logo
rss  Vol. XVII - Nº 296         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 28 de Maio de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Nicolet, no centro do Quebeque

Com uma «Casa das Tias»

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Temos uma admiração muito especial pela cidade de Nicolet, no centro do Quebeque, não muito longe de Trois-Rivières. Primeiro, porque foi uma das primeiras cidades que visitámos, à conta do governo do Quebeque, como jornalista. Fomos descobrir, para os leitores do jornal para quem trabalhávamos na época, a escola da polícia, situada em... Nicolet. A segunda razão, devo-a ao malogrado Tadeu Rocha, senhor de vastos contactos com a Comunidade Portuguesa local, para onde ele enviava semanalmente jornais, cassetes das telenovelas e outros artefactos, e que de tanto falar dela (Comunidade) me incutiu o gosto de lá ir descobri-la. Infelizmente, esse desejo de Tadeu Rocha não foi possível concretizá-lo com ele em vida...

Casa das Tias IMG_2105.JPG
A grelha do «Casa das Tias»

Em abril de 2009, data dos 55 anos da Comunidade, lá fomos até Nicolet, agora por influência de Fernando Pereira, do grupo musical Ritmos (ex-Sky Queen), para assistir às comemorações de tal data. Acompanharam-nos, além dos elementos do Ritmos, a fadista Jordelina Benfeito, também convidada para participar no jantar-espetáculo dos 55 anos da Comunidade. Lembramo-nos de dar uma volta pela cidade à procura de «coisas portuguesas». Lá estava a «Rua de Portugal», isto por influência de uma comunidade exclusivamente açoriana, diria mesmo, micaelense, com foros de serem os seus elementos quase a cem por cento lagoenses, como nos deixaram perceber na altura várias pessoas.

Depois de tudo isso, Nicolet ficou para trás... como que esquecida. O mesmo esquecimento a que está votada pelas entidades portuguesas que nunca por lá puseram os pés em todos estes anos. Valeu o texto enviado pelo cônsul da altura, lido por um elemento da comunidade local...

Casa das Tias IMG_2106.JPG
Aspecto do interior do restaurante.

De repente, agora, aparece-nos um tal Denis Demelo, «Lembra-se de mim...» a querer um anúncio no jornal.

Apresentações renovadas, onde até nos foi enviado o artigo, em PDF, que produzimos na altura da nossa visita e que já nem nos lembrávamos do teor, e logo ficámos a saber que «Abri a «Casa das Tias» em julho, depois de criar um quiosque no Mercado Público de Bécancour de «Galinha à portuguesa», por força da paixão da minha esposa pela culinária lusitana. Infelizmente, agora tenho de vender o restaurante devido à doença da minha mulher que a obriga a fazer tratamentos radiológicos por via de um cancro num seio».

Com as coisas a funcionar em pleno, como nos disse Denis Demelo (de Melo em português), é caso para dizer que a doença tudo modifica na vida das pessoas. Daí o desalento deste luso-descendente, orgulhoso da sua ascendência.

E como última vontade, Denis Demelo quer vender, se possível, o seu restaurante a alguém de origem portuguesa de maneira a haver «uma continuidade para a «Casa das Tias», diz, não sem demonstrar algum lamento.

Em Nicolet, em tempos áureos, chegou a residir um conjunto de cerca de 100 famílias portuguesas.

Portanto, na comunidade, seja de que lugar for, se houver alguém interessado em comprar o «Casa das Tias», já com clientela estabelecida, a única coisa que tem a fazer é contactar Denis de Melo através dos números de telefone 1 (819) 293-4757 (residência) e/ou 1 (514) 773-8739 (ver anúncio «Casa das Tias», na página 5).

Comunidades
Temos uma admiração muito especial pela cidade de Nicolet, no centro do Quebeque, não muito longe de Trois-Rivières. Primeiro, porque foi uma das primeiras cidades que visitámos, à conta do governo do Quebeque, como jornalista. Fomos descobrir, para os leitores do jornal para quem trabalhávamos na época, a escola da polícia, situada em... Nicolet.
Nicolet.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020