logo
rss  Vol. XVIII - Nº 317         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 02 de Julho de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Entre 19 equipas…

Impacto fica no último lugar?

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

O Impacto de Montreal está a um jogo de terminar a sua terceira época na Major League Soccer. E pelo andar da carruagem, a formação montrealense irá terminar no último lugar da sua zona, a «Este», isto num leque de 10 equipas, cuja primeira classificada é a DC United, a mais medalhada equipa da Major League Soccer.

Se se ficassem por aqui os problemas do Impacto, ainda se podia dizer que entre 10 equipas, o último lugar não era assim tão mau... Mas o pior é que o Impacto também se prepara para ficar na última posição da tabela classificativa de toda a liga, constituída por 19 conjuntos, divididos por duas zonas, «Este», como já vimos, e «Oeste». Se acabasse agora, esse último lugar já não lhe escaparia... Mas falta um jogo, a disputar sábado próximo, no Estádio Saputo, precisamente diante do DC United. Se perder este jogo – ou mesmo ganhando, se... – o Impacto termina no fundo da tabela, isto quando no início do ano se falava em disputar, por esta altura, estão a ver? os lugares da frente, que isto de participar nas eliminatórias estava mais do que no bornal...

Emanuel Linhares DSC_0039.JPG
Aos jogos do Impacto assistem muito poucos espectadores de origem portuguesa.Por esse facto é sempre agradável quando vemos alguém da nossa origem ocupar uma cadeira no Estádio Saputo. Desta vez não foi uma cadeira que foi ocupada, mas sim três, mercê da presença de Emanuel Linhares, presidente da JOEM e da Caixa Desjardins Portuguesa, acompanhado dos seus dois filhos.
Foto  - LusoPresse

Como já temos dito, este ano o Impacto tinha obrigação de fazer melhor que em 2013, quando o suíço Marco Schalibaum levou a equipa a disputar a Liguilha, se bem que perdendo para o Dynamo de Houston. Não fez melhor que o suíço, tampouco fez melhor que Jesse March, o treinador americano que iniciou o ciclo MLS, em 2012, quando de uma manta de retalhos fez uma equipa para não envergonhar, colocando-a na 7.ª posição, com 42 pontos, mais 15 que os 27 atuais...

Apesar da campanha desastrosa do Impacto este ano, em 2015, pelo menos no começo, porque não acreditamos que fique por muito tempo, vamos ter a mesma equipa técnica, liderada por Frank Klopas quando, nos dois anos passados, com resultados mais probantes, os respetivos treinadores foram despedidos... Percebe-se?

Como adepto, achamos desolante que os dirigentes montrealenses não tenham analisado a situação de outra maneira e isto há muito tempo... E eles não podem dizer que não tiveram indícios de que nada iria funcionar... Foram erros atrás de erros e o treinador foi sempre ficando. Porquê? Sinceramente não encontramos se não uma explicação: a psicose de terem mandado dois técnicos embora quando tinham feito bom trabalho, ignorando a vontade dos adeptos.

Mais três dias e estará o Impacto disputando o seu último jogo do ano. Se perder ou empatar, é certo e sabido que a equipa azul e preta ficará no 19.° lugar – o último! Se ganhar, o que não é nada previsível dado o potencial do adversário – o DC United, o primeiro da Zona Este – o Impacto terá de esperar pelo que fazem o San Jose, de Yannick Djaló, e o Chivas USA, que também estão a um jogo do fim e que têm mais três pontos (30 contra 27) que a formação quebequense.

NYCFC-Orlando-City-SC-Split-Screen.jpg
Em 2015 a MLS terá mais duas equipas, Orlando City, com Káká como porta estandarte, e Nova Iorque City, com as vedetas David Villa e Lampart, entre outros. Estes são os respetivos emblemas.

É muito triste ver como o Impacto chegou a este ponto. Mesmo se investiu num ou noutro jogador de calibre, a verdade é que o Impacto nunca demonstrou que poderia fazer uma temporada de acordo com as suas ambições. Em nossa opinião demitiu o diretor-técnico, que também era empecilho, convenhamos, quando se devia ter mandado embora o treinador logo quando nos primeiros sete jogos, nem uma vitória houve para a amostra. Foram quatro derrotas e três empates. Estava dado o mote para uma época desastrada.

Passado este ciclo, a equipa arrebitou um pouco mas sem nunca dar ares de que poderia marcar um tempo no campeonato. Veio uma ou outra vitória, que peneirou os olhos de quem podia decidir e nada... Seguiram-se-lhe mais um ciclo, este mais negro do que o anterior, com sete derrotas seguidas!... Nem mesmo aqui houve inteligência e sabedoria para empurrar o grego pela borda fora...

Foi por se ter cometido tantas asneiras numa só época que fez com que um leque de bons jogadores, alguns com provas dadas mesmo nesta liga, não conseguissem formar uma equipa que pudesse ganhar jogos com regularidade. Estamos em risco de não ter, sequer, um ponto por partida... E apesar disso, aleluia, que já temos – o mesmo... – treinador para 2015!

Novas equipas

Em nenhuma parte do mundo se viu o futebol atingir uma fulgurância como nos Estados Unidos – também, claro, no Canadá! Repare-se que em 1994, quando os USA organizaram o Mundial de Futebol, aquele país nem liga nacional organizada tinha. Foi em 1996 que tudo começou, com 10 equipas. Dezoito anos depois, a Major League Soccer conta com 19 equipas de futebol altamente profissionalizadas, num campeonato que já começa a fazer inveja a muitos países, pelos níveis de organização técnica e financeira; seja igualmente pelo nível médio das suas assistências, a rondar os 20 mil espectadores por jogo. Não são muitos os países onde se atinjam esses números...

Entretanto, para 2015, a Major League Soccer vai receber mais duas equipas, Orlando City FC e Nova Iorque City. Aquela passa a representar o Estado da Florida, quando se sabe que na forja está a equipa de Miami, também da Florida, e cujo proprietário é David Beckham. A segunda vem rivalizar com a equipa do Nova Iorque Red Bull, na liga desde a primeira hora, se bem que a dada altura tenha sido apelidada de Nova Iorque Metro Stars, passando assim Nova Iorque a ter duas equipas de futebol na Primeira Divisão, o que só acontece com a cidade de Los Angeles, que alberga o La Galáxia e o Chivas USA.

Mas Nova Iorque ainda pode dar mais à MLS ao saber-se que o grande Cosmos dos anos 80 está de volta, integrando neste momento a Segunda Divisão, à espera da sua hora «H» para regressar ao primeiro plano do futebol norte-americano. A acontecer isso, será magnífico na medida em que Nova Iorque passará, então, a ter três clubes de futebol profissional! Já imaginaram este cenário!?

Com toda esta azáfama, o Impacto de Montreal tem de se precaver se não quiser passar por um clube que apenas está na liga para participar...

Desporto
O Impacto de Montreal está a um jogo de terminar a sua terceira época na Major League Soccer. E pelo andar da carruagem, a formação montrealense irá terminar no último lugar da sua zona, a «Este», isto num leque de 10 equipas, cuja primeira classificada é a DC United, a mais medalhada equipa da Major League Soccer.
Entre 19 equipas.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020