logo
rss  Vol. XVII - Nº 295         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 29 de Maio de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

42° Festival do Novo Cinema

Com presença lusitana

LusoPresse – De 9 a 20 de outubro estará decorrendo o 42° Festival do Novo Cinema de Montreal, a ter lugar em várias salas montrealenses, com especial ênfase nas do Ex-Centris, situado no boulevard St-Laurent, a poucos metros da rua Sherbrooke.

Serão exibidos durante o Festival 146 longas-metragens, de entre elas 39 serão estreias. Os filmes vêm de um pouco por todo o mundo, da América do Sul à China, etc.

De Portugal, que saibamos, não vem nenhuma película, o que é de estranhar, pois em anos anteriores a presença portuguesa já foi significativa. De resto, houve mesmo um ano, que agora não podemos precisar, em que o Festival teve como país convidado precisamente Portugal.

Não vem nada de Portugal, mas a marca portuguesa lá estará com a assinatura de Pedro Pires que, de parceria com Robert Lepage, apresenta Triptyque, uma adaptação da peça Lipsynch (de Robert Lepage) e que acaba de ter participação no Festival de Filmes de Toronto.

Entretanto, no dia 18 de outubro, será apresentado o filme Enemy, do realizador quebequense Denis Villeneuve, cujo argumento se baseia no livro «O Homem Duplicado» do escritor português e prémio Nobel de Literatura, José Saramago.

Que mais não fosse, já por isso se torna uma razão para que os portugueses desta comunidade deem uma saltada a este importante evento fílmico que começa na próxima quarta-feira, dia 9 de outubro.

Cinema
LusoPresse – De 9 a 20 de outubro estará decorrendo o 42° Festival do Novo Cinema de Montreal, a ter lugar em várias salas montrealenses, com especial ênfase nas do Ex-Centris, situado no boulevard St-Laurent, a poucos metros da rua Sherbrooke.
Festival de cinema.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020