logo
rss  Vol. XVIII - Nº 302         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 03 de Abril de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Paolo´s Café...

Um café que sabe a Portugal

Raquel Cunha

Por Raquel Cunha

Muitos conhecem o Paolo´s Café, situado na avenida Saint Laurent, coração da Comunidade, ou Aldeia, como a chama o proprietário Paulo Simões. Paolo´s é mais do que um café singular onde não há relógio, nem futebol. É também uma marca de café, com torrefação feita em Portugal, especialmente concebida para as águas daqui, e cujo sabor quer-se português. É ainda uma oficina de restauração e venda de máquinas de café, a particulares e clientes comerciais.

Por ser tão particular, o LusoPresse quis saber mais. O resultado foi uma viagem pelo fascinante mundo da degustação do café, seu fabrico e história, assim como o empreendorismo deste jovem português, oriundo de Lisboa.

O emigrante empreendedor

Foi em 1986 que Paulo Simões visitou pela primeira vez Montreal. Vinha de férias, para visitar a irmã que cá estava e para «juntar uns tustos»; para isso trabalhou no restaurante Solmar. Voltou para Portugal, mas acabou por regressar definitivamente em 1989.

Paolo Machine Paulo1.jpg

«Vim pela oportunidade. Aqui há muito mais possibilidades de desenvolver uma ideia do que em Portugal». Veio com o intuito de cá ficar só por um ano ou dois anos, e também porque tinha conhecido cá uma amiga da família, uma rapariga italiana, que acabou por ser sua namorada, e mais tarde se tornar sua esposa.

O seu mundo sempre esteve ligado ao café. Em Portugal foi responsável por um café que a família possuía e trabalhou numa companhia de cafés. Por isso não foi difícil encontrar trabalho, e pelas mãos do sogro iniciou-se como ajudante num restaurante italiano.

Foi lá, que por azos do destino conheceu um mecânico das máquinas Faema, e decidiu candidatar-se ao mesmo cargo, dando início a uma carreira que já vai para perto de 30 anos (24 aqui, 5 em Portugal).

Trabalhou na Faema por cerca de um ano e meio mas, empreendedor como é, cedo decidiu trabalhar por conta própria, transformando a garagem de sua casa numa oficina de reparação e venda de máquinas de café. O negócio cresceu e Paulo foi angariando clientela.

Em 1991, num jogo de cartas, a sorte de Paulo iria mudar, foi uma brincadeira, mas conseguiu o aluguer de uma pequena loja, na rua de Bullion esquina com Mont-Royal, pela módica quantia de 250 $.

Com os dados do seu negócio lançados, a loja abre portas em 1992, com a preciosa ajuda dos amigos Joaquim Carreira e Fauster. O estabelecimento oferece-lhe a oportunidade de ter um espaço físico para receber os clientes, e de abrir consequentemente um Café para a degustação dos seus produtos.

De distribuidor a marca própria

O negócio foi um sucesso, e rapidamente Paulo Simões associa-se à Delta como primeiro distribuidor de Montreal, uma vez que a empresa tinha já um importador em Edmonton.

Aliou o negócio da restauração e venda de máquinas, com o café, mas quis «sempre importar a minha própria marca de café, dadas as dificuldades de importar directamente o café Delta». Com as dificuldades impostas, decidiu em 1996 largar a Delta e associar-se directamente ao Café Silveira, o qual distribuiu até 2011, quando a crise atingiu esta empresa portuguesa.

Mais uma vez, Paulo Simões não deixou perder a oportunidade, e juntamente com um membro da família Silveira, criou a sua própria marca, Paolo´s Cafés. Com torrefação especial, em Portugal, preparada para as águas de cá, de forma a maximizar o dito sabor português, que segundo Paulo «sabe a café».

De Paulo a Paolo´s

É ainda durante os anos 90, na procura de um espaço maior para o seu crescente negócio, que Paulo Simões se muda para o atual Paolo´s Cafe, situado na Avenida Saint Laurent.

O nome Paolo´s vem de um trocadilho, feito com o seu nome e o da sua filha, Di Paolo.

Contudo, confessa que nunca quis ter um café, mas antes um local de degustação para suportar a oficina. Mas as pessoas gostaram do ambiente e a coisa foi crescendo, acabando por tornar-se num Café. Um café particular, confessa, sobretudo aqui na Comunidade portuguesa: «Não há álcool, não há futebol, não há televisão nem relógio», sorri. Mas há bom gosto e uma decoração de qualidade que nos recria uma Lisboa remota, quase fantasiosa, uma decoração «fruto do meu gosto pessoal por coisas antigas» conclui.

Tendo uma clientela variada, o Paolo´s Café é hoje um dos cafés portugueses (moído e em grão) mais vendidos no Quebeque. A sua oficina conta já com três mecânicos a tempo inteiro, ocupados na reparação e venda de todos os tipos de máquinas de cafés, particulares ou comerciais. Encontra aqui também cápsulas Bicafés, compatíveis com todas as máquinas, desde Nespresso, Delta Q e afins.

Portugal é dono de um excelente café, considerado por muitos o melhor do mundo. Somos especialistas em torragem, fruto da relação com as ex-colónias, e sabemos misturá-los como ninguém. Pelas palavras de Paulo Silveira, «os italianos têm a fama, nós temos o saber».

Aproveitem estes dias frios para passarem por lá e apreciarem o Paolo´s Café, um café que sabe a Portugal.

Entrevista
Muitos conhecem o Paolo´s Café, situado na avenida Saint Laurent, coração da Comunidade, ou Aldeia, como a chama o proprietário Paulo Simões. Paolo´s é mais do que um café singular onde não há relógio, nem futebol. É também uma marca de café, com torrefação feita em Portugal, especialmente concebida para as águas daqui, e cujo sabor quer-se português. É ainda uma oficina de restauração e venda de máquinas de café, a particulares e clientes comerciais.
Paolo.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020