logo
rss  Vol. XVIII - Nº 310         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 23 de Outubro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Pedro da Silva, o documentário

Vitória Faria

Por Vitória Faria

O nosso compatriota Pedro da Silva está na moda: no espaço de duas semanas descobrimos uma biografia sua, ouvimos uma conferência do seu autor Carlos Taveira e assistimos à projeção dum documentário sobre a sua vida no Canadá.

Sobre o livro e o escritor encontra-se um artigo neste número do jornal, «Pedro da Silva, primeiro carteiro do Canadá», que nos dá mais pormenores sobre este português em terras da Nova França. Quanto ao visionamento do documentário, realizou-se na quarta-feira dia 28 de maio, no salão da Missão Santa Cruz, na sua primeira projeção em Montreal.

A sala estava cheia e diversas personalidades presentes. Francisco Salvador fez as apresentações, começando por Emanuel Linhares, Presidente da Caixa Portuguesa Desjardins e promotor do evento. Este falou brevemente sobre os programas de ajuda aos jovens patrocinados pela Caixa e o prazer de ter tornado possível este visionamento, com a ajuda do Padre José Maria Cardoso, que cedeu a sala.

Carlos Taveira Mots et Marées.jpg
Documentário extraido deste livro.

O Embaixador de Portugal no Canadá, José Fernando Moreira da Cunha, deslocou-se de Otava para assistir à projeção, na sua primeira visita oficial a Montreal. Disse algumas palavras sobre a importância desta iniciativa de valorização da comunidade, e de que devemos aproveitar todas as ocasiões para mostrar as páginas da história que têm a ver com os portugueses e valorizar o seu contributo para a construção deste país.

Foi então a vez de Bill Moniz, o realizador do documentário «Pedro – Le premier facteur du Canada», que começou por agradecer a ajuda da Caixa Portuguesa Desjardins e a dedicação de Francisco Salvador. Foi ele que ao assistir à projeção do vídeo em Laval, num parque ao qual foi dado o nome do herói, por altura dum picnic de quebequenses descendentes de Pedro da Silva, que pensou que os portugueses de Montreal também tinham direito a assistir a esta projeção. Relatou como se começou a interessar por Pedro da Silva em 2003, quando se comemorarem os 50 anos da comunidade portuguesa no Canadá. Comentou ainda sobre a odisseia do financiamento do documentário, a qual começou em 2007 e cujos fundos provêm na sua maior parte da comunidade portuguesa, o que constitui um caso único. Houve ainda uma contribuição do governo português, e mesmo da empresa Terma Import-Export de Toronto.

O filme baseia-se nas pesquisas históricas de Carlos Taveira, que ao longo do documentário explica como era a vida nesse tempo em terras da Nova França. Os atores são simples amadores e Pedro da Silva é personificado pelo jovem Billy Rioux, um apaixonado de barcos da época e que construiu para si mesmo um semelhante aqueles em que teria viajado o nosso herói aventureiro para navegar o rio Saint-Laurent. Tendo começado como transportador de mercadorias, passou a acrescentar a essa atividade o transporte de mensagens e mais tarde o correio oficial da colónia, tendo sido nomeado em 1705, em nome de Luís XIV de França «mensageiro do rei», fazendo dele o primeiro carteiro do Canadá e reconhecendo a sua contribuição para a edificação do país.

Entre a assistência estavam presentes duas descendentes do nosso compatriota, Francine da Silva e Linda Portugais, quebequenses muito orgulhosas das suas origens.

Documentário
O nosso compatriota Pedro da Silva está na moda: no espaço de duas semanas descobrimos uma biografia sua, ouvimos uma conferência do seu autor Carlos Taveira e assistimos à projeção dum documentário sobre a sua vida no Canadá.
Pedro da Silva documentario.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020