logo
rss  Vol. XVIII - Nº 314         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 22 de Janeiro de 2021
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

No Campeonato da Major League Soccer

Em oito jogos, Impacto obtém apenas três vitórias...

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Durante o período das férias do nosso jornal, o Impacto de Montreal disputou, para o Campeonato da Major League Soccer, oito desafios. E quanto ao pecúlio, a formação comandada por Frank Klopas ficou-se apenas por três vitórias, o que é muito pouco, convenhamos.

Para uma equipa que queria, este ano, disputar os lugares cimeiros da MLS, ou pelo menos melhor do que foi conseguido em 2013, quando o Impacto se ficou pela primeira eliminatória, é deveras preocupante este trajeto dos montrealenses, que em 25 jogos disputados até este momento, apenas venceram cinco, o último dos quais sábado, diante do Columbus Crew, uma boa equipa, diga-se em abono da verdade.

Pensada para fazer uma época superior à de 2013, quando se classificou para a primeira eliminatória da fase final do Campeonato, ao perder de forma evidente diante do Dynamo de Houston, que por sinal viria a ser finalista da sua série, a equipa montrealense não conseguiu demonstrar que os seus dirigentes tinham razão quando despediram Marco Schaulibaum para irem buscar Frank Klopas, assim como alguns jogadores de categoria duvidosa. De resto, na primeira época de MLS, já a decisão de mandar Jesse March para o desemprego, quando tinha contrato com a equipa, também nos pareceu descabida por precipitada...

kaka(FORMATTED).jpg
Kaká, o grande jogador brasileiro de futebol que já fala à Orlando City, a sua nova equipa a partir de janeiro 2015, na Major League Soccer

Com o Impacto a acumular maus resultados atrás de maus resultados, Joey Saputo, o presidente do clube, decidiu demitir o seu grande amigo Nick di Santis do posto de secretário técnico, como forma de demonstrar que está atento às necessidades da equipa. Estará mesmo?

Depois da mexida cosmética, onde rolaram algumas cabeças, como já vimos, até de jogadores com categoria para ficarem por muitos e bons anos na equipa, como sejam os casos de Collen Warner (Toronto FC), Andrew Wenger (União de Filadélfia) e Sanna Nyassi (Chicago Fire), o Impacto continuou a «vegetar» em termos de resultados... Pelos vistos, a série negra de resultados nunca seria por uma questão de maus jogadores. Os problemas, ainda hoje, cremos que veem de cima... Neste aspeto há que apontar para outras cabeças. A menos que...

Chegada de Piatti

Depois de muita turbulência, o Impacto estava mesmo a precisar de um balão de oxigénio. E ele pode ter chegado agora, com o reforço Piatti, ex-San Lorenzo de Almagro, equipa poderosa do Sul da América (Argentina) e que acaba de ser coroada campeã da Taça dos Libertadores da Conmenbol, troféu prestigioso e equivalente ao da Liga dos Campeões na Europa.

Depois de uma adaptação de três jogos, Piatti já começou a dar nas vistas, com um futebol de fino recorte, a fazer lembrar a classe e categoria de muitos dos seus compatriotas que jogam um pouco por toda parte. Piatti é nitidamente melhor do que o seu colega argentino Bernardello, que depois de pouco mais do que meia época de negro e azul, aceitou um melhor contrato do Clube América, deixando o Canadá pelo México.

Para quem esteve sábado no Estádio Saputo observando o duelo Impacto x Columbus pôde ver que Piatti teve influência decisiva na contenda, não fosse ele o autor dos dois golos, por sinal ambos de excelente execução.

Mas Nacho Piatti, apesar da excelente impressão deixada em campo, não vai comer a bola nos estádios da América do Norte. Disso podem estar certos os nossos leitores. Como ele há dezenas de futebolistas na MLS. Até muitos melhores. Mas que Piatti tem capacidade para ajudar o Impacto a ganhar jogos, lá isso tem. A continuar assim, não nos admiraremos que a breve trecho o argentino possa ser o líder da formação montrealense. De maneira a salvar a cabeça de mais alguns responsáveis? É o que vamos saber no decorrer da dezena de jogos que ainda faltam até final da época.

Adversários talentosos

Há necessidade, para o Impacto, que as vitórias apareçam com alguma regularidade, isto apesar do apuramento para a fase final da temporada estar praticamente fora de hipóteses. Mas está em causa o brio dos jogadores e o querer deixar a porta aberta para ficar no plantel em 2015. Contudo, nos tempos mais próximos, as dificuldades vão continuar a ser muitas. Basta ver que, nos próximos três jogos, os adversários são muito talentosos, principalmente o La Galaxy e o Revolution, duas equipas que lutam pelos primeiros lugares da Liga e que pretendem ir até ao jogo da final. Para ganhar a estes dois adversários, o Impacto tem que estar ao seu melhor, caso contrário a derrota é mais do que certa. Já contra o Dynamo de Houston, a fazer uma carreira algo distante dos anos anteriores, a dificuldade para o Impacto está no facto de ir atuar fora, num Estádio cheio e onde os adeptos apoiam muito a sua equipa. Mas como em futebol não há vencedores antecipados... pode ser que os montrealenses acabem por dar um ar da sua graça nesta rota final da época.

Campeonato MLS, resultados:

Columbus – Impacto, 2-1

Salt Lake – Impacto, 3-1

Impacto – Portland, 2-3

Impacto – Toronto, 0-2

Filadélfia – Impacto, 1-2

Impacto – Chicago, 1-0

Nova Iorque – Impacto, 4-2

Impacto – Columbus, 2-0

Próximos jogos:

Dia 6 de setembro, em Houston

Dynamo – Impacto

Dia 10 de setembro

Estádio Saputo:

Impacto – La Galaxy

Dia 13 de setembro, em Bóston

Revolution – Impacto

Liga dos Campeões da CONCACAF

Dia 17 de setembro

Estádio Saputo:

Impacto – Nova Iorque.

Desporto
Durante o período das férias do nosso jornal, o Impacto de Montreal disputou, para o Campeonato da Major League Soccer, oito desafios. E quanto ao pecúlio, a formação comandada por Frank Klopas ficou-se apenas por três vitórias, o que é muito pouco, convenhamos.
No Campeonato da Major League Soccer.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2021