logo
rss  Vol. XVIII - Nº 320         Montreal, QC, Canadá - terça-feira, 07 de Julho de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Major League Soccer

La Galaxy e Revolution na grande final!

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Era a final que favorecíamos! Porque das 19 atuais equipas da Major League Soccer, são duas equipas que admiramos. O La Galaxy muito por culpa de Landon Donovan, para mim um dos cinco melhores jogadores do mundo; o Revolution por uma questão de família – irmã, sobrinhos, tias, primos e muitos amigos vivem na Nova Inglaterra. Já agora, para que saibam tudo sobre os meus gostos futebolísticos nesta América do Norte, há ainda, como já devem ter percebido, uma terceira equipa no meu painel de gostos. Trata-se do Impacto de Montreal, de quem sou aficionado desde a primeira hora!

Revolution x Red Bull, 2-2

Tínhamos falado no jogo da primeira mão entre estas duas equipas, disputado em Nova Iorque, e que o Revolution venceu por 2-1. Para o Red Bull foi um resultado altamente negativo, que lhe custou a eliminação, como se verá a seguir. Pois, com efeito, foi aquela derrota, para mais em casa, que ditou o seu afastamento da grande final da Taça MLS, visto que, no segundo jogo, agora realizado em Bóston, o resultado deu um empate (2-2). Perder, numa meia-final, para mais em casa, é como entregar o ouro ao bandido... Tivesse feito o seu «trabalho de casa» e agora o Red Bull, pelo excelente jogo que fez em Bóston, tendo mesmo estado a vencer durante quase toda a partida, e agora Henry e seus companheiros estariam à espera do La Galaxy.

DL_leekelyn.jpg
Liderado por Lee Nguyen, que é candidato a Jogador do Ano, o Revolution da Nova Inglaterra, depois de vencer a Zona Este da MLS, prepara-se agora para defrontar o La Galaxy, na grande final de domingo. Na foto, acompanham o internacional americano de origem asiática, Charles Davis - esteve praticamente perdido para o futebol devido grave acidente de automóvel - e Kelyn Rowe, outros dois excelentes jogadores americanos do clube da cidade de Bóston.

No entanto, não se pense que o Revolution está na final por demérito dos pupilos de Peckie. Quem foi ganhar a Nova Iorque, mesmo se se deixou empatar em casa, tem razões para se sentir com o dever cumprido, por ter feito mais golos que o seu forte adversário. De resto, uma equipa que tem jogadores como Charles Davies – antigo ponta de lança da Seleção dos Estados Unidos e que, com 28 anos, vem de uma longa convalescença de um acidente que quase o levou à morte –, Lee Nguyen – forte candidato a ser o Jogador do Ano da MLS –, e ainda Jermaine Jones – aquele que marcou um golo espetacular a Portugal no recente Mundial do Brasil – e que de regresso da Europa veio dar uma mais-valia ao Revolution, dizia, uma equipa que tem jogadores desta estirpe, tem forçosamente que ser uma boa equipa. Daí que o seu apuramento tenha toda a razão de ser.

Para além do bom futebol exibido por ambos os conjuntos, em dois jogos onde o resultado esteve sempre indefinido pela espetacularidade do «tu cá, tu lá», desempenhado por executantes de primeira água, juntou-se-lhes o público, com o Arena de Nova Iorque completamente cheio e o Gillette de Bóston com cerca de 40 mil pessoas! Para um país onde o futebol está arredado dos jornais de toda a ordem... nada mau!!!

Sounders x La Galaxy, 2-1

Estas são, na atualidade, as duas melhores equipas de futebol de toda a América do Norte e das melhores da CONCACAF. E isso confirmou-se no jogo de domingo à noite, na cidade de Seattle, no Estado de Washington – faz fronteira, a norte, com a Colômbia Britânica.

Com efeito, depois de, no primeiro jogo, disputado em Los Angeles, cidade-mãe do La Galaxy, o resultado ter sido uma vitória, pela margem mínima, dos angelinos (1-0), esperava-se neste segundo desafio um assalto do Sounders à disputa da eliminatória, pois tinha necessidade de marcar ao seu valoroso e prestigiado adversário pelo menos dois golos sem resposta. Ou, sofrendo, tinha sempre que vencer por dois golos de diferença.

Foi o que aconteceu até meio da segunda parte, quando ganhava por dois a zero, fruto dos golos de Evan Bush e Clint Dempsey, dois internacionais norte-americanos. Essa diferença acabou quando Juninho, um ex-São Paulo a jogar no La Galaxy vai para três anos, marcou um espetacular golo, o único de toda a época, mas que apareceu na altura ideal para ajudar a sua equipa, visto esse tento ter sido decisivo para eliminar o Sounders já que um golo marcado no terreno do adversário, em caso de empate, vale por dois. Foi isso que aconteceu para desânimo dos 50 mil espectadores que estiveram nas bancadas do estádio do Sounders, numa outra grande manifestação de apoio popular dos americanos, de uma ponta à outra do país, ao futebol.

Os 90 minutos de jogo foram disputados de forma intensa, com as equipas a jogarem de um lado ao outro do campo. E as oportunidades também se dividiram pelas duas formações, com Donovan e Keane a dominarem os primeiros vinte minutos da contenda, isto para surpresa dos locais, talvez à espera que o La Galaxy começasse por ver em que paravam as modas, na defesa da sua curta vantagem (1-0) trazida da primeira mão. Nesse período Keane primeiro e Donovan depois podiam ter feito estrago. Mas o guarda-redes local a isso se opôs. E como o La Galaxy não marcou enquanto dominou, de repente quem passou para a frente, em jogo jogado e em golos foi o Sounders, mercê de alguma atrapalhação da defensiva e guarda-redes forasteiros, que num ápice, e pelos seus erros, se viram a perder por dois golos, os suficientes para passarem de apurados a eliminados.

O intervalo fez bem aos homens de Bruce Arena. De tal forma que outra vez se viu o La Galaxy a dominar o jogo, sem que o Sounders soubesse bem como e porquê... Foi assim que, então, apareceu o golo de Juninho, num remate de fora da área, indefensável, mesmo se Frei, o guarda-redes esmeralda (pela camisola, entenda-se), tudo fez para impedir que o remate do brasileiro resultasse em golo. De tão bem colocado, o remate só terminou com a bola dentro da baliza. Estava, a partir daquele momento, o La Galaxy qualificado para a final, mercê do golo marcado em terreno do seu antagonista...

Os minutos seguintes foram muito difíceis para o Sounders, que a jogar em casa, diante do seu maravilhoso público, e depois de estar com um pé na final, se via em situação de desvantagem. Nessa altura Landon Donovan e companhia podiam ter dado o xeque-mate no destino do desafio e da eliminatória. Não o deram e por isso os 10 minutos finais foram então de muita aflição para os californianos, agarrados à ténue vantagem do golo marcado ali mesmo minutos antes... Já por banda do Sounders, que perdido por um perdido por mil se lançou em desespero de causa ao assalto da baliza de Penedo à espera que um ressalto, ou um erro qualquer, como o frango do segundo golo, lhe desse o tento da salvação que o colocasse na final do dia 7 de dezembro, por sinal em jogo que seria realizado no seu próprio estádio por ter sido a equipa que ganhou o Campeonato regular.

Finalmente, chegaram ao fim os 90 minutos. E com eles vieram as deceções para os jogadores, staff técnico, e os muitos espectadores do Sounders. Do outro lado era a euforia: o La Galaxy não só ganhava ali a Taça da Zona Oeste da Major League Soccer, como estava apurado para a sua nona final da MLS – já ganhou quatro e uma contra o seu próximo adversário, o Revolution, em 2005 – a disputar em sua casa no dia 7 de dezembro, por ser, entre os dois finalistas, a equipa que mais pontos conquistou no Campeonato de 34 jornadas.

Final e despedida de Landon Donovan

A final do dia 7 de dezembro tem vários atrativos. Para lá da conquista do troféu mais emblemático do futebol norte-americano, há a curiosidade de saber se Landon Donovan, o melhor jogador de futebol de todos os tempos dos Estados Unidos, deixa o profissionalismo ganhando a sua quinta Taça. Que o La Galaxy, a ganhar de novo este troféu, passa a ser a equipa com mais conquistas, à frente do DC United, entre outras curiosidades.

Atração é também o facto do Revolution da Nova Inglaterra poder ganhar esta competição pela primeira vez, sabendo-se que já foi finalista cinco vezes, uma delas diante deste adversário do próximo dia 7.

Como se vê, muita expectativa para o embate entre o La Galaxy de Los Angeles e o Revolution da Nova Inglaterra, que se realiza em Los Angeles, domingo, dia 7 de dezembro.

Prognósticos? Entre estas duas equipas sairemos satisfeito ganhe quem ganhar. Que têm as duas valor para ganhar a Taça? Disso não temos dúvidas, pois basta olhar para o naipe de jogadores que estarão pisando o terreno de jogo no domingo. É, efetivamente, um jogo a não perder. Os interessados poderão visionar este importante e decisivo desafio nos canais da RDS e TSN.

Desporto
Era a final que favorecíamos! Porque das 19 atuais equipas da Major League Soccer, são duas equipas que admiramos. O La Galaxy muito por culpa de Landon Donovan, para mim um dos cinco melhores jogadores do mundo; o Revolution por uma questão de família – irmã, sobrinhos, tias, primos e muitos amigos vivem na Nova Inglaterra. Já agora, para que saibam tudo sobre os meus gostos futebolísticos nesta América do Norte, há ainda, como já devem ter percebido, uma terceira equipa no meu painel de gostos. Trata-se do Impacto de Montreal, de quem sou aficionado desde a primeira hora!
Major League Soccer.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020