logo
rss  Vol. XX - Nº 346         Montreal, QC, Canadá - terça-feira, 27 de Outubro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

A Arte Popular do Coração de Portugal

Por Richard Simas

Que fascinante leitura e festim de imagens que é o livro sobre a arte popular portuguesa, Heaven, Hell, and Somewhere in Between (**Paraíso, Inferno e Algum Lugar no Meio), do antropólogo Anthony Alan Shelton. Também álbum de fotografias e conjunto de ensaios sobre a arte popular portuguesa, o livro é uma obra relacionada com a importante exibição, em 2015, sob a curadoria do Anthony Shelton no Museu de Antropologia da Universidade de Colômbia Britânica, em Vancouver, onde o autor é diretor e uma referência na área da museologia, da crítica cultural e da antropologia de arte e de estética.

Heaven, Hell and Somewhere in Between é um livro de arte esquisito com carne nos ossos como uma boa comida portuguesa. Foram necessários anos de pesquisa, entrevistas e encontros para criar essa coleção de histórias sobre os «fazedores» da arte popular portuguesa, à qual foram acrescentados os comentários sobre a História de Portugal e a sua identidade cultural. Um leitor despercebido poderia apenas folhear os 10 ensaios temáticos relacionados às 3 partes do livro, mas isso seria uma pena. Anthony Shelton enfrenta a complexidade da arte popular e resiste a categorias fáceis e ideias redutoras que diminuiriam o valor dessa arte e desviariam o leitor de uma apreciação vívida. «Não se pode entender a arte popular portuguesa sem compreender a sua configuração cultural e também a força política que a criou e a sustentou durante quase 50 anos,» diz Shelton. A sua rica análise interpretativa fornece um sumário e detalhes essenciais para uma apreciação profunda.

Hi-res of Heaven, Hell.jpg
História Melancólica dos Museus Portugueses). Fazendo uso de múltiplas referências, Anthony Shelton oferece ao leitor um panorama geral das forças primárias que influenciaram o desenvolvimento da arte popular portuguesa. Ademais, o autor comenta as obras chaves recentemente adquiridas na coleção do Museu de Antropologia.

As fotografias deslumbrantes no livro mostram mais de oitenta obras de arte: estátuas, máscaras, pinturas, murais, ícones religiosos, azulejos e trajes de festa. Vemos também os artistas-fabricantes. Esse rico material visual e os ensaios relacionam-se, formando diálogos com títulos que evocam, por exemplo, «The Kingdom of the Marvellous» (O Reino da Maravilha), um retrato intrigante do artista popular David Gomes e a sua obra, «Portuguese Demonology: The Representation of Evil and Sin» (A Demonologia Portuguesa: a representação do Mal e do Pecado), e «A Melancholy History of Portuguese Museums» (Uma História Melancólica dos Museus Portugueses). Fazendo uso de múltiplas referências, Anthony Shelton oferece ao leitor um panorama geral das forças primárias que influenciaram o desenvolvimento da arte popular portuguesa. Ademais, o autor comenta as obras chaves recentemente adquiridas na coleção do Museu de Antropologia.

Heaven, Hell and Somewhere In Between é de fácil acesso para qualquer leitor e particularmente rico para os aficionados da arte popular e da cultura portuguesa. Apesar de Portugal ser a margem mais ocidental da Europa e ter as fronteiras mais velhas de todo o continente, a sua cultura e história permanecem desconhecidas a muitas pessoas. Às vezes, ao escrever de maneira lírica, Anthony Shelton entra em contacto íntimo com o seu assunto e descreve Portugal como «uma república de fábulas, uma nação aconchegada em sonhos, maravilhas e mesmo milagres.» Ele explora a imaginação «Lusa» de várias perspetivas e, no entanto, defende a importância de contextualizar a arte popular: «O livro aborda a cultura portuguesa, as suas sensibilidades e histórias, se preferir, da perspetiva da arte popular. Isso é muito diferente da maioria dos livros sobre o assunto.» Além disso, Anthony Shelton distingue o seu próprio ponto de vista da tradição germano-romântica do século XIX, no qual a arte popular é vista conforme a perspetiva da identidade nacional.

image (4).JPG
Pintura da ilha do Pico, Açores.

Anthony Shelton insiste: «A arte popular não é um reflexo insosso das forças que a produzem, mas ela media essas forças através de suas próprias estratégias e tecnologias visuais específicas.» A mediação é uma distinção essencial feita pelo autor-curador-antropólogo-professor que está orgulhoso com o fato de o Museu de Antropologia de Vancouver agora possuir a coleção de arte popular portuguesa, «provavelmente a mais extensa na América do Norte.» Um elegante e brilhante volume como Heaven, Hell and Somewhere In Between enriquece, a partir do coração de Portugal, o mundo da arte popular.

N.B. **Os títulos traduzidos aqui em português são só para fim deste artigo. O livro está disponível somente em inglês.

Heaven, Hell and Somewhere in Between, por Anthony Alan Shelton www.raincoast.com

Literatura
Que fascinante leitura e festim de imagens que é o livro sobre a arte popular portuguesa, Heaven, Hell, and Somewhere in Between (**Paraíso, Inferno e Algum Lugar no Meio), do antropólogo Anthony Alan Shelton. Também álbum de fotografias e conjunto de ensaios sobre a arte popular portuguesa, o livro é uma obra relacionada com a importante exibição, em 2015, sob a curadoria do Anthony Shelton no Museu de Antropologia da Universidade de Colômbia Britânica, em Vancouver, onde o autor é diretor e uma referência na área da museologia, da crítica cultural e da antropologia de arte e de estética.
A Arte Popular do Portugal.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020