logo
rss  Vol. XIX - Nº 325         Montreal, QC, Canadá - domingo, 05 de Julho de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Livro de Manuel Carvalho

Dedicado à mulher de «olhos azuis»

Reportagem de Nuno Cansado, estagiário

Mais de uma centena de pessoas marcaram presença na tarde de domingo, dia 15 de março, para assistir ao lançamento de mais um livro, com o título «O homem que falava com as flores», de Manuel Carvalho, e à mostra de pintura da artista Maria João Sousa.

A cerimónia teve lugar num dos salões pertencentes à Igreja Santa Cruz, situada no centro da cidade de Montreal, e contou com a presença de algumas figuras com importância na comunidade portuguesa desta cidade.

Manuel Carvalho DSC03143.JPG
Manuel Carvalho no momento dos agradecimentos.
Foto Alexandre Gravito.

Entre todos, podemos destacar a presença na mesa de honra de Arlindo Vieira, Padre José Maria Cardoso e José Pedro Domingos. Nessa mesma mesa estava também o próprio Manuel Carvalho e a artista Maria João Sousa. Presente na sala esteve a filha de Manuel Carvalho juntamente com a sua neta.

O programa teve Tina Vieira como animadora do evento e a apresentação do livro foi entregue a Joaquina Pires. As palestras ficaram ao cargo do Padre José Maria Cardoso, Arlindo Vieira e José Pedro Domingos, que durante a cerimónia deixaram algumas palavras a todos os membros da Comunidade Portuguesa que ali compareceram.

Durante o seu discurso, o Padre José Maria Cardoso citou um poema da página 29 da obra «O homem que falava com as flores» o que, e segundo as suas palavras, considera ser o coração do livro…

«Seremos pedras de um plano original traçado por um ser superior, cuja finalidade não alcançamos?

Dependerá o nosso destino principalmente de nós próprios, dos nossos pensamentos, das nossas ações e dos campos de energia que criamos à nossa volta?

Ou será, afinal, o fluir dos acontecimentos obra do acaso, esse assustador e caprichoso agente que tudo pode devastar ou reconstruir, consoante lhe der na real gana, à sua passagem, indiferente aos nossos sonhos e projetos?

Questões eternas e sem resposta evidente que nos continuarão a acompanhar e atormentar até ao fim dos tempos.

Seja como for, não se pode considerar que a enxurrada de acontecimentos que me atingiram seja das mais frequentes e explicáveis à luz crua da razão.»

Manuel carvalho quadros IMG_4565.JPG
Quadros que refletem o percurso de Manuel Carvalho, através do pincel da pintora Majão, sua companheira.
Foto Alexandre Gravito.

Maria João Sousa foi a 5ª convidada a subir ao palco para a apresentação das suas 5 telas. Nessas obras, a artista representa, essencialmente, algumas paisagens do campo em terras lusitanas por onde passou Manuel Carvalho. Uma vista a Cicouro, Miranda do Douro, uma paisagem com amendoeiras em flor, uma luz de esperança entre os pinheiros, as flores trazidas de Portugal e plantadas aqui no Canadá, no Parque Jarry. Esta última foi a imagem escolhida para a capa do livro ali apresentado na tarde de domingo.

Sem que estivesse previsto, Manuel Carvalho, num gesto de agradecimento, foi convidado a proferir algumas palavras a todos os convidados que ali se juntaram.

Do programa também fez parte a inauguração da biblioteca dos autores Luso-Canadianos, José D’Almansor e a referência aos autores portugueses em Montreal, que ficou a cargo de José Pedro Domingos.

Como representantes da Escola Portuguesa Lusitana, Amália Carreiro Lopes e Marco Paulo Couto, foram os dois jovens que subiram ao palco para fazerem a leitura de alguns poemas da autoria do padre José Maria Cardoso e do autor Fernando André.

Manuel Carvalho IMG_4576.JPG

Manuel Carvalho nasceu em Cicouro, Miranda do Douro. Viveu grande parte da sua juventude nos Outeiros da Gândara dos Olivais, nos arredores de Leiria. Depois da guerra colonial em Angola, andou por muitos locais até chegar a Montreal, em 1980. Aqui permaneceu até aos dias de hoje.

Com esta publicação dedicada à mulher dos «olhos azuis», Manuel Carvalho completa um naipe de sete livros.

Reportagem
Mais de uma centena de pessoas marcaram presença na tarde de domingo, dia 15 de março, para assistir ao lançamento de mais um livro, com o título «O homem que falava com as flores», de Manuel Carvalho, e à mostra de pintura da artista Maria João Sousa.
Lancamento do Livro de Manuel Carvalho.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020