logo
rss  Vol. XVII - Nº 296         Montreal, QC, Canadá - domingo, 23 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Eleições autárquicas...

Com sete portugueses

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

As Eleições Autárquicas deste ano voltam a ter uma participação de candidatos portugueses interessante. Ao todo, serão sete, cinco homens e duas mulheres que participarão no ato eleitoral do próximo dia 3 de novembro. Eles concorrem em Montreal, em Laval e em Sainte-Thérèse, como tem vindo a acontecer de alguns anos a esta parte. De fora, desta vez, fica Gatineau, que não tem nenhum candidato de origem portuguesa para substituir Joseph da Silva, um vereador com carreira profícua. Joseph da Silva foi vereador durante muitos anos. Com o seu abandono, quem fica a perder é a comunidade portuguesa de Gatineau, com uma grande concentração de gente nossa, principalmente situada no bairro de Hull (antes, a exemplo de Anjou, era cidade).

Já com carreira feita, volta a concorrer por Anjou, Luís Miranda, o primeiro português no Canadá a ser presidente de câmara. Vieram as fusões e Luís Miranda continuou a somar vitórias, embora a sua importante cidade tenha passado a freguesia. Uma aberração, diremos nós. Não admira, por isso, que seja vontade do homem nascido no Pico da Pedra, concelho de Ribeira Grande, que Anjou volte a ser cidade!

Enquanto isso não acontece, Luís Miranda vai liderando Anjou a seu belo prazer, com a sua própria equipa e não interessa o que dizem os adversários mais ríspidos... Prevê-se que Anjou, no dia 4 de novembro, continue com Luís Miranda como «maire». E com ele, toda a sua equipa, como é seu desejo.

Dois candidatos lusitanos por Jeanne-Mance. Um para a cidade-centro, João Neves, e outro para a Junta de Freguesia do Plateau, António Rodrigues. Aquele já leva alguma experiência de eleições, federal e provincial, em duas ocasiões distintas; este aparece pela primeira vez. João Neves, vem como independente, o que, em nossa opinião, lhe tira possibilidades de ser eleito, até por encontrar no seu caminho um opositor de respeito na pessoa de Alexander Norris, um lusófilo conhecedor da comunidade portuguesa – fala português fluentemente. António Rodrigues traz alguma experiência de Portugal e, melhor, está colocado numa equipa (Coderre) que se diz vencedora.

Mais acima, em Outremont, tenta a re-eleição Ana Nunes. Pertence, igualmente, à Equipa Denis Coderre. A sua notoriedade de vereadora atual, juntamente com o facto de integrar aquela equipa, dá-lhe ótimas garantias de voltar a ser eleita pelo chique bairro de Outremont. Espera-se, caso seja de novo eleita, que se aproxime mais de uma comunidade (portuguesa) que ela diz não conhecer mas que, ao mesmo tempo, se permite de dar «conselhos». «Integre-se» e, depois, terá certamente condições para opinar. Percebeu?

Em Laval há dois candidatos, Manuel Botelho e Noémia de Lima. Ambos já têm uma certa rota destas coisas de eleições. Em 2009, Manuel Botelho conseguiu fazer boa figura, ao recolher 42% de votos contra o candidato do establishment. Com mais um bocadinho de sorte e teria lá chegado.

Agora, em 2013, com todo o imbróglio que se conhece na cidade onde vive há 56 anos, que deu abertura para uma larga camada de candidatos dos mais variados partidos, Manuel Botelho joga na defensiva, não dando azo a comparações, preferindo dizer que «logo se vê».

Noémia de Lima, com três campanhas eleitorais no ativo, é a segunda pessoa da comunidade que se apresenta a eleições nesta cidade. Concorre pelo círculo eleitoral de Sainte-Dorothée que, pensamos, não tem muitos portugueses, ao invés de St-Martin, por onde concorre Manuel Botelho. É neste bairro, de resto, como sabem, que está situada a Missão Portuguesa, já para não falar na maior parte dos comércios portugueses em Laval. Se Noémia de Lima tem hipóteses de ser eleita? Como gostaríamos de acreditar...

Mas a grande novidade vem de Sainte-Thérèse. Não por apresentar um candidato a vereador da câmara, isto na medida em que até já lá esteve um eleito, na pessoa do Luís de Sousa, ao tempo do «maire» Elie Fallu, mas porque o candidato é Armando de Melo, há poucos anos, como o nosso jornal deu conta de resto, considerado «Cidadão do Ano» pela municipalidade. Armando Melo foi a primeira pessoa de origem emigrante a receber tal galardão!

Pelas informações recolhidas, as hipóteses de que Armando Melo seja eleito são reais, principalmente por duas coisas: concorre pela equipa da atual presidente da Câmara, Sylvie Surprenant, e é apoiado pelo vereador que se retira e que representava o bairro por onde concorre, Distrito Blanchard, há 30 anos.

A todos os candidatos desejamos, do coração, a melhor das sortes.

E um último conselho: vamos todos votar no dia 3 de novembro!

Eleições Municipais
As Eleições Autárquicas deste ano voltam a ter uma participação de candidatos portugueses interessante. Ao todo, serão sete, cinco homens e duas mulheres que participarão no ato eleitoral do próximo dia 3 de novembro.
Eleicoes autarquicas.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020