logo
rss  Vol. XVIII - Nº 314         Montreal, QC, Canadá - segunda-feira, 18 de Janeiro de 2021
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

No 10º Festival du Film Black:

O Espinho da Rosa, uma coprodução dum Bissau-guineense em estreia em Montreal

Jules Nadeau

Por Jules Nadeau

O Festival Internacional do Filme Black apresentará em Montreal (no 10º ano de existência) uma série de ficções e de documentários de 23 a 28 de setembro. O convidado de honra será o espaventoso realizador americano Spike Lee (muito conhecido por Malcom X e Jungle Fever). Além disso, em exclusivo, uma coprodução portuguesa do cineasta da Guiné-Bissau, explicou-nos com entusiasmo a porta-voz Joyce Fuerza, Haitiana instalada recentemente em Montreal, que se exprime muito bem em português.

Como primeira criação, Filipe Henriques realizou um filme de ação (violento segunda a banda-anúncio) intitulado O Espinho da Rosa. Esta longa-metragem de 97 minutos será apresentada no sábado 27 de setembro às 21 horas no cinema Quartier Latin. Os bilhetes são a 10 dólares.

Com 35 anos, Filipe Henriques nasceu em Bissau, a capital. «Aos 18 anos viu-se forçado a abandonar o seu país, devido ao conflito armado que ocorreu no ano de 1998, refugiando-se em Portugal. Atualmente vive em Manchester, UK. Frequentou os estudos secundários nos liceus Taborda (Guiné-Bissau) e Padre Alberto Neto (Portugal). Em 2001, ingressou na Faculdade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, onde tirou o curso superior de cinema, vídeo e comunicação multimédia, através do qual tem tido a oportunidade de efetuar diversos projetos a nível profissional», indica o seu CV.

Joyce Fuerza DSC_1157.JPG
Joyce Fuerza, a coordenadora do Festival Internacional do Filme Black de Montreal, que fala fluentemente a Língua de Camões!
Foto Jules Nadeau - LusoPresse

«O Espinho da Rosa é um filme cuja trama se desenrola nos nossos dias, passando, porém, por uma dimensão fantasmagórica que se vai interligando até ao ponto de não haver mais retorno. O filme transporta-nos para uma realidade profunda, pesada e urbana, através de dois casos específicos de pedofilia que criam um desequilíbrio no normal e provocam uma série de emoções no espectador. A história combina temas tão sérios e reais como os flagelos da pedofilia e incesto, os sentimentos comuns a todos nós: amor, ódio e vingança, num contexto envolto por uma força sobrenatural e energias desconhecidas», explica o comunicado de imprensa.

A sinopse deste filme de 2013 que é apresentado em vários festivais em três continentes? «O Espinho da Rosa é um filme produzido entre Portugal e Guiné Bissau e conta a história de David Lunga, um advogado de sucesso, satisfeito com o rumo que a sua carreira está a tomar. Porém, não esperava que a resolução desse caso passasse por desvendar os terríveis segredos da bela mas misteriosa rapariga por quem irremediavelmente se apaixona.»

A poliglota Joyce Fuerza

Se este filme nos permite descobrir um talento da Lusofonia, para o LusoPresse, é o prazer de descobrir um jovem talento daqui. Haitiana de origem e vivendo em Monreal desde 2010, Joyce Fuerza apresentou-nos o Festival Internacional do Filme Black numa entrevista à LusaQ TV. Em português! Língua que aprendeu num curso no Massachusetts, em Brockton, onde uma maioria de lusófonos vem do Cabo Verde. Também estudou espanhol na República Dominicana. Depois, um bacharelato em Comércio na Universidade Concordia para juntar ao CV da jovem poliglota.

«Este festival (FIFBM) tem por objetivo favorecer o desenvolvimento da indústria do cinema independente e valorizar mais filmes sobre a realidade dos Negros de todo o mundo. Quer deitar um olhar novo e refrescante sobre o cinema negro dos quatro cantos do globo! O serão de abertura (com tapete vermelho) do festival realiza-se no Cinema Imperial a partir das 19 horas no dia 23 de setembro. O festival vai homenagear o realizador muito conhecido, selecionado para os Óscares e autor de 35 filmes, Spike Lee, no dia 24 de setembro no Cinema Imperial.»

A jovem diplomada de 27 anos encantou-nos a todos nos estúdios da LusaQ TV onde foi entrevistada por Carlos de Jesus. A entrevista será difundida na próxima semana. Além de ser a coordenadora da programação do Festival Internacional do Filme Black de Montreal, Joyce Fuerza coordena também o Toronto Black Film Festival (Toronto) e o Festival Haïti en Folie (Montréal). Resumindo, uma pessoa dinâmica e sorridente, interessada por uma carreira de atriz – profissão em que terá êxito facilmente.

Dentro em breve neste endereço, para todos os pormenores: www.montrealblackfilm.com e 514-882-3334. Alguns bilhetes gratuitos serão oferecidos num sorteio. Endereçar-se a: joyce@montrealblackfilm.com.

 

Festival
O Festival Internacional do Filme Black apresentará em Montreal (no 10º ano de existência) uma série de ficções e de documentários de 23 a 28 de setembro. O convidado de honra será o espaventoso realizador americano Spike Lee (muito conhecido por Malcom X e Jungle Fever). Além disso, em exclusivo, uma coprodução portuguesa do cineasta da Guiné-Bissau, explicou-nos com entusiasmo a porta-voz Joyce Fuerza, Haitiana instalada recentemente em Montreal, que se exprime muito bem em português.
Festival Film Black.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2021