logo
rss  Vol. XVII - Nº 296         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 28 de Maio de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Reação dum leitor ao artigo:

«Luc Ferrandez e as suas políticas ecológicas... Comerciantes portugueses estão fartos»

Foi dito, implicitamente, que o presidente da Junta de Freguesia do Plateau, Luc Ferrandez, e as suas medidas de apaziguamento da circulação provocaram o encerramento de comércios exponencialmente e, por isso, teve um impacto económico negativo. Será isso verdade?

Quando analisamos os dados do desempenho económico do Plateau e da Cidade de Montreal, publicados em maio 2013 pela Diretoria de Planeamento e Desenvolvimento Económico da Cidade de Montreal, descobrimos que isso é totalmente falso! Não só o distrito mantém os seus estabelecimentos permanentes melhor do que a média montrealense, mas tem um dos melhores registos em termos de criação de emprego. De facto, entre a vitória de Luc Ferrandez em 2009 e 2011, o Plateau perdeu 2,54% dos seus estabelecimentos, enquanto em Montreal se perdeu 2,56% entre 2009 e 2011. O distrito do Plateau teve um melhor desempenho que a média da Cidade e de 10 outros distritos, aliás, esses 10 distritos com os piores registos de desempenho económico da ilha eram todos eles dirigidos pela antiga União Montreal, agora em maioria integrando as equipas de Coderre e Côté. A perca de estabelecimentos permanentes é um problema generalizado em Montreal e é desonesto afirmar que é único ao Plateau. A criação de emprego, ou seja a variação do emprego no Plateau, foi também melhor que a média da Cidade e que 10 outros distritos, 2,2% para o Plateau e 1,3% para a média de Montreal entre 2009 e 2011.

O Plateau cria mais postos de trabalho e atrai mais empresas comparativamente à média de Montreal. De facto, para dar alguns exemplos nos últimos tempos, o distrito conseguiu atrair empresas internacionais como Allied Properties, de Toronto, Framestore, de Londres, com a criação de cerca de 200 postos de trabalho, além de reter Ubisoft, de Paris, que foi cortejada por muitos distritos industriais de Montreal, acrescentando 500 postos de trabalho aos 3 000 já existentes. O Sr. Ferrandez deu quase um milhão de dólares às sociedades de desenvolvimento comercial do Plateau Mont-Royal.

Também é importante explicar que os impostos são estabelecidos pela cidade central e que, em nenhum momento, os aumentos de impostos são da culpa de Luc Ferrandez, antes pelo contrário, ele sempre reagiu fortemente contra os aumentos brutais de impostos ditados pela administração central da Cidade de Montreal. Luc Ferrandez e sua equipa, ao contrário da maioria dos outros distritos, sempre recusaram de impor aos cidadãos e comerciantes do Plateau, o imposto local de distrito (taxe local d’arrondissement) para resolver o sub financiamento dos serviços locais. Antes de sufocar os cidadãos do Plateau com um imposto adicional, preferiu ajustar o preço do estacionamento.

É preciso também lembrar que, quando o partido de Projet Montréal foi eleito no distrito, as Finanças Públicas se encontravam no pior estado de toda a sua história, literalmente em falência técnica por várias razões, e que, em só 4 anos, conseguiram endireitar essas mesmas Finanças, pagar todas as dívidas e gerar excedentes orçamentais reservados para urgências. Impressionante!

Carlos da Silva, leitor identificado.

Bibliografia

ville.montreal.qc.ca

ville.montreal.qc.ca

ville.montreal.qc.ca

www.lapresse.ca

fr.scribd.com

www.lapresse.ca

www.cbc.ca

www.huffingtonpost.com

Leitores
Foi dito, implicitamente, que o presidente da Junta de Freguesia do Plateau, Luc Ferrandez, e as suas medidas de apaziguamento da circulação provocaram o encerramento de comércios exponencialmente e, por isso, teve um impacto económico negativo. Será isso verdade?
Reacao dum leitor.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020