logo
rss  Vol. XVIII - Nº 312         Montreal, QC, Canadá - domingo, 05 de Julho de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

EVOCAR CARLOS QUERIDO

Por Avelino Bento*

A 7 de julho próximo faz 24 anos que Carlos Querido nos deixou.

Com ele partiu uma parte da memória viva de uma geração de portugueses chegados ao Canadá em meados da década de 60 do século XX. Mas o seu legado patrimonial deixado na Televisão Portuguesa de Montreal, de que foi um dos fundadores, no outono de 1973, e coordenador até à hora da sua morte, ficou em centenas ou milhares de cassetes vídeo que durante todos aqueles anos soube construir, partindo daquilo que lhe era muito caro e que entendia ser extensivo à Comunidade Portuguesa: a Cultura de uma forma geral e a Cultura Portuguesa de uma forma particular.

Carlos Querido a par da sua atividade profissional que o levou para o Canadá, lembro que era um excelente desenhador projetista, começou, como voluntário, a trabalhar para e com a Comunidade Portuguesa em fevereiro de 1972 como Animador Cultural. Desde essa altura passou a ser uma referência para a Comunidade pela sua intervenção, pela sua generosidade, pela sua militância e pela sua cultura.

Porque estou hoje a evocar o nome de Carlos Querido?

CQuerido12.jpg
Carlos Querido, mais a esposa Luísa, ambos à esquerda na foto, dias antes de emigrar para o Canadá.

Afinal somos amigos (reforço o somos) desde quatro anos antes de ter partido para o Canadá com a Luísa e o Pedro, seu primogénito, ainda bebé. Fomos ao longo dos anos até ao momento em que nos re-encontrámos em Montreal, entre 87 e 90, mantendo contactos esporádicos entre nós, sobretudo reatados por eles quando vinham a Portugal. Sabiam onde me encontrar. Tínhamos a Arte e a Cultura como elos de ligação. A minha vida em torno do Teatro e da Dança Clássica nessa altura permitia que este vínculo de amizade não se extinguisse e fosse absolutamente generoso até ao fim da sua vida que eu, infelizmente, acompanhei nos seus últimos meses. As oportunidades criadas por Carlos Querido para eu me integrar na Comunidade Portuguesa, a partir da implementação de momentos como apresentador ou animador de programas na Televisão Portuguesa de boa memória, foram permanentes e permitiram-me durante os dois anos que permaneci em Montreal conhecer a Comunidade, ter apoio «familiar» de amigos e, sobretudo, comungar ideias e projetos com um homem que, do meu ponto de vista, estava à frente da sua época. Era generoso, culto, solidário, humilde, inteligente e dinâmico. Mas era também um homem insatisfeito, com uma enorme vontade de transformar, mudar e inovar. Por vezes não foi suficientemente convincente e, por isso, não teve o(s) apoio(s) que merecia.

Carlos Querido, estivesse ele ainda entre nós, manteria um espírito aberto e universal como era próprio dele. Da mesma forma que se entregou definitivamente ao serviço público, o de servir a Comunidade Portuguesa e nunca se servir dela como pude constatar durante os anos que permaneci junto dele, esse espírito universal seria colocado generosamente ao dispor, com a mesma força e intenção, de uma Comunidade em transformação. De uma Comunidade específica e com identidade cultural própria, a portuguesa, para outra Comunidade onde a diversidade e a pluralidade cultural são fatores determinantes para uma existência em comum. Falo, naturalmente, da Comunidade de Língua Portuguesa.

Evocar hoje Carlos Querido, passados estes 24 anos, é apelar a um sentimento de reconhecimento e de homenagem por parte da Comunidade a Carlos Querido e para que esta não se esqueça de todos aqueles que, ao longo da sua História tiveram e continuam a ter uma forma de estar no seu seio, que é de dedicação e de amor pelo próximo, pelos valores e pela cultura comum. Que é hoje, sobretudo, pela Língua Portuguesa.

* – Professor Coordenador Jubilado do Instituto Superior Politécnico de Portalegre.

– Amigo de uma vida, da Família Querido.

– Saudoso da cidade de Montreal, da Universidade de Montreal onde estudei e da Comunidade Portuguesa que conheci.

Comunidade
A 7 de julho próximo faz 24 anos que Carlos Querido nos deixou.
Evocar Carlos Querido.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020