logo
rss  Vol. XIX - Nº 324         Montreal, QC, Canadá - sábado, 26 de Setembro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Bilhete de Lisboa

Carnaval 2015

Por Filipa Cardoso

Estamos praticamente na semana do Carnaval. Li recentemente uma definição de carnaval de que gostei: «O carnaval é basicamente um movimento diluidor da rebeldia.»

São três dias de grandes folias e boa disposição.

Tentei encontrar BOAS notícias portuguesas para animar o espírito...

– Remax Portugal foi a melhor da Europa. O grupo imobiliário português distinguiu-se no universo Remax. Ganharam não só nos resultados, mas em número de agências abertas e na retenção de agentes.

– Tunipex, de Olhão, cria atuns em aquacultura e exporta-os para o Japão. Em 2011 bateu o recorde da faturação, € 6 milhões. Os atuns chegam a ter mais de dois metros e podem pesar cerca de 300 quilos.

– Meia.dúzia R, empresa que produz compotas de sabores lusos em bisnaga. Tem um volume de vendas próximo de € 600 mil e está presente em 16 países. Esta empresa ostenta o selo «Portugal Sou Eu» o que significa que tem uma taxa de incorporação nacional acima dos 66%.

– Escolas de Gestão portuguesas, Católica-Lisbon, Nova School of Business and Economics (SBE) e a Porto Businees School, figuram entre as 80 melhores da Europa. São cada vez mais procuradas por alunos além-fronteiras. Um quarto dos inscritos no último ano eram estrangeiros, com os alemães a representar 5,6% dos alunos.

– Astrofísica. O estudo da abundância das componentes do Universo valeu a Nelson Nunes, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o prémio Breakthrough 2015, financiado por Mark Zuckerberg. São três milhões de dólares que Nelson vai partilhar com meia centena de cientistas.

– Texteis-Lar estão a viver um bom momento. Durante anos os EUA voltaram-se para Leste e Oriente mas agora estão a redescobrir o «made in Portugal» como escolha certa para vestir as suas casas. Entre outras a Lameirinho, com uma faturação de € 60 milhões, exporta 90% da sua produção, sendo metade para EUA, e a Piubelle, fundada em 1981, tem como principal mercado os EUA, com uma quota de 35%.

Na feira Heimtextil, na Alemanha, a empresária portuguesa Cristina Machado, que ia apenas vender a coleção de roupa de cama Home Flavours, foi bombardeada com propostas de compra do stand, das plantas, da marca, e até do modelo dos sacos da empresa.

– Alfarrobeiras. Este ano Portugal produziu 80 mil toneladas de alfarroba, o volume mais elevado de sempre, tendo ultrapassado a Espanha, ficando atrás de Marrocos, que é o maior produtor mundial. A alfarroba é utilizada em papas de bebés, gelados, pastelaria, rações para animais, cremes e medicamentos, estampagem e impermeabilização de têxteis, espessante para cores e produção de biocombustíveis.

– Rolhas de champanhe. Milhões de rolhas de cortiça portuguesa saltaram das garrafas de champanhe um pouco por todo o mundo quando soaram as doze badaladas da passagem de ano. Grande parte da produção portuguesa tem como destino o mercado externo, sendo o mercado francês o que lidera o consumo, seguido do italiano. As rolhas de champanhe fazem parte das rolhas técnicas, com um corpo aglomerado e com um, dois ou três discos num dos topos, mas com um diâmetro maior que as rolhas normais.

Felizmente podemos constatar que há empresários, académicos, agricultores, entre outros, que conseguem desenvolver com sucesso os seus projetos e leva-los além-fronteiras.   

 

Bilhete de Lisboa
Estamos praticamente na semana do Carnaval. Li recentemente uma definição de carnaval de que gostei: «O carnaval é basicamente um movimento diluidor da rebeldia.»
Bilhete de Lisboa.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020