logo
rss  Vol. XIX - Nº 336         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

O Festival do Filme Black de Montreal

Voltou com uma programação enriquecida

Jules Nadeau

Por Jules Nadeau

O Festival do Filme Black está em plena atividade desde quarta-feira passada, dia do lançamento da sua 10ª edição no Cinema Impérial. Martin Luther King III, o filho mais velho do campeão das liberdades civis nos Estados Unidos, foi homenageado pelos organizadores do festival que lhe atribuíram o Prémio Humanitário 2015. A homenagem coincide com o 50º aniversário da marcha histórica de Selma a Montgomery.

A programação deste festival (FIFBM), criação da Fundação Fabienne Colas, enriquece-se de ano para ano e é preciso consultar o portal para conhecer todos os filmes de temas diferentes que é possível ver até domingo próximo, dia 4 de outubro. Lembramos que se trata do maior evento de filme black no Canadá.

A aparição de Martin Luther King III era ansiosamente esperada no tapete vermelho depois da chegada das muito elegantes vedetas da soirée. Reservado e polido, o filho do herói de Selma prestou-se mesmo ao jogo de algumas breves trocas amigáveis e de apertos de mãos, honra concedida também ao representante do LusoPresse.

luso Black 2015.JPG
Os principais organizadores do Festival pousam orgulhosamente na companhia de Martin Luther King III no «Tapete vermelho». Na ordem habitual vemos Émile Castonguay, Fabienne Colas, o convidado de honra, e Pras Michel.
Foto  - LusoPresse

Para o nosso público, mencionemos o filme co-apresentado pelo LusoPresse e a LusaQ TV. O documentário «Cidade de Deus: 10 anos depois» conta a história dos jovens atores da longa-metragem de Fernando Meirelles e Kátia Lund que recebeu numerosas recompensas. Como é que as suas vidas evoluíram depois do sucesso mundial? As recordações dos que tinham então uma quinzena de anos e que conheceram os desportos, a violência e a miséria das favelas. A projeção terá lugar domingo, dia 4 de Outubro, às 17 horas, no Cinéplex Odéon do Quartier Latin. Preço do bilhete: 10 dólares.

«Este ano o FIFBM abre um novo capítulo depois de 10 anos de existência. Com uma nova programação e novas ideias, o prestigioso festival conta redefinir o seu modelo de festival de filmes. Em seis dias, os festivaleiros têm a possibilidade de encontrar atores e realizadores dos quatro cantos do mundo e partilhar a sua paixão. Há para todos os gostos nos diferentes cinemas, menciona o comunicado.

O filme de encerramento de 4 de outubro é sobre a história da luta dos Negros Americanos pelos seus direitos fundamentais. «The Black Panthers, Vanguard of the Revolution» será apresentado às 19 horas na sala Hall da Universidade Concordia. Trata-se da primeira longa-metragem documentário que estuda o movimento político, a sua pertinência na cultura americana, assim como as lições dolorosas a tirar do descarrilamento desta organização rebelde. O documentarista Stanley Nelson interroga as testemunhas dessa época: polícia, informadores do FBI, jornalistas, apoiantes brancos, detratores, fiéis do Black Panthers e desertores do Partido.

Para mais pormenores sobre uma rica programação e outros acontecimentos do festival consultar:

www.montrealblackfilm.com

Festival
O Festival do Filme Black está em plena atividade desde quarta-feira passada, dia do lançamento da sua 10ª edição no Cinema Impérial. Martin Luther King III, o filho mais velho do campeão das liberdades civis nos Estados Unidos, foi homenageado pelos organizadores do festival que lhe atribuíram o Prémio Humanitário 2015. A homenagem coincide com o 50º aniversário da marcha histórica de Selma a Montgomery.
FIFBM.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020