logo
rss  Vol. XIX - Nº 336         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Em 2013 e 2014...

Emigração estabilizou

Lisboa – O Observatório da Emigração estima que a saída de portugueses do país em 2013 e 2014 tenha estabilizado, em alta, nos 110 mil por ano e que em 2015 comece a descer.

«A perspetiva era que em 2014 a emigração tivesse baixado, porque o número de pessoas com disponibilidade para emigrar também se esgota. Fiquei surpreendido que ainda se tenha mantido em 2014», afirmou à agência Lusa o sociólogo Rui Pena Pires, do Observatório da Emigração.

Segundo o também professor universitário, o «mais provável é que em 2015 comece a descer».

O professor destacou que, apesar de a tendência de 2013 e 2014 ser de estabilização, o número de portugueses que emigraram só tem «paralelo com finais dos anos de 1960 e princípios dos anos de 1970».

Os dados publicados pelo Observatório da Emigração sobre as saídas totais de portugueses são estimados com base na soma de dados recolhidos em 15 países europeus, mais Angola, Brasil e Moçambique.

«Os dados que foram colocados são provisórios, porque são feitos com informação disponível no final do primeiro semestre deste ano, faltando informação sobre a França e Suíça», explicou o sociólogo, sublinhando que até ao final do ano haverá uma ligeira correção em alta.

Questionado sobre quais os principais países para onde emigram os portugueses, Rui Pena Pires disse que são Reino Unido, Suíça, França, Alemanha e Espanha.

«Mas com o Reino Unido muito destacado, com cerca de 30 mil pessoas por ano», disse.

Emigração
Lisboa – O Observatório da Emigração estima que a saída de portugueses do país em 2013 e 2014 tenha estabilizado, em alta, nos 110 mil por ano e que em 2015 comece a descer.
Emigracao estabeliza.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020