logo
rss  Vol. XVII - Nº 300         Montreal, QC, Canadá - sábado, 04 de Julho de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

LusaQ.TV

Novo programa de televisão em Português

LusoPresse – Foi lançada para o ar, na passada segunda-feira, a nova estação de televisão ICI, com uma licença comercial do Conseil de radiodiffusion et des télécommunicattions canadiennes (CRTC), que vai dar voz a 8 comunidades linguísticas diferentes: Português, Italiano, Filipino, Arménio, Espanhol, Romeno, Francês e Grego.

Esta emissora é, de certo modo, a herdeira do antigo canal étnico, do qual foi obreiro e grande impulsionador o malogrado Carlos Querido, produtor do Luso Québécois.

LUSAQ TV Ludmila Carlos do Rio.jpg
A LusaQ TV tem como apresentadores Carlos do Rio e Ludmila Aguiar. Completam a Equipa da LusaQ TV, Carlos de Jesus (comentador), Norberto Aguiar (Produtor/animador) Raquel Cunha e Filipa Arruda(reportagem). Na forja estão mais dois nomes, a anunciar brevemente.

O antigo canal tinha desaparecido porque um grupo financeiro tinha projetado transformar aquela estação num canal comercial inglês, o que acabou por levar ao desaparecimento pura e simples da programação internacional, fazendo com que o CRTC lhes tivesse retirado a licença.

A onda hertziana de que o canal dispunha ficou assim disponível. Houve algumas tentativas por parte de vários grupos para utilizarem aquela frequência com bom potencial comercial, visto que faz parte do serviço de base que todos os distribuidores por cabo (Videotron ou Bell) são obrigados a fornecer gratuitamente aos seus assinantes, além de que se pode captar gratuitamente em alta definição (HD) com uma simples antena no canal 47.

Desta vez a iniciativa foi para a frente graças a Saram Norouzi (Sam para os amigos), um canadiano de origem Iraniana, que é filho do antigo produtor da emissão em Persa do defunto canal étnico, o qual com Carlos Querido e os produtores da emissão italiana e os gregos, foram as traves mestras daquela estação nos anos áureos da televisão internacional do Quebeque.

Saram Norouzi, que nunca se tinha conformado que a televisão étnica do Quebeque tivesse desaparecido, resolveu por as mãos à obra, e depois de ter reunido os investimentos necessários, apresentou a sua candidatura ao CRTC para assumir a exploração daquela faixa hertziana.

A licença foi outorgada à ICI (International Channel/Canal International), a qual dispõe agora de estúdios apetrechados com o mais moderno equipamento de estúdio e de exteriores, tudo em alta definição (HD), que deixa empalidecer as imagens de outrora, e que já está no ar, pronta a afrentar o público internacional de Montreal.

Para a emissão em língua portuguesa foi o Pedro Querido, filho de Carlos Querido, que é amigo pessoal do Sam – cresceram ambos nos bastidores da antiga estação – que procurou no meio português pessoas interessadas para produzir uma nova emissão na nossa língua. Pessoalmente, como disse na entrevista que deu na segunda-feira à LUSAQ.TV, não podia assumir esse papel devido à posição que ocupa há vários anos no canal inglês CTV.

Quando o Sam o aproximou para este projeto, e como ele próprio declarou na entrevista à LusaQ.TV, «o mais importante era saber quem é que tem a capacidade para fazer um programa de jeito para a comunidade. Para mim era importante que seja uma pessoa honesta, que seja uma pessoa trabalhadora, e que conhecesse bastante bem a comunidade. Eu, como há já muitos anos estava fora da comunidade, precisava de alguém com esse conhecimento e foi aí que fui buscar o Norberto Aguiar». Ao reconhecer estas qualidades ao Norberto Aguiar, o Pedro Querido referiu ainda que sabia poder contar com ele tanto mais que, por de trás dele, havia toda a equipa de jornalistas e colaboradores do LusoPresse.

Quanto ao Norberto Aguiar, como candidamente nos confessou, ficou muito atrapalhado com a proposta que o Pedro Querido lhe fez. Embora já tivesse, no tempo da antiga televisão étnica, participado em alguns programas, isso não lhe dava a experiência necessária para agora assumir a responsabilidade de produzir o programa.

Foi analisando os prós e os contras desta proposta que decidiu aceitar o desafio. O ponto importante na sua decisão foi o facto de ter concluído que se não fosse ele seria alguém de fora que viria aumentar a concorrência no mercado já limitado da publicidade em língua portuguesa. Deste modo, embora seja um grande risco a correr, o Norberto Aguiar, depois de ter consultado os colaboradores e jornalistas do LusoPresse, com os quais vai dever contar para levar a cabo e bem esta empresa, resolveu assumir esta responsabilidade e foi deste modo que a nossa comunidade agora já pode contar com um novo canal em língua portuguesa, a LUSAQ TV, para o qual não são obrigados a pagar uma nova assinatura visto que é distribuído gratuitamente pelo cabo e por antena, no mesmo pé de igualdade, em termos de ocupação das ondas, da Radio-Canada, da TVA ou do Canal V.

ICI está disponível na Videotron nos canais 16 e 616 (HD), Bell Fibe nos canais 216 e 1216(HD) e por antena no canal 47(HD).

A emissão da Lusaq.tv passa às segundas-feiras, das 22 às 23h00, com repetição aos sábados, das 11 ao meio-dia. Diariamente, de segunda a sexta, é transmitida uma telenovela («Bem-vindos a Beirais»), das 5 às 6 da tarde, com repetição das 6 às 7 da manhã e do meio-dia à uma da tarde.

 

Destaque
LusoPresse – Foi lançada para o ar, na passada segunda-feira, a nova estação de televisão ICI, com uma licença comercial do Conseil de radiodiffusion et des télécommunicattions canadiennes (CRTC), que vai dar voz a 8 comunidades linguísticas diferentes: Português, Italiano, Filipino, Arménio, Espanhol, Romeno, Francês e Grego.
LusaQ.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020