logo
rss  Vol. XVIII - Nº 314         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 22 de Janeiro de 2021
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

No Canadá, à espera do Mundial de Seniores Feminino

Jovens futebolistas mundiais dão espetáculo!

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Durante 20 dias, no passado mês de agosto, o Canadá viveu sob o efeito do Campeonato do Mundo de Futebol Feminino – Sub 20. Quatro cidades no país tiveram o privilégio de receber jogos da já reputada competição juvenil, a maior do mundo no seu género. Dúvidas? Digam-me que modalidade desportiva tem capacidade para reunir num mesmo estádio, durante um jogo, 50 mil pessoas? Nenhuma!

Depois de ter recebido esta competição em 2002, quando terminou sensacionalmente na segunda posição – derrota, no prolongamento, por 1-0, diante dos Estados Unidos, a grande potência do futebol mundial a nível feminino – o Canadá voltou a repetir a organização do Mundial Feminino Sub-20 – naquela altura a idade referência eram os 19 anos – com muita qualidade, claramente evidente no parecer dado pelos fifeiros na conferência de Imprensa de balanço da prova.

É verdade que a FIFA e o Comité Organizador talvez esperassem um pouco mais de espectadores, que se ficaram por uma média ao redor das 10 mil almas por jogo. Mas tendo em conta diversos fatores, como o da eliminação do Canadá nos quartos-de-final, as assistências acabaram por ser aceitáveis, isto é, melhor do que, por exemplo, na prova disputada na Suécia, mas nitidamente pior do que a realizada na Alemanha. Mas aqui estamos num país de futebol, com 90 milhões de pessoas – o Canadá não chega aos 35 milhões... – além de que a Alemanha é a segunda potência do futebol feminino, só atrás dos USA.

Selecao CANADA F U 20 game_photo_1204.jpg
Muito talento nesta jovem equipa canadiana que tomou parte na recente Copa do Mundo que teve lugar no Canadá

Com 16 equipas em competição; divididos os jogos por quatro cidades canadianas, Edmonton, Toronto, Montreal e Moncton, as previstas melhores equipas foram-se chegando à frente, com realce para os favoritos dos grupos. Foi assim que, no Grupo A passaram o Canadá e a República Democrática da Coreia, a única formação com um Campeonato do Mundo ganho, à parte, naturalmente, dos Estados Unidos e da Alemanha. A seguir, no Grupo B, considerado o mais forte por ter quatro equipas com pretensões, qualificaram-se os mais capazes, Alemanha e Estados Unidos, mesmo se o Brasil e a China, equipas com pretensões, tenham dado boa réplica. No Grupo C, os favoritos pareciam ser a Inglaterra, que tem evoluído muito neste últimos anos, e o México, terceiro na perspetiva do continente norte-americano. Afinal, o passo em frente foi dado pela Nigéria – a melhor equipa de África em juvenis e em seniores! – e a Coreia do Sul, que sem estar ao nível da sua irmã do Norte, é também uma formação de bom valor. Finalmente o Grupo D, o que pareceu de menor poderio. Logo aqui sobressaiu a França que, estejam atentos, vai dar que falar nos próximos anos, talvez já em 2015, com a sua equipa de seniores – certamente que deste lote de Sub-20 lá estarão algumas – no Campeonato do Mundo da categoria que será realizado também no Canadá. Acompanharam as gaulesas as cangurus da Nova Zelândia.

Vieram os quartos-de-final e com eles vieram algumas agradáveis surpresas. Mas também houve deceções, como aquela que aconteceu às jovens canadianas, cheias de sonhos em chegarem à final de maneira a imitar a hoje grande Christine Sinclair e suas colegas de 2002. Mas o adversário, a Alemanha, foi mais forte, como prova a conquista do título, o terceiro da sua história, o que faz com que agora as teutónicas tenham igualado o rival, reconquistando o cetro precisamente aos Estados Unidos. Mas o resultado de 0-2 não tirou brilho à capacidade das canadianas, com algumas jovens atletas já preparadas e com valor para passarem a integrar o grupo que em 2015 vai fazer as honras da casa à elite internacional aquando do Campeonato do Mundo Sénior...

Juntamente com a Alemanha passaram às meias-finais a Nigéria (4-1 à Nova Zelândia), a França (depois de 0-0, só venceu a Coreia do Sul nas penalidades, 4-3), e a Coreia do Norte (1-1 contra as campeãs (Estados Unidos) em título, com o desempate em penáltis, por 3-1, a favorecer as asiáticas).

Nas meias-finais, a Nigéria cilindrou a antiga campeã do Mundo Coreia do Norte, por 6-2, enquanto a Alemanha eliminava a França, por 2-1.

Se no jogo entre asiáticas e africanas nunca esteve em jogo a maior categoria da Nigéria, perfeitamente refletida na goleada, já com a eliminação da França houve uma grande injustiça. Vimos o jogo e temos de dizer que, por vezes, o futebol é muito ingrato. Se houvesse justiça, era a França que tinha passado à final e não a Alemanha. Valeu, sobretudo, a grande exibição da guardiã alemã que defendeu o possível e o impossível. O resto teve a ver com a pouca sorte que tiveram as atacantes francesas ao desperdiçarem alguns lances de golo praticamente certo.

Quanto ao resto, a Alemanha, que demonstrou ser também uma grande equipa, vide os 5-1 ao Brasil, limitou-se a fazer o seu trabalho, que até deu para passar à final e, depois, ganhá-la!

E fê-lo diante da excelente mas infeliz Nigéria (1-0), que já em 2012 se viu batida na final pelos Estados Unidos. Com duas finais perdidas de forma consecutiva, estará a Nigéria preparando a vitória para daqui a dois anos?...

Para o terceiro e quarto lugares, a França levou a melhor sobre a Coreia do Norte pelo apertado resultado de 3-2.

A terminar, refira-se que a ronda final foi dirimida no Estádio Olímpico perante cerca de 20 mil espectadores.

Agora que venha 2015

No próximo verão o futebol internacional marcará de novo presença no Canadá. Serão as 24 melhores seleções de futebol feminino do Mundo que estarão pisando os estádios das cidades de Vancouver, Edmonton, Winnipeg, Otava, Montreal e Moncton. É a primeira vez que a prova conta com 24 equipas. Antes eram 16. Mas como o nível de futebol tem vindo a crescer de forma exponencial, a FIFA determinou que a prova de 2015 passaria a contar com mais oito equipas. E tanto melhor para o Canadá, que contará com mais umas boas centenas de milhar de turistas no país, o que fará muito bem à nossa economia.

No decorrer dos próximos meses, o LusoPresse sempre que possível trará a estas páginas informação ligada à importante prova.

Tendo o Campeonato do Mundo de Futebol Feminino Sub-20 servido de prelúdio ao Mundial Feminino do próximo ano, estamos em condições de afirmar que todos os comités locais e nacional que tiveram a responsabilidade de pôr de pé este grande acontecimento desportivo de uma costa à outra do Canadá vão continuar em funcionamento. Daí, apraz-nos referir que o comité dirigido por Francis Millien, o homem forte do futebol no Quebeque, vai continuar por isso em funções.

Desporto
Durante 20 dias, no passado mês de agosto, o Canadá viveu sob o efeito do Campeonato do Mundo de Futebol Feminino – Sub 20. Quatro cidades no país tiveram o privilégio de receber jogos da já reputada competição juvenil, a maior do mundo no seu género. Dúvidas? Digam-me que modalidade desportiva tem capacidade para reunir num mesmo estádio, durante um jogo, 50 mil pessoas? Nenhuma!
No Canada.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2021