logo
rss  Vol. XX - Nº 346         Montreal, QC, Canadá - sábado, 28 de Março de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

CDS/Congresso:

Sai Portas, entra Assunção Cristas com desafio ao PS

Gondomar, Porto - O 26.º Congresso do CDS-PP consagrou Assunção Cristas como a sétima líder do partido, e a primeira mulher nesse cargo, pondo fim a um ciclo de 16 anos da mais longa presidência centrista, protagonizada por Paulo Portas.

No discurso de encerramento, Assunção Cristas abandonou o registo pessoal, que tinha marcado a sua intervenção principal no primeiro dia do congresso, em Gondomar, Porto, e deixou propostas concretas: um desafio ao PS para participar numa reforma do sistema de pensões e a revisão da regulação do sistema financeiro, incluindo a forma de nomeação do governador do Banco de Portugal.

As autárquicas que tinham ficado de fora da sua moção mereceram um destaque especial, com a nova líder a anunciar que irá propor aos órgãos do partido a renovação do apoio a Rui Moreira, caso este se recandidate à Câmara do Porto, e uma candidatura «forte e ambiciosa» à capital, na tradição de Nuno Krus Abecasis.

Assuncao Cristas presidente CDS.jpg

Se a direção de Assunção Cristas foi eleita de forma esmagadora (95,59% dos votos, mais do que a última de Paulo Portas), perdeu lugares no Conselho Nacional.

Filipe Lobo d»Ávila encabeçou a lista alternativa ao Conselho Nacional, o «parlamento» do partido, e conseguiu 23% dos votos e 16 lugares diretos (num total de 70), mais do que os 12 alcançados no anterior Congresso por duas listas concorrentes à da direção.

No final, Assunção Cristas recolheu os aplausos dos cerca de 1.500 congressistas, ladeada por Nuno Melo – que ponderou uma candidatura à liderança – e Adolfo Mesquita Nunes, ex-secretário de Estado, chamando ambos a vice-presidentes.

Cecília Meireles é também novidade na vice-presidência, cargo que volta a ser ocupado, por inerência, pelo líder parlamentar, Nuno Magalhães.

Para a Comissão Executiva, o «núcleo duro» da direção, entrou Filipe Anacoreta Correia, o principal crítico de Paulo Portas nos últimos Congressos.

Sem críticas expressas à líder, o tom do congresso fez-se entre os defensores de um CDS mais pragmático e aberto à diversidade – João Almeida, Diogo Feio e Adolfo Mesquita Nunes – e uma visão mais doutrinária e focada nos valores tradicionalmente atribuídos à democracia-cristã – casos de Nuno Melo, Ribeiro e Castro e Lobo d»Ávila.

Numa abordagem mais comum na política anglo-saxónica, Assunção Cristas escolheu referir-se, por várias vezes, à sua família, à sua condição de mãe e até à sua fé católica, assumindo, no entanto, abertura para outras vivências familiares diferentes da sua.

No último dia do congresso, o marido e os filhos estiveram presentes e foram referidos no discurso da presidente, que entrou na sala do Pavilhão Multiusos de Gondomar ao som da música «Changes» [Mudanças], de Faul & Wad AD vs. Pnau.

Foi também ao som de «Changes», e com os congressistas animados pela toada eletrónica, que foi projetado no extenso e sofisticado ecrã panorâmico um filme que recordou os últimos anos políticos de Assunção Cristas, com imagens do seu percurso enquanto ministra – com a pasta do Mar e da Agricultura – e em campanha pelo CDS-PP.

Também o líder de saída, Paulo Portas, teve direito a um filme, que evocou alguns dos principais momentos do seu consulado à frente do CDS-PP, partido que liderou desde o Congresso de Braga, em 1998, apenas com um «intervalo» de dois anos, entre 2005 e 2007, em que foi Ribeiro e Castro o presidente.

Há nove anos, em 2007, Portas voltou à presidência dos democratas-cristãos e, neste congresso, foram muitos os que disseram «Obrigado, Paulo».

Portugal
O 26.º Congresso do CDS-PP consagrou Assunção Cristas como a sétima líder do partido, e a primeira mulher nesse cargo, pondo fim a um ciclo de 16 anos da mais longa presidência centrista, protagonizada por Paulo Portas.
ASSUNCAO CRISTAS CDS.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020