logo
rss  Vol. XX - Nº 343         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Presidenciais:

Concluída contagem de votos dos emigrantes portugueses

Lisboa – A contagem de votos dos emigrantes portugueses nas eleições presidenciais ficou concluída segunda-feira com os dados dos consulados de Londres e Caracas: no total, dos 301.775 inscritos, votaram 13.566, o que corresponde a uma abstenção de 95,5%.

Segundo a Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, a demora no escrutínio dos votos deveu-se a uma questão de logística, relacionada com a legislação que prevê que «em todas as assembleias onde há menos de cem eleitores, os votos não podem ser contabilizados no próprio local».

«Os votos têm de ser concentrados na secção mais próxima do Consulado e só depois disso é que o próprio Consulado também abre as urnas», explicou à Lusa a mesma fonte.

Ao todo, votaram, portanto, apenas 4,5% dos emigrantes inscritos: dos 1.386 emigrantes registados no consulado de Londres, votaram 291, ou seja, 21%, e em Caracas, de um universo de 9.254 inscritos, votaram 148, o que equivale a 2%.

Outro atraso no apuramento dos resultados eleitorais ocorreu também em Washington e Newark, onde a votação foi adiada devido a fortes nevões e se realizou só no passado fim de semana.

Apesar de oficialmente confirmado o fim da contabilização dos votos das eleições presidenciais, a página na Internet do Ministério da Administração Interna não tem ainda a informação atualizada, indicando que falta ainda contar os votos de dois dos 73 consulados.

Marcelo Rebelo de Sousa foi eleito a 24 de janeiro Presidente da República com 52% dos votos em território nacional, uma percentagem acima dos 50,5% conseguidos pelo seu antecessor, Cavaco Silva, na primeira eleição, em 2006.

O ex-líder do PSD e comentador político tornou-se o quinto Presidente da República portuguesa desde o 25 de Abril de 1974, numas eleições em que se registou uma abstenção de 51%.

De acordo com os dados do Ministério de Administração Interna, Marcelo obteve 52%, seguindo-se Sampaio da Nóvoa (22,89%), independente apoiado por personalidades do PS, Marisa Matias (10,13%), apoiada pelo BE, Maria de Belém (4,24%), militante do PS, Edgar Silva (3,95%), apoiado pelo PCP, Vitorino Silva (3,28%), Paulo de Morais (2,15%), Henrique Neto (0,84%), Jorge Sequeira (0,3%) e Cândido Ferreira (0,23%).

E no Quebeque?

A afluência às urnas, instaladas no Consulado-Geral, durante os dois dias em que estiveram abertas (sábado e domingo), foi confrangedora, mesmo se aumentou de cerca de 50% relativamente ao último ato eleitoral.

De cerca de 1 500 inscritos no Consulado, apenas se dignaram exercer o direito de voto um pouco mais de 120 pessoas, o que é miserável, para uma comunidade que se diz interessada no dia-a-dia em Portugal...

Critica-se, barafusta-se, protesta-se... mas quando é preciso marcar presença cívica, nada feito. Não admira, pois, que como comunidade continuemos pouco menos do que abandonados. Mas a culpa, como se vê, é apenas nossa.

Portugal
Lisboa – A contagem de votos dos emigrantes portugueses nas eleições presidenciais ficou concluída segunda-feira com os dados dos consulados de Londres e Caracas: no total, dos 301.775 inscritos, votaram 13.566, o que corresponde a uma abstenção de 95,5%.
Eleicoes COMUNIDADES.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020