logo
rss  Vol. XVII - Nº 294         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 22 de Agosto de 2019
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Diário de um verão (II)

Osvaldo Cabral

Por Osvaldo Cabral

ELEIÇÕES – O candidato José Contente propôs um complemento de pensão para os cidadãos idosos de Ponta Delgada, em parceria com o Governo Regional.

Vasco Cordeiro apressou-se a responder que não tinha nada a ver com aquilo.

Eis mais algumas sugestões para os candidatos de Ponta Delgada, mesmo contra a vontade do fuinhas Vasco Cordeiro:

Um complemento de pensão para os cidadãos de Ponta Delgada jogarem no Casino da Calheta;

Um complemento de pensão para os cidadãos de Ponta Delgada comprarem os caixotes do arquiteto Souto Moura nas Setes Cidades;

Um complemento de pensão para os cidadãos de Ponta Delgada viajarem na caríssima SATA;

Um complemento de pensão para os cidadãos de Ponta Delgada deixarem de fazer «carícias» nas enfermarias do hospital da sua cidade.

Agora a sério: do que precisamos mesmo é de um Centro Interpretativo da Política Exótica à Regional.

                                                    ****

SILLY – O jornalismo portuga está de rastos. Os noticiários televisivos, em pleno verão, abrem com a morte de uma turista que se afogou na piscina de uma quinta de turismo rural em Montemor.

A notícia morreria aqui.

Mas o apresentador chama em direto outro jornalista, no local do acidente, para este dizer a mesma coisa, porque não há mais nada a dizer. Mas o verão tem que render. O jornalista do direto entrevista o Comandante da GNR, para dizer o que os dois  já tinham dito anteriormente. Mas não acaba aqui: o jornalista quer ouvir ainda o Comandante dos Bombeiros, que repete exatamente o que foi dito. Já vamos nisto há longos minutos.

No final, o jornalista despede-se dizendo que não foi possível ouvir os donos da quinta.

Uf!

Não é só a «silly season».

Em Portugal também há jornalistas tontos.

                                                        ****

PACU – A descoberta do verão é o peixe Pacu, o tal que gosta de comer testículos.

Pois eu acho que temos tubarão semelhante entre nós: a banca portuguesa.

Os bancos, protegidos pelos políticos, chupam-nos até ao tutano.

Conheço um que aceitou depositar um cheque da Segurança Social, que já tinha passado da validade.

Quando deu pelo erro, devolveu o cheque ao pensionista e ainda lhe cobrou umas dezenas de euros em comissões de serviço.

Não é garotice nem ganância.

É sacanice bancária.

                                                           ****

SEM PACU – Quem disse que o setor da Saúde regional estava de pantanas?

Leitor amigo contou-me este exemplo do caos na máquina administrativa da Saúde, depois de tantos «boys and girls» nomeados.

Em 26 de maio de 2012 a esposa deste amigo recorreu ao serviço de urgência do Hospital do Divino Espírito Santo, por indisposição.

Em 20 de junho de 2013, mais de um ano depois, o hospital reclamou o custo de análises no valor de 14,05 Euros.

No dia seguinte foi enviado um cheque e, poucos dias depois, o meu amigo recebeu o recibo.

Até à presente data o referido cheque está por descontar na conta bancária.

Ainda se deu ao trabalho de estabelecer um contacto com os serviços administrativos do Hospital, ao que a funcionária se justificou com a «alteração da gerência e falta de pessoal»!

E eles a discutirem, durante meses, um grande plano de re-estruturação do setor da Saúde.

Valha-nos Deus.

                                                 ****

IRREVOGÁVEL – Esta palavra, que dá tanta credibilidade à política como matar a sede a um morto, é a moda do verão político.

A construção do cais de cruzeiros em Angra do Heroísmo era irrevogável no anterior governo.

A sua suspensão era irrevogável no atual governo.

Ao que parece, neste período eleitoral autárquico, a sua reabilitação volta a ser irrevogável...

                                          ****

HORROR – A RTP, depois de ter reabilitado Sócrates, arma-se novamente em Centro de Reabilitação de Alcoitão, e foi buscar Manuela Moura Guedes.

A RTP tornou-se numa casa de fantasmas!

Crónica
ELEIÇÕES – O candidato José Contente propôs um complemento de pensão para os cidadãos idosos de Ponta Delgada, em parceria com o Governo Regional.
Diario de um verao.doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2019