logo
rss  Vol. XX - Nº 345         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Resultado líquido do Exercício do Novo Banco dos Açores

em 2015 foi de 3,9 milhões de euros

O Novo Banco dos Açores orgulha-se de poder regressar a Resultados positivos e de ver reforçados os indicadores que atestam a consolidação das suas posições enquanto Instituição Bancária.

O ano de 2015 continuou, porém, a ser muito difícil e duro, fazendo-se ainda sentir alguns dos efeitos que ditaram a medida de resolução de 3 de agosto de 2014 do Banco de Portugal sobre o ex-BES, sendo o mais expressivo o facto de, durante este exercício, não ter sido consumada a venda do Novo Banco, clarificando-se, por este ato, o posicionamento do acionista de referência do Novo Banco dos Açores em questões fundamentais como a sua estratégia para o futuro. Contudo, graças a uma forte e esclarecida capacidade de resiliência do Novo Banco dos Açores e do apoio do Novo Banco, foi possível obterem-se resultados muito positivos em todas as áreas de atuação, tais como a melhoria do seu rácio de solvabilidade, passando de 6,2% em dezembro de 2014 para cerca de 10,0% em dezembro de 2015, a forte recuperação dos Recursos de Clientes, bem expressa na redução do GAP comercial do Banco de 31 de dezembro de 2014 para 31 de dezembro de 2015 em cerca de 55 milhões de euros, melhorando significativamente a sua liquidez, que tem uma evolução muito positiva, passando de -91 milhões de euros no final de 2014 para -19 milhões de euros no final de 2015, e também refletida no rácio de transformação que evolui de 122% em 31 de dezembro de 2014 para 103% em 31 de dezembro de 2015.

Embora com alguma redução no crédito concedido neste exercício, o certo é que o Banco continua a desempenhar um papel muito importante de apoio à economia dos Açores. De referir que um dos mais importantes ativos do Novo Banco dos Açores é a solidez do crédito concedido e o bom aprovisionamento do mesmo.

Foi também muito importante que num contexto difícil o Banco continuasse a captar novos Clientes, de tal forma que o saldo em relação à erosão de Clientes foi positivo.

O Resultado Financeiro do Novo Banco dos Açores teve, em 2015, um aumento de 14,3% face a 2014, enquanto os Serviços a Clientes tiveram um aumento de 20,7%, conduzindo a uma evolução muito positiva do Produto Bancário Comercial que registou um aumento de 17,1% face a 2014.

O Produto Bancário do Banco teve uma ligeira diminuição de -4,2% em 2015, face a 2014, o que resulta do fato do Novo Banco dos Açores ter centrado a parte fundamental da sua atividade nas funções clássicas da Banca de captação de depósitos para posterior concessão de crédito aos particulares e às empresas privadas e públicas, registando, por esse facto, um Resultado de Operações Financeiras e Diversos inferior a 2014 em cerca de -81%, influenciando assim o comportamento do Produto Bancário, e em contraciclo com o que se verificava nos anos anteriores em que apresentava contributos para o Produto Bancário de cerca de 2 a 3 milhões de euros.

O Novo Banco dos Açores conseguiu controlar em 2015 os seus Custos Operativos, reduzindo-os mesmo, e isto sem modificação de estruturas, nomeadamente da rede de balcões. De salientar que só nos últimos anos e com a previsão para 2016, é possível reduzir os custos com os FST’s em cerca de 25%, o que é um importante contributo para o controlo de custos.

Com os comportamentos e resultados atrás descritos foi possível em 31 de dezembro de 2015 obter um resultado antes de impostos positivo de 5,4 milhões de euros contra um resultado negativo em 2014 de -2,7 milhões de euros.

Foi possível recuperar no ano de 2015 algumas Provisões em resultado de resolução de alguns processos. No entanto, é de referir que o crédito vencido no ano de 2015, em relação a 2014, só cresceu 258 mil euros e que as Provisões e Imparidades constituídas são de 24,3 milhões de euros, o que nos coloca numa posição muito positiva, já que o crédito vencido era, em 31 de dezembro de 2015, de 18,6 milhões de euros.

Acresce que uma parte importante do crédito vencido tem garantias reais e algumas provisões constituídas, o que certamente irá influenciar positivamente os resultados de exercícios futuros. Um dos pontos fortes do Novo Banco dos Açores, e como já foi referido, é precisamente o bom controlo do seu crédito concedido.

Durante este exercício pagamos de Impostos à Região Autónoma dos Açores cerca de 1,5 milhões de euros, o que nos coloca certamente como uma das empresas que mais contribui positivamente para a arrecadação de impostos na Região Autónoma dos Açores.

Assim, mesmo neste contexto difícil, o Novo Banco dos Açores encerrou o exercício de 2015 com um resultado líquido positivo de 3,9 milhões de euros o que se traduz num acréscimo de 6 milhões de euros face ao resultado registado em 2014 (-2,1 milhões de euros).

O ano de 2015 foi também muito importante para o Novo Banco dos Açores porque, não obstante a conjuntura adversa, celebrou vários protocolos com empresas Públicas e Privadas, com o Governo Regional dos Açores e diversas Instituições Públicas e Privadas, o que lhe permitiu dinamizar muito a sua atividade e prestar um serviço de qualidade aos seus Clientes.

Em 2016 iremos prosseguir uma política de grande rigor e impulsionadora da solidez do Banco, fazendo tudo para cumprir com as novas exigências decorrentes da União Bancária Europeia e para tal contamos também com o apoio do Novo Banco. Prosseguiremos uma Política Comercial dinâmica, simples, realista e muito próxima dos nossos Clientes. Tudo faremos para servirmos os nossos Clientes, tendo sempre presente que somos o único Banco a operar na Região Autónoma dos Açores com Sede nos Açores.

Presentemente, com o Banco colocado na esfera de um Banco de transição, o Novo Banco, que é o nosso acionista de referência, continuaremos a manter a nossa identidade societária, e desenvolveremos políticas de qualidade e de rentabilidade para o mercado.

O nosso agradecimento a todos os Colaboradores e Colaboradoras do Novo Banco dos Açores pelo seu empenhamento e contributo para os Resultados obtidos no presente exercício, e que é extensivo ao Novo Banco e a todas as empresas do Grupo com quem nos relacionamos num modelo em que a externalização de serviços e produtos bem como das funções de Compliance, Análise do Risco, Auditoria, Contabilidade, Marketing, etc., são muito importantes para a sustentabilidade e desenvolvimento do Novo Banco dos Açores.

Agradecemos às Autoridades Monetárias e Financeiras Nacionais e Regionais todo o apoio prestado, com particular destaque para o Banco de Portugal e para a Vice-Presidência do Governo Regional dos Açores, que tutela a área das Finanças Regionais, com as quais temos mantido uma cooperação muito construtiva.

Registamos também um agradecimento muito especial aos nossos Acionistas e aos nossos Clientes, empresas e institucionais, e particulares, sejam residentes nos Açores ou nas Comunidades de Emigrantes, pela forte e valiosa contribuição para o desenvolvimento do Novo Banco dos Açores, o único Banco a operar na Região Autónoma dos Açores, com Sede nos Açores.

NOVO BANCO DOS AÇORES

18/02/2016

Açores
O Novo Banco dos Açores orgulha-se de poder regressar a Resultados positivos e de ver reforçados os indicadores que atestam a consolidação das suas posições enquanto Instituição Bancária.
Novo Banco ACORES.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020