logo
rss  Vol. XVIII - Nº 301         Montreal, QC, Canadá - sábado, 11 de Julho de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Revista do Ano da Comunidade

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Este foi um trabalho apresentado por nós através dos ecrãs do canal ICI Internacional, no âmbito do programa português de televisão LusaQ Tv.

Janeiro

O mês começou com uma má notícia: a portuguesa Carla Semedo ficou sem nenhum dos seus haveres! O bloco de apartamentos onde vivia pegou fogo. Resultado: todos os inquilinos ficaram sem nada.

Fevereiro

Paula de Vasconcelos volta à ribalta com a apresentação de uma nova peça levada a efeito na Place des arts. Trata-se da peça «Humanity Project», de teatro/dança sobre a condição humana.

O restaurante Solmar anuncia que recrutou um novo chefe. Ele vem de Paris, França, depois de ter trabalhado para as Pousadas de Portugal. O seu nome é Ricardo Mendes.

Ines faro.JPG
Inês Faro, uma das Mulheres que participaram no Dia da Mulher do LusoPresse.
Foto  - LusoPresse

Na comunidade é anunciado que a chefe Helena Loureiro é escolhida para ser porta-voz do festival gastronómico «Montréal en Lumière». É uma honra para ela e, por conseguinte, para toda a comunidade, que jubila com a sua escolha, que trará excelente visibilidade ao nosso grupo.

Os Romeiros Portugueses do Quebeque comemoram os seus 25 anos com uma grande festa, onde homenageiam os seus membros fundadores.

José Cesário, secretário de Estado do governo português visita Montreal e entrega medalha de comendador ao Padre José Maria Cardoso.

Quase na mesma ocasião, Paulo Teves, diretor do Gabinete da Direção Regional da Emigração Açoriana está em Montreal para se apresentar à Comunidade Açoriana no Canadá. Passa por Montreal mas deixa a Comunicação Social local a «olhar para o lado»...

Glen Castanheira, jovem luso-descendente muito ativo, anuncia, em comunicado, que passa a dirigir a Sociedade de Desenvolvimento do Boulevard St-Laurent. Aqui está um posto de direção nas mãos de um dos nossos e que muito ajudará os empresários daquela avenida, não fosse ele igualmente oriundo da comunidade comerciante.

José Pereira, com 32 anos de Canadá, recebeu ordem de expulsão por parte das autoridades deste país fazia praticamente um ano. Em fevereiro recebeu a notícia de que o passaporte canadiano estava à sua espera sem outras considerações.

Março

E agora Lembra me - Joaquim Pinto.jpg

A companhia de Seguros Silva, Langelier & Pereira comemorou os seus 50 anos de atividade. Para o efeito criou um portal sobre a história da Comunidade Portuguesa.

O filme «Azulejos – Uma utopia cerâmica», da autoria do professor universitário Luís Moura Sobral foi apresentado na Cinemateca Quebequense no âmbito do FIFA, Festival Internacional sobre Arte.

O LusoPresse promoveu mais um Dia da Mulher, o décimo terceiro, com a presença de cerca de trinta das mulheres mais influentes da Comunidade Portuguesa local, focalizando o debate no âmbito dos 60 anos da emigração portuguesa para o Canadá e cujo tema foi «60 anos da Comunidade: revisitar o passado, perspetivando o futuro». Como sempre, foi excelente o encontro.

Laureano Soares, conhecido poeta comunitário, participou no encontro levado a efeito pela Casa do Conselho das Artes de Montreal no âmbito do Dia Mundial da Poesia. Este foi um convite honroso feito ao nosso compatriota.

João Carlos Rocha, «Caçador de sonhos», é apresentado à comunidade pelo jornal LusoPresse através da pena de Inês Faro. O português é Diretor de Criatividade, Média e Pesquisa no jornal La Presse para a novel plataforma virtual do La Presse +. Um posto de grande prestígio para um dos nossos membros!

Maio

Bruno Ribeiro, jovem tenor português participa na Ópera «Manon», de Jules Massenet, um espetáculo deslumbrante de cor e magia levado a efeito na Place des arts.

O grande escritor moçambicano desde há pouco Prémio Camões – o maior e mais importante prémio de toda a Lusofonia! – esteve de passagem por Montreal para participar no festival literário «Montréal Metropolis Bleu». Na ocasião, Mia Couto acedeu a tomar parte numa sessão aberta à comunidade lusófona.

Também o cantor popular, Tony Carreira, com muitos adeptos neste lado da terra, esteve de visita a Montreal. A sua atuação teve lugar, com casa cheia, no Teatro Maisonneuve.

Maio é mês de festa religiosa. E assim sendo, voltaram a realizar-se as Festas do Senhor Santo Cristo, uma tradição oriunda da cidade de Ponta Delgada, nos Açores. É também a festa comunitária que mais gente reúne.

Também em maio, este ano foi tempo de honrar os pioneiros que em 1953 chegaram oficialmente pela primeira vez ao Canadá. Modestas, segundo rezam as crónicas, as comemorações dos 60 anos dessa imigração passaram-se no Parque de Portugal ao som de uma filarmónica e ao tom de um rancho folclórico...

Ainda no âmbito dos 60 anos da Comunidade, o Centro de Ação Sócio-Comunitária de Montreal promoveu uma atividade cultural na Biblioteca Mile End.

Junho

Hermínio Alves, um dos empresários mais bem-sucedidos da nossa comunidade, voltou a organizar a «Table de l’espoir», uma mega festa gastronómica anual que visa angariar fundos para ajudar as crianças necessitadas de Montreal. E como nos anos anteriores, repetiu-se o êxito de tamanha promoção, concorrida por gente rica de Montreal, não tivesse ela na presidência uma mulher como Mila Mulroney.

Foi em Junho que foi lançado o documentário «A Ilha da Saudade», um trabalho com a assinatura da jornalista Inês Faro e que retrata «pedaços» da nossa imigração através dos testemunhos de algumas pessoas implicadas na comunidade. Este documentário também aparece no quadro dos 60 anos.

Foi também lançado, agora na Universidade de Montreal, o Manual da Língua Portuguesa, da autoria do leitor Luís Aguilar e de Vitália Rodrigues. O manual representa a produção de recursos didáticos-pedagógicos preparados pelos próprios docentes.

Julho

40 dançarinos hip-hop estiveram em Montreal para representar Portugal num festival desse tipo de dança, realizado na Place des arts. A competição foi de nível internacional e os jovens portugueses acabaram por ter presença meritória.

Setembro

Pierre Olivier Viveiros é um jovem engenheiro de origem portuguesa, nascido na cidade de Ste-Thérèse, que trabalha no CERN (Centro Europeu de Pesquisa Nuclear), em Genebra, Suíça. De passagem pelo Quebeque, Pierre Olivier deu conta ao LusoPresse da sua formidável experiência.

David Silva, clarinetista, nascido em Montreal e crescido no norte de Portugal – vive na Suíça – esteve de passagem pelo Canadá para integrar a Orquestra Jovem Nacional do Canadá em atuações levadas de costa a costa deste país.

Os Duques de Bragança, pretendentes ao trono de Portugal, vieram a Montreal para assistir ao casamento de uma descendente da poderosa família Desmarais. Na ocasião, passaram pela missão Santa Cruz onde foram recebidos com todas as honras por parte da comunidade de Santa Cruz.

Dia do Brasil. Como todos os anos, o Dia do Brasil é organizado pelo Consulado-geral, atualmente dirigido pelo ministro Oswaldo Portella. O Dia do Brasil consta de uma bem organizada receção, onde tomam parte os representantes diplomáticos sediadas na cidade, membros dos governos locais, comunidade brasileira, etc. E como tem acontecido sempre, o evento desenrolou-se na OACDI, a organização responsável pela aviação internacional.

O 12° Gala dos Chefes, uma ideia e promoção do Ferreira Café, foi de novo levado a efeito. E como sempre, o evento teve imenso brilho, pela participação de clientes, como dos chefes de uma noite, homens e mulheres da alta finança, que pagam para participar. O resultado, no fim da noite, é o apuramento de centenas de milhar de dólares, este ano com destino ao Hospital Ste-Justine.

Outubro

«Triptyque». Pedro Pires, jovem cineasta português a viver em Montreal, associou-se ao reputado cenarista e encenador Robert Lepage e o resultado foi a feitura do filme «Triptyque», baseado numa trama médico psicológico e que foi apresentado com pompa aos cinéfilos quebequenses.

Também a Galeria 3C quis comemorar, à sua maneira, os 60 anos da Comunidade Portuguesa. Para isso promoveu uma exposição em que reuniu pintores da comunidade e pintores de Portugal. A ideia não podia ter sido melhor. O público aderiu em grande número e os parabéns a Cláudia Chin, sua diretora e proprietária, não se fizeram rogados.

Grande visita em outubro foi a da grande artista Mariza. Já conhecedora do que é o Quebeque, para onde já viajou diversas vezes, foi mesmo nesta província – cidade de Quebeque – que Mariza ganhou o seu primeiro prémio de cariz internacional. E desta vez, a fadista mais reputada de Portugal atuou na grande sala da Place des arts, com sala cheia. O espetáculo? Apenas sublime!

Carlos Veiga, músico de todas as horas, acabou por finalmente concretizar o sonho de lançar o seu primeiro disco. Agora espera-se pelo segundo.

Mais um livro foi lançado na comunidade. E este foi da autoria de Vítor Gonçalves, dirigente do Clube Portugal de Montreal e homem que também está ligado ao folclore. O livro tem por título «Pensamentos», forjados pelo seu quotidiano.

Colóquio na Universidade de Montreal. Organizou-o o professor universitário Luís Moura Sobral. O tema foi a «Presença da Cultura Lusófona nas épocas Pré-moderna, Moderna e Contemporânea». O leque de conferencistas foi largo e de gabarito, com os especialistas a virem de países como a Itália, Espanha, Brasil, Portugal e do Canadá. Um acontecimento de grande envergadura.

Novembro

Foi mês de eleições municipais em toda a província, onde há, em muitas cidades, portugueses. Algumas com muita gente, principalmente em Montreal e nos arredores. Como candidatos lusitanos apresentaram-se sete. No fim, contas feitas, foram dois eleitos. Um pela primeira vez, em Ste-Thérèse, na pessoa do Armando Melo. Já Luís Miranda, o outro eleito, é-o pela sexta vez consecutiva, coisa única na comunidade lusa através de todo o Canadá.

Dezembro

Mais uma atividade relacionada com os 60 anos da Comunidade foi o recital que teve lugar na Capela do Bom Pastor, numa organização do Consulado-geral de Portugal. Espetáculo erudito e de muito valor, no que faz fé o facto de a sala ter estado completamente cheia. A particularidade dos dois artistas: serem irmãos e gémeos.

Outro «cartaz» português em Montreal foi a apresentação do documentário «E agora? Lembra-me», que acabou por ganhar o primeiro prémio dos «Encontros Internacionais do Documentário de Montreal». A história é baseada na biografia do próprio ator, Joaquim Pinto.

Danny Fernandes, cantor jovem de origem portuguesa mas nascido em Toronto, esteve de passagem por Montreal, onde reforçou o seu cartel. Não é certamente por nada que a duas horas da sua atuação na sala Rossa os fãs, mais concretamente as fãs, já fizessem filas até à porta...

A manifestação Café com Letras teve lugar recentemente e pode dizer-se que apareceu com um programa muito interessante, por via dos seus poetas participantes, nitidamente mais valiosos que em edições anteriores. A continuar assim, o Café com Letras rapidamente ganhará forma para ser um incontornável acontecimento literário anual da comunidade.

A última atividade comunitária relacionada com os 60 anos da chegada dos portugueses ao Canadá foi organizada neste mês pelo jornal A Voz de Portugal. Um Colóquio, um jantar e o lançamento de um livro sobre alguns indivíduos da comunidade compuseram o programa.

É também em dezembro que o Clube Oriental Português de Montreal faz anos. E desta vez comemorou uma data respeitável: 35 anos. As festividades constaram de um jantar no qual houve muita música e danças folclóricas.

Finalmente o nascimento da LusaQ TV, o programa televisivo que faltava e que tudo fará, certamente, para agradar aos telespetadores da Comunidade.

Comunidade
Este foi um trabalho apresentado por nós através dos ecrãs do canal ICI Internacional, no âmbito do programa português de televisão LusaQ Tv.
Revista do Ano da Comunidade.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020