logo
rss  Vol. XVIII - Nº 301         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Pela segunda vez

Ronaldo ganha Bola de Ouro

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Embora envolvida em polémica, Cristiano Ronaldo acabou por vencer a sua segunda Bola de Ouro, o troféu mais prestigioso do futebol mundial a nível individual.

Com dois adversários de valor, Messi, que era o detentor do prémio de há quatro anos a esta parte, e Ribéry, que em 2013, sob as cores do Bayern de Munique, venceu tudo o que havia para ganhar, do Campeonato alemão à Liga dos Campeões, passando pelo título de campeão do Mundo, dizia, com dois adversários de valor, foi o madeirense a arrebatar tão importante e desejado troféu.

Cristiano Pele _FULL-LND.jpg
Cristiano Ronaldo e a sua bola de ouro.

Votaram nesta eleição os jornalistas correspondentes do France Footbal em todos os países filiados na FIFA, assim como todos os selecionadores e capitães de equipa. A escolha é feita na base de três jogadores por cada votante, onde o primeiro lugar vale cinco pontos, o segundo três e o terceiro 1 ponto apenas.

Foi no conjunto desta soma de resultados que Cristiano Ronaldo acabou na frente, seguido de Messi e, com surpresa, de Ribéry. Surpresa porque houve quem admitisse a vitória do francês, visto Messi, incomodado por uma lesão nos últimos meses da época, nunca ter parecido com hipóteses de repetir o prémio com a conquista de uma quinta coroa. E como Ribéry havia ganho tudo pelo Bayern, ademais com uma prestação pessoal muito interessante, esperava-se, pelo menos, que o francês acabasse no segundo lugar.

E como assim não foi, a vitória de Ronaldo acaba com todas as polémicas, isto porque os votantes, que são pessoas identificadas com o futebol mundial, decidiram classificar, pela ordem, Ronaldo, Messi e Ribéry.

Já falámos em Messi e Ribéry. Agora, sobre Ronaldo, há a dizer que o prémio conquistado valeu pelos números pessoais que apresentou em 2013: 69 golos em 59 jogos! Uma marca incrível, digna dos maiores encómios.

Ronaldo e Nadine Angerer 2260487_FULL-LND.jpg
Ronaldo e Nadine Angerer

Outros prémios

No futebol feminino, a vencedora foi a guarda-redes alemã Nadine Angerer, que milita no futebol australiano. Em segundo ficou Marta, do Brasil, antiga vencedora por cinco vezes, e em terceira, a americana – ganhou em 2012 – Abby Wambach.

Para este prémio, não há dúvida que, em nossa opinião, deveriam estar outras figuras na lista, principalmente mais uma ou outra americana, e a canadiana Christine Sinclair. No caso desta, estamos em crer que o que lhe falta é um lóbi forte, coisa que o Canadá não tem...

Da parte dos treinadores, venceu no futebol masculino o alemão Jupp Heynckes, que conduziu o Bayern a uma época fenomenal, onde venceu tudo o que havia para ganhar. O segundo foi Alex Ferguson (Manchester United), e como terceiro ficou outro alemão, Jurgen Klopp (Borussia Dortmund).

No caso dos dois primeiros, a escolha é dolorosa, visto um só poder ganhar, sabendo-se que os dois, neste momento, são já treinadores na reforma.

Na parte feminina, a escolhida foi Sílvia Neid (Seleção da Alemanha), também de origem alemã. Em segundo lugar ficou o alemão Ralf Kellermann, da formação do Wolfsbourg, que se sagrou campeão europeu. Quanto à terceira posição, ela foi para a sueca – venceu em 2012 – Pia Sundhage (Seleção da Suécia).

Uma palavra final para dizer que a cerimónia da FIFA, em Zurique, contou com uma grande representação brasileira, desde a apresentadora a Pelé, que recebeu o Troféu de jogador de todos os tempos!

Destaque
Embora envolvida em polémica, Cristiano Ronaldo acabou por vencer a sua segunda Bola de Ouro, o troféu mais prestigioso do futebol mundial a nível individual.
Pela segunda vez.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020