logo
rss  Vol. XVIII - Nº 310         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 23 de Outubro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Na 2ª Gala da Diversidade

Homenageados oito Quebequenses

Jules Nadeau

Por Jules Nadeau

No decorrer duma prestigiosa soirée no Teatro Outremont, oito Quebequenses de diversas origens e de meios diferentes foram homenageados quando da segunda edição dos Grands Prix Mosaïque. «A diversidade em ação!» um acontecimento anual fazendo honra a Donald Jean, incansável pdg da agência de imprensa Médiamosaïque e iniciador dos prémios Lys de la Diversité.

A conferência de imprensa de 11 de março último dizia bem a verdade: a gala de 2014 iria ser uma bela festa da diversidade e a valorosa equipa de Donald Jean ia entregar o prometido. Muitos participantes, uma soirée festiva com espetáculo e, sobretudo, vários talentos a reter entre os laureados. Sem esquecer o prazer de rever os velhos amigos como Dany Laferrière, Kim Thuy e Boucar Diouf. Dos «pure laine et du Québec tissé serré», segundo a expressão imaginativa deste último que fez rir toda a sala.

Honremos então os oito vencedores e que é preciso enumerar. O lys da imprensa foi para Marie-Lise Rousseau por um artigo publicado no jornal L'Itinéraire. O lys da rádio ganho por Luc Fortin por uma reportagem sobre os Jogos Paraolímpicos de Sotchi no canal M, De vues et voix. O lys da televisão foi atribuído a Phil Beauchemin pelo seu documentário «Une Terre 1000 mondes» produzido por Polyvista. Na categoria foto, foi Valerian Mazataud por uma reportagem sobre Montréal-Nord na revista Nouveau-Projet. Na categoria web, Soleiman Mellau pelo seu site «Autochtones, l'autre histoire» na Radio Canada International.

Diversidade Laureados.JPG
A foto de família dos oito laureados da diversidade duma prestigiosa gala no Teatro Outremont. Muitos talentos do Quebeque «métissé serré».
Foto Jules Nadeau - LusoPresse

Os outros três lys estavam sujeitos a critérios diferentes. Para recompensar uma pessoa das que vieram substituir os antigos, Déborah Cherenfant pelo seu blogue encorajando o sucesso nos negócios de novos empresários. No capítulo dos construtores, Jérôme Pruneau de DAM (Diversité Artistique Montréal) pela sua contribuição inestimável aos artistas. E enfim, a grande Homenagem à autora Kim Thuy, prémio entregue pelo académico Dany Laferrière.

Impossível, aqui, de não sublinhar o calor do porta-voz Boucar Diouf. A sua grandeza (de tamanho), a sua vitalidade e o seu humor de observador formidável. Depois de 24 anos no Senegal e 24 anos no Quebeque, o oceanógrafo fez suficientemente de laboratório para passar ao raio X o falar dos Quebequenses. Por exemplo, ele definiu-nos a diferença profunda entre dois termos: o ici (aqui) corrente e o icitte mais imediato: viens drè-là! «Repararam que quando dizemos viens icitte! isto quer dizer “vem já de seguida”?», lançou ele enquanto mencionava a existência da sua amorosa de Matane. Cada vez que ele voltava à sabedoria do seu avô, os riros rebentavam. Também é preciso escutar uma canção da sua autoria utilizando rimas como Cancun e ti-counes. (mas para se divertir em grande com Boucar Diouf é imprescindível ver o seu espetáculo.)

Também foi divertido escutar madame Kim Thuy contar uma anedota da sua viagem a França com Dany Laferrière. Sem pensar, ela declarou: «Eu e ele vimos do mesmo país». Evidentemente que ela queria dizer do Quebeque, sem insistir sobre a cor da pele. O que surpreendeu o público francês, seguramente mais atento à diferença física entre uma Vietnamita e um Haitiano.

Enfim, uma palavra sobre os outros artistas que acrescentaram uma nota cativante ao encontro. O saxofonista Simon Pierre que nos apresentaram como arquiteto. Matt Mardini, cuja interpretação de la Bohême nos fez lembrar o charme eterno de Charles Aznavour. E Marco Calliari, «enfant de la Loi 101», capaz de fazer dançar os Latinos e os imigrantes de todas as origens.

Diversidade
No decorrer duma prestigiosa soirée no Teatro Outremont, oito Quebequenses de diversas origens e de meios diferentes foram homenageados quando da segunda edição dos Grands Prix Mosaïque. «A diversidade em ação!» um acontecimento anual fazendo honra a Donald Jean, incansável pdg da agência de imprensa Médiamosaïque e iniciador dos prémios Lys de la Diversité.
Oito Quebequenses Gala.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020