logo
rss  Vol. XVII - Nº 299         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 28 de Maio de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Documentário biográfico de Joaquim Pinto

Conquista mais um prémio, agora em Montreal

O documentário «E agora? Lembra-me», de Joaquim Pinto, somou no domingo mais um prémio internacional ao ser distinguido nos Encontros Internacionais do Documentário de Montreal (RIDM), que terminou no domingo.

Joaquim Pinto.jpg

De acordo com a organização e com a produtora CRIM Produções, o filme conquistou o prémio de melhor longa-metragem internacional.

"E agora? Lembra-me» é um documentário biográfico de Joaquim Pinto sobre um ano de ensaios clínicos, por causa dos vírus HIV e Hepatite C.

"A minha vida não é nada de especial», afirma Joaquim Pinto no começo deste filme, espécie de cadernos de apontamentos visual sobre a sua vida, ao lado de Nuno Leonel, sobre o seu trabalho no cinema - realizador, produtor, engenheiro de som.

O filme, retrato íntimo e intimista do realizador, conquistou três prémios no festival de cinema de Lucarno, na Suíça, dois no festival de cinema de Valdivia, no Chile, e foi considerado o melhor documentário no Festival Internacional de Documentário de Buenos Aires e também no DocLisboa, onde arrecadou dois outros prémios.

Atualmente, «E agora? Lembra-me» integrou a competição do Festival de Cinema de Turim, que terminou no dia 30, em Itália.

A 16ª edição dos Encontros Internacionais do Documentário de Montreal terminou no domingo, dia 24 de Novembro, depois de uma semana e meia a exibir mais de 135 documentários de todo o mundo.

Cinema
O documentário «E agora? Lembra-me», de Joaquim Pinto, somou no domingo mais um prémio internacional ao ser distinguido nos Encontros Internacionais do Documentário de Montreal (RIDM), que terminou no domingo.
Joaquim Pinto.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020