logo
rss  Vol. XVIII - Nº 303         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 23 de Outubro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

No Restaurante Solmar

São Valentim em música e em palavras

Anália Narciso

Por Anália Narciso

O Restaurante Solmar tem fama, e o proveito, já agora, de ser a casa da música portuguesa no Quebeque. E se dúvidas houvesse bastava ter passado por esta unidade hoteleira na passada semana. Primeiro, na terça-feira, onde jornalistas e muitos convidados, oriundos de várias procedências, marcaram presença digna. E na sexta, dia de São Valentim, quando o público em geral quis assistir à festa, dita dos namorados, enchendo completamente a sala.

Verdade que o programa era atrativo. Um bom repasto, como temos vindo a ser testemunha nalgumas das promoções para as quais temos sido ultimamente convidados, e um leque de variados e bons artistas.

Solmar Jose Alberto Reis DSC_0067.JPG
josé Alberto Reis quando actuava no popular restaurante Solmar.
Foto  - LusoPresse

Como vedeta das festividades de São Valentim, o Senhor David Dias, proprietário do Solmar, trouxe até Montreal um excelente cantor, romântico quanto baste, de maneira a «encher» os corações mais sentimentais da nossa comunidade. Falamos, está claro, de José Alberto Reis, dito o Julio Iglesias português! A partir daí, o que há para dizer é que José Alberto Reis fez jus às expectativas que criou, apresentando um espetáculo de calibre superior, que logo a todos conquistou.

«Viver sem ti não sei», «Perdi la alegria», «Là où tu vis» e «Sol Maior» foram algumas das canções superiormente interpretadas pelo homem que veio do Minho! Uma bela postura de um cantor que, sim senhores, em termos de entoação de voz, muito se parece com o fenómeno espanhol. Se o tempo fosse elástico, teríamos ficado por mais tempo a ouvir José Alberto Reis.

Mas para o São Valentim, o Solmar, como sempre, contou com os já nossos conhecidos João José e Marta Raposo, fadistas da linha de frente na comunidade, e que fazem parte do seu elenco. «Fado menor», «Um grande amor» e «Trigueirinha» sobressaíram na voz de José João, que se fez acompanhar pelo músico Joe Medeiros, guitarrista que também tocaria – tal qual José João – para a Marta Raposo e para Suzi Silva, de quem falaremos mais adiante.

DSC_0070.JPG

Já Marta Raposo, em estilo desinibido e cada vez mais segura de si, avançou com trechos como «Canto o fado», «Olhos garotos», «Caso arrumado» e «Casa portuguesa» entre vários outros. A sua atuação, por muito meritória, acabou bem aplaudida.

De quem não estávamos à espera foi de ver e ouvir a fadista Suzi Silva, por pura e simplesmente nunca a termos visto, sequer ouvido falar dela. Mas informações recolhidas junto de quem tinha responsabilidades, acabámos por ficar a saber que se trata de uma jovem fadista nascida em Montreal mas que cresceu e se fez mulher em Portugal e que agora está em Montreal para ficar. Pois que fique, que bem precisamos de valores como ela, seja como fadista ou em outra atividade qualquer.

E como registo para a posteridade em época de São Valentim no Solmar, fica assinalado que Suzi Silva interpretou canções como «Chave da minha porta», «Confesso», «Fado faia»...

DSC_0062.JPG
Suzi Silva e os guitarristas, José João e Joe Medeiros.
Foto  - LusoPresse

Das personalidades presentes destaque para o badalado Serge Laprade que, disseram-nos localmente, chegou a cantar com Rui de Mascarenhas.

Reportagem
O Restaurante Solmar tem fama, e o proveito, já agora, de ser a casa da música portuguesa no Quebeque. E se dúvidas houvesse bastava ter passado por esta unidade hoteleira na passada semana. Primeiro, na terça-feira, onde jornalistas e muitos convidados, oriundos de várias procedências, marcaram presença digna. E na sexta, dia de São Valentim, quando o público em geral quis assistir à festa, dita dos namorados, enchendo completamente a sala.
No Restaurante Solmar.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020