logo
rss  Vol. XVII - Nº 296         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Claudia Chin na Galeria 3C

Uma exposição de artistas portugueses para o 60º. aniversário

Jules Nadeau

Por Jules Nadeau

Artistas portugueses do continente e de Montreal serão o centro das atenções no mês que vem na Galeria 3C para marcar o 60º. aniversário da chegada dos primeiros Portugueses ao Canadá. A iniciativa pertence à diretora Claudia Chin, que se define ela própria como Portuguesa de origem chinesa. Nascida de pais chineses na Beira, em Moçambique, estudou durante dez anos em Lisboa onde desenvolveu a paixão pelas artes. Aberta há mais de dois anos no 9150 rua Meilleur, a Galeria 3C vai apresentar a exposição de 9 a 30 de novembro próximo. A inauguração é a 13 de novembro.

«A ideia veio-me duma conversa no ano passado com o cônsul Fernando Demée de Brito sobre o 60º. aniversário. Decidi então que tinha de organizar um evento. O meu objetivo é de, não somente celebrar a imigração portuguesa no Canadá, mas de dar a conhecer artistas portugueses na minha galeria, pouco importa onde é que vivem. Faço a promoção em Montreal, no Canadá e nos Média em Portugal, assim como, se possível, nas diversas comunidades lusófonas do mundo», declarou a diplomada da Universidade de Concordia em entrevista ao LusoPresse.

ClaudiaChin_201109_300dpi.jpg
Cláudia Chin.

Seis artistas aceitaram o convite da galerista que está muito presa à cultura portuguesa e domina admiravelmente bem a língua. Claudia Chin dá-nos alguns pormenores sobre os participantes. Para começar, de Portugal, nome bem conhecido, nascido em 1926, Júlio Pomar, que pertence à 3ª. geração dos modernistas. «Ao longo das últimas quatro décadas tem abordado uma grande variedade de universos temáticos, da reflexão autorreferencial ao erotismo, do retrato às alusões literárias e matéria mitológica.» O octogenário tem exposto no país de origem assim como no Brasil.

José Maria Fernandes Marques transitou da profissão de engenheiro (diplomado em 1975) à de pintor. Conhecido sob o pseudónimo de José Guimarães, o septuagenário (1939) pode gabar-se duma carreira internacional graças às suas exposições e a uma presença num grande número de lugares nos quatro continentes. Outro desertor duma profissão a outra, Rico Sequeira, passou da música à pintura a partir dos anos 80. As suas obras encontram-se em países europeus e na América latina. «Foi músico profissional mas vendeu toda a aparelhagem para se dedicar à pintura... Retirou-se para o Museu do Prado, em Madrid, onde passava os dias a desenhar as obras de Goya. Isso marcou-o para sempre no modo de olhar», menciona o seu curriculum vitae.

Em seguida, dos três artistas do Quebeque, vamos começar por ver as obras de Carlos Calado, que começou pela escultura antes de se virar para a estampa no meio dos anos 70. Nascido em Angola em 1946, estudou em Lisboa e ensinou na Universidade do Quebeque no Outaouais. Por outro lado, nascido no Quebeque em 1959 de pais portugueses, Joseph Branco foi duas vezes vencedor de concursos públicos do Ministério da Cultura do Quebeque. O diplomado de universidades quebequenses expõe regularmente desde 1984. Para acabar, o lisboeta de nascença Fernando Santos, agora montrealense, apaixonou-se pela fotografia a preto e branco e, ao longo das suas viagens de 2008 a 2012, concentrou-se num estudo muito revelador da capital.

Esta manifestação artística comemorativa vai suscitar certamente o interesse de toda a comunidade. Ajudada por uma colaboradora em Lisboa e outra da metrópole aqui, Leonora Moncada, outra apaixonada das artes visuais, Madame Chin prossegue energicamente o seu trabalho de relações públicas. LusoPresse associa-se aos seus esforços para assegurar a melhor publicidade possível ao acontecimento deste outono e aí atrair o maior número possível de visitantes.

Artes
Artistas portugueses do continente e de Montreal serão o centro das atenções no mês que vem na Galeria 3C para marcar o 60º. aniversário da chegada dos primeiros Portugueses ao Canadá. A iniciativa pertence à diretora Claudia Chin, que se define ela própria como Portuguesa de origem chinesa.
Claudia Chin.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020