logo
rss  Vol. XVIII - Nº 309         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 06 de Agosto de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Na Escola de Altos Estudos Comerciais (UdeM)

Luís Aguiar apresenta investigação

Inês Faro

Por Inês Faro

 

O LusoPresse e a LusaQ TV estiveram presentes na conferência internacional: New Frontiers for Citizenship at Work (Novas fronteiras da cidadania no contexto do mercado de trabalho), que decorreu na HEC (Universidade de Montreal) nos dias 12, 13 e 14 de maio. Pela segunda vez, o luso-canadiano Luís Aguiar, professor da Universidade da Colômbia Britânica, Okanagan, fez parte dos mais de 250 investigadores que participaram nesta conferência. Um montrealense, de origens açorianas (e irmão do editor do LusoPresse e produtor da LusaQ TV, Norberto Aguiar), o sociólogo Luís Aguiar tem se destacado na investigação das condições dos trabalhadores. Nesta conferência o Professor luso-canadiano apresentou o resultado do seu trabalho de investigação «Penal Citizenship: Prisioner-workers» Struggle to Organize for Labour Rights».

«Esta apresentação é sobre os prisioneiros que trabalham dentro das prisões e os direitos deles e que relação isto tem vis-à-vis a sindicalização desses mesmos trabalhadores», diz Luís Aguiar.

DSC_0802 LUIS AGUIAR 2.JPG

Este trabalho de investigação está a ser realizado no contexto de um grupo de trabalho coordenado por Yanick Noiseux, professor da Universidade de Montreal. Os resultados são recentes e ainda há muito trabalho pela frente. «Este é um trabalho que ainda está nas etapas preliminares. Começámos por querer saber qual era a representação que a luta da sindicalização dos prisioneiros-trabalhadores estava a ter nos meios de comunicação social, e conduzimos entrevistas com a advogada que representa os ativistas dentro da prisão, etc.», explica o sociólogo. Para Luís Aguiar um dos maiores desafios tem sido o acesso direto aos prisioneiros. «Há muitos entraves. Há muitas dificuldades em penetrar os gatekeepers, isto é, as pessoas que mediam a relação entre os investigadores e os ativistas na prisão», diz.

Embora numa primeira instância o objetivo seja o de ver publicados os resultados desta investigação numa revista científica, a médio-longo prazo a meta é conseguir chegar ao grande público. «Hoje em dia, os investigadores têm muitas formas de divulgar o resultado das suas investigações, seja através das redes sociais ou da rede entre professores e universidades. O que queremos é trazer um pouco de luz sobre este assunto e lembrar que mesmo os prisioneiros têm direitos enquanto canadianos. Costuma dizer-se que se deve avaliar uma sociedade pela forma como trata os mais desfavorecidos. O nosso trabalho é contribuir para aumentar as condições dos prisioneiros trabalhadores», diz Luís Aguiar.

DSC_0795 LUIS AGUIAR 1.JPG
Foto  - LusoPresse

Mas mesmo depois das conclusões tiradas, o sociólogo está consciente das dificuldades na aplicação prática das recomendações que resultarem do seu estudo. «Hoje em dia há uma certa histeria à volta dos criminosos e por isso torna-se mais difícil falar sobre os seus direitos», diz. «Mas claro, o objetivo é que as pessoas – sobretudo os agentes de mudança, tenham conhecimento da situação. Eles conhecer, conhecem, resta saber se querem fazer alguma coisa para melhorar a situação ou não! A questão é: quais são os custos políticos das suas mudanças?»

A trabalhar em vários projetos ao mesmo tempo, o Professor Luís Aguiar tem dois livros: «Cleaners and the Dirty Work of Neoliberalism», e outro sobre a organização de trabalhadores sem fronteiras.

A viver em Kelowna, Colômbia Britânica, Luís Aguiar não tem planos para regressar definitivamente a Montreal.

«New Frontiers for Citizenship at Work» foi uma conferência organizada pelo «Interuniversity Research Centre on Globalization and Work» (CRIMT) e decorreu na HEC da Universidade de Montreal nos dias 12, 13 e 14 de maio. Uma conferência que reuniu mais de 90 participantes em torno de discussões sobre as práticas e políticas que regulam o mercado de trabalho. Estiveram ainda presentes mais de 250 investigadores de 25 países que se deslocaram a Montreal para apresentar o resultado das suas investigações.

Saiba mais sobre Luís Aguiar aqui: lusopresse.com

Nota: Veja entrevista com o Professor Luís Aguiar na emissão de segunda-feira da LusaQ TV.

2

Destaque
O LusoPresse e a LusaQ TV estiveram presentes na conferência internacional: New Frontiers for Citizenship at Work (Novas fronteiras da cidadania no contexto do mercado de trabalho), que decorreu na HEC (Universidade de Montreal) nos dias 12, 13 e 14 de maio. Pela segunda vez, o luso-canadiano Luís Aguiar, professor da Universidade da Colômbia Britânica, Okanagan, fez parte dos mais de 250 investigadores que participaram nesta conferência. Um montrealense, de origens açorianas (e irmão do editor do LusoPresse e produtor da LusaQ TV, Norberto Aguiar), o sociólogo Luís Aguiar tem se destacado na investigação das condições dos trabalhadores.
Na escola de altos estudos comerciais Luis Aguiar.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020