logo
rss  Vol. XIX - Nº 338         Montreal, QC, Canadá - sábado, 22 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Novo Banco dos Açores no terceiro trimestre

Resultado Líquido foi 4,6 Milhões de euros

O Resultado Líquido do terceiro trimestre de 2015 do Novo Banco dos Açores foi de 4,6 milhões de euros positivos, o que compara com 2,5 milhões de euros negativos obtidos no mesmo período de 2014.

Este resultado deveu-se a um bom controlo do Crédito Vencido, recuperação de Provisões, um bom desempenho do Resultado Financeiro e a uma redução dos Custos Operativos.

Novo Banco DSC_0004.JPG

O Resultado antes de Impostos do Novo Banco dos Açores implicará um montante de 1,5 milhões de euros de impostos correntes, contra apenas 20 mil euros no período homólogo do ano passado.

De dezembro de 2014 até final de setembro do corrente ano o Banco teve um aumento de Depósitos de Balanço de 67 milhões de euros, que permitiu conduzir o Rácio de Transformação do NB dos Açores para 105%. O Banco apresenta um Rácio de Liquidez de 141% enquanto o Rácio de Solvabilidade em finais de agosto era de cerca de 9%.

O Novo Banco dos Açores neste período prosseguiu a sua política de proximidade e envolvimento com os Particulares, as Empresas e Instituições dos Açores e de acordo com a sua Missão e estatuto de único Banco com Sede nos Açores a operar na Região Autónoma dos Açores. O Novo Banco dos Açores tem como acionistas o Novo Banco, 13 Santas Casas das Misericórdias dos Açores, com particular destaque para a de Ponta Delgada e o Grupo Bensaúde.

Açores
O Resultado Líquido do terceiro trimestre de 2015 do Novo Banco dos Açores foi de 4,6 milhões de euros positivos, o que compara com 2,5 milhões de euros negativos obtidos no mesmo período de 2014.
Novo banco.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020