logo
rss  Vol. XIX - Nº 326         Montreal, QC, Canadá - sábado, 28 de Março de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Bilhete de Lisboa

Três experiências gastronómicas

Por Filipa Cardoso

Portugal é um destino turístico que está na moda. Uma das razões para o sucesso é a sua gastronomia. Já temos cerca de meia dúzia de restaurantes distinguidos com estrelas Michelin mas é em lugares pouco espetáveis que descobrimos verdadeiros pitéus.

– Restaurante Tacho da Memória, Rua Francisco Relva Marques, 2, ODIVELAS

Não se espera encontrar um restaurante tão bom nos limites da capital, perto da auto estrada A8. Tem uma sala elegante, uma cozinha portuguesa com suaves toques de modernidade e um serviço simpático e eficiente.

Desde 2010 que Rui Dantas e a cozinheira Fátima traçam o destino deste lugar que cada vez atrai mais clientes.

Da lista fazem sucesso – Bochechas de tamboril com migas de grelos e alho, atum com batata-doce e ananás flambé, naco de lombo de vitela servido na frigideira sobre uma trempe.

Mas é o arroz de lingueirão que é famoso e posso dizê-lo, fantástico. A particularidade é que o lingueirão vem inteiro e não cortado em pedaços. O motivo segundo me explicou o senhor Dantas é que o bivalve tem água do mar numa bolsa no seu interior que se for cortado será perdida. Essa água é fundamental para a aromatização e tempero do arroz.

Para terminar uma mousse de dois chocolates, ou mil folhas de arroz doce.

– Restaurante Blend, Rua do Norte, 24, Bairro Alto, LISBOA

Na internet este restaurante vem mencionado como um lugar para Mixing Flavours & Life, Eat.Drink.Talk.Meet.Mix.

Foi inaugurado em janeiro de 2014 com projeto gastronómico do chefe argentino Chakall, e Ricardo Quaresma (jogador do Futebol Clube do Porto) como sócio principal.

Só abre para o jantar, a cozinha fecha às 24h mas de quinta a sábado está aberto até mais tarde funcionando como bar, com dj.

A decoração é um sofisticado-industrial, luz intimista. Ao fundo da sala um fogão a lenha que se tornou o ex-líbris da casa.

Serve vários pratos para partilhar, como peixinhos da horta com molho ailloi, risottos (muito bons) ceviches.

Para a próxima visita irei experimentar Hamburga Blend Wood com cebola empanada, queijo scarmorza fumado, panceta e misto de batatas fritas.

Para terminar comi uma empada de doce de leite com queijo, que estava uma delícia.

– Casa Monte Pedral Adega e Restaurante, Rua Manuel Bernardo Barahona, 22, CUBA

Mesmo no centro da vila alentejana de Cuba este restaurante funciona numa antiga mansão com uma arquitetura muito própria, com abóbadas de tijolo à vista montados em pilares.

A adega tem 12 enormes talhas de barro, em fila, datadas de 1934, mesas de madeira e vários utensílios agrícolas nas paredes.

Fui jantar, e tudo que experimentei estava divinal.

Comecei com um presunto de porco preto cortado magistralmente, no momento, pelo proprietário, José Soudo.

Logo de seguida apareceu, quase como por magia, uns ovos mexidos com espargos e cilarcas.

Por fim, já dava por terminado o repasto ainda surgiu um tachinho de sopa de toucinho que não foi possível recusar...

Toda a refeição foi regada com vinho, da talha, tinto (vinho feito tradicionalmente em talha de barro onde não entram produtos químicos).

No menu li esta descrição com que termino este BL

«Para um alentejano não há longe nem distância porque o alentejano percebe que a vida não é uma corrida de velocidade mas uma corrida de resistência. Aquilo que para um homem comum fica muito longe para um alentejano fica já ali».

Bilhete de Lisboa
Portugal é um destino turístico que está na moda. Uma das razões para o sucesso é a sua gastronomia. Já temos cerca de meia dúzia de restaurantes distinguidos com estrelas Michelin mas é em lugares pouco espetáveis que descobrimos verdadeiros pitéus.
Bilhete de Lisboa1.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020