logo
rss  Vol. XVIII - Nº 307         Montreal, QC, Canadá - domingo, 16 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Lesados pela PT e RTP

Osvaldo Cabral

Por Osvaldo Cabral

Há muitos anos que os Açores estão a ser lesados em política de comunicações.

Muitas vozes já se insurgiram e eu próprio já denunciei casos, nestas páginas, de atuações que estão a prejudicar todos os açorianos.

O caso da PT é um fenómeno estranho, porquanto encontrou nos Açores um filão de negócio, só com lucros e pouco investimento, sem um único reparo das autoridades regionais.

Agora foi a vez do Presidente-Executivo da Zon Optimus, Miguel Almeida, confirmar como é que somos prejudicados, através dos custos de acesso ao cabo submarino que liga o continente à nossa região, cobrados pela PT: «Os custos parecem-me exagerados, o que limita muito a capacidade de crescimento nos Açores e na Madeira», prejudicando assim novos investimentos na região.

Ou seja, à custa do monopólio da PT, os consumidores açorianos são penalizados.

Na verdade, a utilização do cabo submarino pelos outros operadores custa 30 vezes mais do que o praticado por outros cabos internacionais, incluindo o que a PT cobra pelo circuito entre Lisboa e Londres.

Só a Zon paga por ano 2 milhões de euros pelo aluguer de circuitos à PT, no que respeita aos Açores.

E a história, que tem barbas, torna-se mais repugnante, sabendo-se que o cabo submarino custou mais de 20 milhões de euros, dos quais a PT investiu apenas 5 milhões, ficando o resto à custa da região e de fundos europeus.

Um rico negócio a que se acrescenta outro de cabo de esquadra: a rede de distribuição de televisão nos Açores, que pertencia ao canal açoriano, foi entregue, de mão beijada, à PT, pelo então governo de Cavaco Silva. Daí para cá, a RTP passou a pagar o aluguer da distribuição. É só fazer as contas. O que a RTP-Açores já pagou à PT dava para instalar mais três ou quatro redes em todas as ilhas e ainda crescia para investir numa nova televisão.

Mesmo a propósito de nova televisão, surgiu esta semana mais uma «narrativa» comprovando o desprezo com que Lisboa trata a RTP-Açores.

Pela milésima vez nesta última década, mais um canal foi re-estruturado em Lisboa. Passaram o Canal 2 para o Porto, com todo o investimento inerente, e anunciaram ainda, com muita pompa, que o orçamento do canal para 2014 vai ser duplicado!

Quer dizer, para os Açores não há dinheiro, continuamos com o único canal do grupo que nunca foi re-estruturado e modernizado, permanecemos no limbo dos investimentos e têm o descaramento de irem para o Porto cantar hossanas ao serviço público.

Mais grave: a proposta que Poiares Maduro vai apresentar no próximo dia 14 a Vasco Cordeiro é um autêntico aborto, sem sentido e... Inconstitucional.

As obrigações de serviço público não se limitam aos serviços noticiosos.

Querer «passar a bola» da produção para a região e limitar as obrigações do Estado à Informação é mais uma manobra dilatória, para ficar tudo na mesma e encaminharem, mais tarde, para o desmantelamento.

Saiba Vasco Cordeiro dar a resposta que essa gente merece.

                                                         ****

INTOXICAR – Veja-se o que disse o Presidente da CAEM (Comissão de Análise e Estudos de Meios), António Casanova, na conferência «New Audience Pratices», realizada nos últimos dias em Lisboa, a propósito da RTP-Açores e RTP-Madeira: «Só na Madeira, tem mais gente do que a SIC e TVI», e quanto à RTP-A, «não se preocupem, tem ainda mais (funcionários) do que a Madeira».

É com estas mentiras, ditas por doutos conferencistas alfacinhas, que se vai fazendo a opinião sobre nós nos setores centralistas da comunicação lisboeta.

                                                      ****

TRADUÇÃO – O veto do Representante da República ao decreto sobre os professores contratados está escrito em português macarrónico.

Aqui vai a tradução à letra do que Pedro Catarino queria dizer aos senhores deputados: «Nunca vi um parlamento tão incompetente, deputados tão trapalhões e uma Presidente insignificante, ao ponto de redigirem um decreto com erros ortográficos e gramaticais, esquecimentos, teimosias e outras aleivosias. Organizem um workshop sobre como fazer leis ou, em última análise, vão frequentar a escola da noite».

E nós a pagar 12 milhões, por ano, para estas pérolas parlamentares...

                                                        ****

BICHARADA – A gente lê e não acredita.

Um Procurador-Adjunto de Braga deixou prescrever uma série de processos naquela comarca, designadamente um por burla e falsificação que lesava o Estado em mais de um milhão de euros, e outro que permitiu o arquivamento de uma investigação aos rendimentos do ex-Presidente da Câmara de Braga, Mesquita Machado.

Somem isto às prescrições dos criminosos do BPN, BPP e BCP e vejam a quem este país está entregue...

Crónica
Há muitos anos que os Açores estão a ser lesados em política de comunicações.
Lesados pela PT e RTP.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020