atribuída pela Sociedade Europeia de Física.

Comunidade
Toronto, Ontário – O investigador português Pedro Vieira, que vive no Canadá, considerou que a filantropia pode ter um papel importante no apoio ao ensino de investigação para colocar novamente Portugal no mapa.
CANADA investigador portugues.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020