logo
rss  Vol. XVII - Nº 297         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

In-extremis…

Impacto nas eliminatórias…

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Depois de um princípio de época muito positivo, que se prolongou até ao mês de agosto, quando chegou mesmo a liderar a Zona Este do campeonato da Major League Soccer, onde está integrado, o Impacto começou a fraquejar de tal maneira que foi preciso esperar – sem jogar – pelo último encontro da temporada regular, Nova Iorque Red Bull – Chicago Fire, para saber que estava qualificado para a fase seguinte. A vitória dos nova-iorquinos (5-2) sobre a formação da Cidade dos Ventos foi decisiva, pois uma vitória ou empate do Chicago Fire arredava de forma definitiva os montrealenses dos play-offs...

Desta forma, o Impacto, que conquistou 49 pontos, os mesmos do Chicago, e que obteve 14 vitórias, também aqui houve empate, só passa à fase seguinte porque conseguiu marcar mais três escassos golos (50 contra 47) que o seu adversário. E é com esse escasso pecúlio que o Impacto de Montreal passa à fase seguinte, fazendo história na sua curtíssima carreira – dois anos – na MLS ao aceder à competição de fecho de temporada.

Primeiro campeão

In extremis donovan_0.jpg
A equipa organizadora do colóquio.

Para que os nossos leitores possam perceber a mecânica desta liga, que já é uma das melhores do Mundo, como se pode comprovar pela média das suas assistências aos jogos, a rondar os vinte mil espetadores por partida, quase o dobro do que acontece, por exemplo, em Portugal, avançaremos sucintamente com a sua estrutura, baseada em duas zonas, Este e Oeste, com aquela a ter 10 equipas, enquanto esta tem nove. No fim das 34 jornadas do campeonato regular, onde as equipas da mesma zona disputam mais jogos entre si, há o campeão da Supporters Shield, numa homenagem da MLS a todos os seus apaniguados. O vencedor desta taça, por ter acabado com mais pontos entre as 19 equipas, fica automaticamente apurado para a Liga dos Campeões da CONCACAF. Este ano, o grande vencedor é o Nova Iorque Red Bull, com 59 pontos, mais um do que o Sporting Kansas City (58), mais dois do que o Timbers de Portland (57) e mais três do que o Real Salt Lake (56). Em 17 anos de atividade futebolística no interior da MLS, que ajudou a fundar em 1996 mais nove equipas, esta é a primeira vez que o clube de Nova Iorque ganha este campeonato! Mais. Esta é a única competição que o Nova Iorque Red Bull ganha em toda a sua história, enquanto todas as outras equipas americanas já têm um qualquer troféu no seu bornal. O Red Bull substitui assim o San Jose Earthquakes como campeão da Taça Supporters Shield. San Jose que, este ano, nem sequer conseguiu o apuramento para a fase eliminatória, ao quedar-se na sexta posição da Zona Oeste, com os mesmos pontos do Colorado Rapids, mas com menos sete golos marcados. De notar, de resto, o grande equilíbrio entre as equipas desta liga, como se pode ver pela classificação zonal e final. Enquanto o campeão Nova Iorque Red Bull amealhou 59 pontos, o último dos 10 clubes apurados, por acaso o Impacto, conseguiu 49 pontos. Poucas ligas no mundo conseguem ter este equilíbrio...

Taça da MLS

É bom terminar o Campeonato da MLS em primeiro lugar. Porque o vencedor ganha a Taça Supporters Shield e porque dá acesso direto à Liga dos Campeões da CONCACAF, com possibilidades, ganhando-a, de disputar o Campeonato Mundial de Clubes. Mas nada como ganhar a Taça MLS, só possível para uma das 10 equipas – cinco de cada zona – que se apuram para as eliminatórias de fim de época. E é nessa condição que há possibilidades de um quinto lugar obtido na fase regular de uma das zonas possa, depois, dar direito a ganhar a tão almejada Taça MLS. Foi assim ainda em 2012, já para não falar em anos anteriores, quando o Los Angeles La Galaxy, que terminaria fora da liderança, já aqui dita que foi conseguida pelo San Jose Earthquakes, a venceu.

Dito isto, nesta fase que se iniciou ontem, com o jogo Seattle Sounders – Colorado Rapids e continua hoje com o embate Dynamo de Houston – Impacto, qualquer das 10 formações em liça pode chegar ao título, mercê do equilíbrio que se verifica entre todos os contendores.

Para melhor compreensão dos nossos leitores desportistas, aqui deixamos o acasalamento das equipas que estão incluídas nesta fase final da MLS.

Acasalamentos

Acima já deixámos os embates da pre-eliminatória de cada zona. Refira-se que aqueles embates são disputados num só jogo, em casa da formação que ficou melhor posicionada na tabela classificativa. Assim sendo, o Impacto só passará à meia-final (agora a duas mãos) da sua série caso vença o jogo de hoje em Houston, no Texas. Se conseguir a vitória, os montrealenses têm o destino marcado para domingo, às 15h30, no Estádio Saputo, quando defrontarão o Red Bull.

Vejamos os restantes confrontos:

Zona Este

Dia 2 de novembro

– Revolution Nova Inglaterra – Sporting Kansas City

Dia 3 de novembro

– Dynamo/Impacto – Nova Iorque Red Bull

Zona Oeste

Dia 2 de novembro

– Seattle Sounders/Colorado Rapids – Timbers de Portland

Dia 3 de novembro

– Los Angeles La Galaxy – Real Salt Lake

Depois desta ronda zonal das meias-finais, a duas mãos, defrontar-se-ão os dois vencedores em final da respetiva zona. Assim, haverá o campeão da Zona Este e o da Zona Oeste. Escusado será dizer que, depois, os dois campeões se defrontam para o grande título final: a Taça da MLS!

Últimos jogos do Impacto

Neste período que mediou a saída do nosso jornal, o Impacto disputou três desafios. O primeiro foi na Califórnia, contra o La Galaxy (derrota por 0-1); o segundo foi no Estádio Saputo, quando ganhou (2-1) ao União de Filadélfia e o terceiro, no passado sábado, em Toronto, diante da formação local, quando perdeu por 1-0. Esta última derrota diante dos rivais torontenses quase custou a passagem à fase seguinte da equipa quebequense.

Prémios individuais

O melhor marcador da prova, por isso com direito a troféu, é Camilo Sanvezzo, do Whitecaps de Vancouver, com 22 golos marcados. Di Vaio (20) copiou a sua equipa e depois de liderar esta tabela deixou-se ultrapassar no final pelo jovem brasileiro e por Mike Magee (21) do Chicago Fire. Diego Valeri, argentino do Timbers de Portland ficou na frente como o homem do último passe, com 13 assistências decisivas.

Já Landon Donavan (La Galaxy), o melhor jogador americano de todos os tempos e o mais completo de toda a MLS, apesar de ter começado a época mais tarde, assistiu os seus colegas com 9 passes decisivos e marcou 10 golos. Este pecúlio fez com que Donavan igualasse o recorde de golos de toda a história da MLS com 134 golos, os mesmos de Jeff Cunnigam, já retirado.

Até final da época, a 7 de dezembro, outros prémios serão atribuídos, como o do jogador mais valioso da época.

Desporto
Depois de um princípio de época muito positivo, que se prolongou até ao mês de agosto, quando chegou mesmo a liderar a Zona Este do campeonato da Major League Soccer, onde está integrado, o Impacto começou a fraquejar de tal maneira que foi preciso esperar – sem jogar – pelo último encontro da temporada regular, Nova Iorque Red Bull – Chicago Fire, para saber que estava qualificado para a fase seguinte. A vitória dos nova-iorquinos (5-2) sobre a formação da Cidade dos Ventos foi decisiva, pois uma vitória ou empate do Chicago Fire arredava de forma definitiva os montrealenses dos play-offs...
Inextremis.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020