logo
rss  Vol. XX - Nº 345         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Encontro com o Doutor Christian Boukaram

O Poder Anticancro das Emoções

Carlos de Jesus

Entrevista conduzida por Carlos de Jesus

Por ocasião da publicação da versão portuguesa do seu livro «Le pouvoir anticancer des émotions», a equipa da LusaQ TV e do LusoPresse encontrou-se com o autor, Dr. Christian Boukaram, oncologista, investigador, chefe do departamento de Radiocirurgia do Hospital Maisonneuve-Rosemont e também professor de Medicina na Universidade de Montreal.

O livro em Portugal foi publicado pela editora «Nascente» com o título «O poder Anticancro das Emoções». O Dr. Boukaram é também um dos fundadores e grande impulsionador da fundação CROIRE que dá um apoio psicológico e social aos pacientes e seus familiares para quem a palavra «cancro» é proscrita.

De origem arménia, o Dr. Boukaram nasceu no Líbano e veio ainda jovem para Montreal com a família para fugirem à guerra civil que assolava aquele país nos anos 90. Inicialmente pensava seguir uma carreira musical, mas acabou por estudar a Medicina com especialização nas áreas da Física Nuclear e da Neuropsicologia. Poliglota, pratica o que se pode chamar a etno-oncologia, isto é, associa aos tratamentos a componente cultural e religiosa dos pacientes.

Atendendo à grande profusão de livros de autocura milagrosa que inundam as nossas livrarias – é sobejamente conhecido quanto os pacientes estão prontos a acreditar em todas as receitas e em todos os curandeiros – perguntamos ao autor como é que lhe surgiu a ideia deste livro.

«A palavra «cancro» inspira medo, ansiedade e desespero, afetando uma em cada duas pessoas em alguma fase da sua vida.

Dr. Christian Boukaram.jpg
Dr. Christian Boukaram.

Após acompanhar de perto os meus pacientes ao longo de vários anos pude comprovar a importância de um equilíbrio perfeito entre a saúde emocional, a saúde espiritual e a saúde física no combate ao cancro.»

«Muitas vezes – adiantou – cheguei à conclusão que alguns dos meus pacientes, às escondidas, tomavam outros «remédios» das chamadas medicinas alternativas. Isto é uma situação que pode prejudicar a saúde do paciente pois que alguns medicamentos «naturais» podem entrar em conflito com os medicamentos da medicina oficial».

«Depois de todos estes anos de prática cheguei à conclusão que a medicina «oficial» só por si não chega. Há sempre uma componente psicológica, cultural ou até religiosa que podem facilitar ou prejudicar o tratamento. Cheguei, pois, à conclusão, que era preciso olhar para o doente no seu global e não apenas para a doença.»

Foi assim, inspirado por aquilo que já se faz em vários outros países, particularmente nos Estados Unidos, ou até pela obra do Dr. David Servan-Schreiber que se dedicou também à cura do cancro sem descurar os aspetos psicológicos, sociais e culturais que o Dr. Christian Boukaram resolveu colaborar na fundação CROIRE que, no Hospital Maisonneuve-Rosemont procura controlar o stresse da doença por atividades lúdicas e musicais.

O Poder Anti Cancro das Emocoes.jpg

Por conseguinte, não descurando a importância dos tratamentos convencionais, o autor defende que aqueles que gerem bem as suas emoções melhoram o seu bem-estar e fortalecem as suas defesas naturais.

O autor sugere, assim, métodos e conselhos práticos para que as suas emoções, a sua espiritualidade e o seu corpo estejam em harmonia.

Entrevista
Por ocasião da publicação da versão portuguesa do seu livro «Le pouvoir anticancer des émotions», a equipa da LusaQ TV e do LusoPresse encontrou-se com o autor, Dr. Christian Boukaram, oncologista, investigador, chefe do departamento de Radiocirurgia do Hospital Maisonneuve-Rosemont e também professor de Medicina na Universidade de Montreal.
O Poder Anti Cancro das Emocoes.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020