logo
rss  Vol. XIX - Nº 326         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Um Tango para Florianópolis

«Niña de oro y luz»

Por Lélia Pereira Nunes

É deliciosa a sensação de bem-querer com a «minha» cidade de Florianópolis que me acolhe há quarenta e cinco anos e que no dia 23 de março de 2015, segunda-feira outonal, festejou seu aniversário de 289 anos de cidade e me concedeu o título de Cidadão Honorário - um sonho urdido no meu caminhar sem pressa, sussurrado ao Vento Sul e que deposito neste Mundo Ilha onde a minha vida se tece.

Uma data tão importante que deve ser festejada sempre com muita alegria por todos que aqui nasceram ou a escolheram como sua terra de eleição.

No entanto, não quero falar do aniversário de Florianópolis e sim de um presente muito especial. Não me refiro ao maior presente que é ser seu cidadão, uma honra inegável e incontestável. Isso todos sabem e sentem. Mas, de uma belíssima e inusitada declaração de amor à cidade na expressão musical e apaixonada do «Tango Florianópolis» composto em 1945 pelo músico, violinista e compositor italiano Pierino Codevilla, natural de Voghera. Há setenta anos, numa iluminada tarde de outono, o barco em que Codevilla viajava com destino à Montevidéu sofreu uma avaria mecânica e aportou junto a Ilha de Santa Catarina. Obra do acaso ou das bruxas, o facto é que o músico italiano capitulou profundamente seduzido e enamorado pela beleza encantada e paradisíaca da nossa Ilha. O tango «Florianópolis» é um presente à cidade pela calorosa hospitalidade, um agradecimento ao amigo-anfitrião Admar Gonzaga e um tributo de amor incondicional à Ilha. Pierino Codevilla, compositor de sucesso, nutria verdadeira paixão pelo tango argentino, sendo conhecido como «O Rei do Tango». Segundo a Comune di Voghera, Codevilla é o único músico Vogherese cujo nome está citado na histórica «Enciclopédia Musicale Italiana». A composição foi gravada no Brasil, no final da década de quarenta, por Victor Silvester’s and his Ballroon Orchestra (EMI Odeon, 9453). Cinquenta anos depois, Augusto Gonzaga, filho do empresário Admar Gonzaga, com ajuda do jornalista argentino Antonio Rodriguez Villar, convida o poeta argentino Horácio Ferrer, membro da Academia Nacional de Tango e famoso pelas canções que escreveu com Astor Piazzolla, para criar uma letra para o tango de Codevilla. O poeta conheceu Florianópolis, apaixonou-se, inspirou-se e, em 1999, nascia a letra de «Florianópolis, niña de oro y luz».

Nesta homenagem à Florianópolis, faço ponto final com uma estrofe do belo poema de Ferrer: «Isla de poesia, niña de oro y luz/Isla que algún dios del sur inspiró/com miel de sol./Tu ser es de palmar y pez/ tu fe de la cruz del anochecer/Orgía de estrellitas em mi alma/flor de noche, flor de dia...Florianópolis, mi amor. [...]»

 

Crónica
É deliciosa a sensação de bem-querer com a «minha» cidade de Florianópolis que me acolhe há quarenta e cinco anos e que no dia 23 de março de 2015, segunda-feira outonal, festejou seu aniversário de 289 anos de cidade e me concedeu o título de Cidadão Honorário - um sonho urdido no meu caminhar sem pressa, sussurrado ao Vento Sul e que deposito neste Mundo Ilha onde a minha vida se tece.
Um tango para Florianopolis.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020