logo
rss  Vol. XVIII - Nº 310         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 23 de Outubro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Pelo que vimos nos últimos dois jogos...

Quererá o Impacto arrebitar?

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Depois de uma má fase, que coincidiu com a meia-final do Campeonato Canadiano de Futebol, o Impacto de Montreal parece querer arrebitar, agora que o Campeonato da Major League Soccer entra num período importante, onde perder um ou dois jogos, pode ser o adeus definitivo ao sonho do fim da temporada, quando é tempo de participar nas eliminatórias que dão acesso ao título de campeão.

Com efeito, o Impacto de Montreal, com 12 partidas efetuadas na MLS este ano, encontra-se no último lugar da tabela classificativa da sua série (Zona Este), com apenas 10 pontos, a 13 do primeiro classificado, o New Revolution, da Nova Inglaterra.

Impacto – New Revolution, 2-0

Depois de se ter classificado para a final do Campeonato de Futebol do Canadá de maneira extremamente difícil – 5-4 no conjunto dos dois jogos que disputou contra o Edmonton FC, da Segunda Divisão –, o Impacto de Montreal venceu sábado, no seu estádio, precisamente o líder da Zona Este da prova da MLS, por 2-0, naquele que terá sido, de certeza, o seu melhor jogo da época. Ganhou e jogou bem. De resto, não tivesse posto todo o seu saber e poder, certamente que o Impacto não teria tido arcaboiço suficiente para bater os homens da Nova Inglaterra, motivados como estão pelos bons resultados conquistados até aqui, muito por culpa de uma equipa jovem, ambiciosa e cheia de bons elementos, com destaque para o americano Lee Nguyen.

Para nós, que seguimos a par e passo esta liga, não deixa de não ser interessante o que vêm fazendo os homens de Massachusetts, paredes-meias com o Rhode Island, estado onde temos a nossa querida mana Mariana. Para mais, diga-se para quem não saiba, o Revolution é a equipa de futebol mais portuguesa dos Estados Unidos, com o lisboeta José Gonçalves – é o capitão – e o luso-americano A.J. Soares. No ano passado, Matts Reis, que agora enveredou pela carreira de treinador, era outro luso-americano desta equipa. E... depois desta só mais duas formações têm gente de procedência portuguesa: o Columbus Crew, com Agostinho Viana, nado e criado na grande nação ianque, e Yannik Djaló, recentemente chegado ao San Jose da Califórnia. Curiosamente, neste último caso, a sua ficha técnica aponta como tendo ele a nacionalidade guineense... Um outro jogador, que chegou a fazer furor nos juniores do Sporting, chegou a assinar pelo Real Salt Lake mas foi sol de pouca dura, visto a sua passagem ter sido muito rápida e improdutiva, por nunca ter jogado como titular...

Com 19 equipas profissionais e com uma margem de progressão fenomenal, não se percebe como não há mais jogadores de origem portuguesa na Major League Soccer... Em 2015, mais duas formações se adicionarão à MLS e, assim, mais estrelas internacionais virão para o seu campeonato, como Villa, internacional espanhol do Atlético Madrid, e Lescott, do Manchester City, que também é internacional pela Inglaterra, e que deve assinar nos próximos dias. E ainda há o caso de Lampard, do Chelsea, que pode vir do Campeonato do Mundo do Brasil diretamente para Nova Iorque, para ingressar no Nova Iorque City, uma das duas equipas – a outra é o Orlando City – que ingressarão na MLS em março de 2015.

Falando do Orlando City, que neste momento joga na Segunda Divisão, já se diz que dois craques brasileiros farão parte do seu plantel e que são nada mais nada menos que Kaká e Robinho!

Depois de todo este leque de grandes jogadores que se preparam para entrar no «soccer», já para não falarmos nos que já lá estão, só mesmo um enigma para justificar a continuada falta de portugueses nesta liga, que paga melhor que quase todas as equipas portuguesas, onde não há salários em atraso, e os seus jogos são presenciados por dezenas de milhar de espectadores... Já era tempo dos jogadores portugueses dizerem que também contribuem para fazer do futebol um dos desportos mais em voga neste continente!

Toronto FC – Impacto, 1-1

A final do Campeonato de Futebol do Canadá, este ano, será decidida entre os dois rivais de Toronto e Montreal. No primeiro embate, há duas semanas, em jogo na cidade rainha, o resultado deu um empate (1-1). O segundo jogo, decisivo, claro, está-se a jogar no momento de pôr estas linhas no papel. E a equipa favorita, por jogar em casa, é o Impacto, até porque os torontoenses estão algo desfalcados, por terem alguns dos seus melhores jogadores nas suas respetivas seleções a caminho do Brasil, para tomarem parte no Mundial. Mas nunca fiando.

Se ganhar a contenda desta noite (quarta-feira, 4 de junho), o Impacto renova o título e vai representar o Canadá na Liga dos Campeões da CONCACAF, que começa em agosto próximo.

Rapids Colorado – Impacto, 4-1

O primeiro jogo desta série de três jogos que o Impacto acaba de realizar foi disputado no Colorado. Neste encontro, a formação de Montreal não esteve bem. E assim sendo, acabou por ser goleada (4-1). Espera-se que tenha sido o último dos maus jogos do Impacto e que, agora, depois da vitória e boa exibição sobre o Revolution, a equipa do treinador Frank Klopas parta para um resto de época mais consentâneo com o seu real valor.

Próximos desafios

Dia 11 de junho

Estádio Saputo, 19h30

Impacto – DC United

Dia 25 de junho

Whitecaps – Impacto

Desporto
Depois de uma má fase, que coincidiu com a meia-final do Campeonato Canadiano de Futebol, o Impacto de Montreal parece querer arrebitar, agora que o Campeonato da Major League Soccer entra num período importante, onde perder um ou dois jogos, pode ser o adeus definitivo ao sonho do fim da temporada, quando é tempo de participar nas eliminatórias que dão acesso ao título de campeão.
Pelo que vimos nos ultimos dois jogos.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020