logo
rss  Vol. XVII - Nº 294         Montreal, QC, Canadá - sábado, 24 de Agosto de 2019
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Crónicas de peso sobre anos de chumbo

Onésimo Teotónio Almeida

Por Onésimo Teotónio Almeida

As Crónicas de Anos de Chumbo (2008-2013) de Eduardo Paz Ferreira (Edições 70, 2013) carregam consigo um punhado de qualidades, sendo uma delas o não terem nada a ver com o chumbo da gíria, nem sequer para chumbar o país que nos saiu na lotaria destes últimos anos. O peso assinalado no título até contrasta com a elevação das crónicas, que agarram o ânimo do leitor. Decididamente não são nada pesadas, embora falem de realidades muito tristes (basta olhar-se para as datas), de perenes dificuldades da pátria, do buraco negro que a ameaça e do nevoeiro onde se escondem as soluções. Se é que se escondem e o nevoeiro não passa de disfarce a tapar a boca desse buraco.

Do que sobre Finanças diz o catedrático de Direito da Universidade de Lisboa, não serei eu quem se vai atrever a ajuizar. Do mais, direi amplamente que sim, está ali um belo conjunto de reflexões sobre Portugal, sobre o mundo, sobre a nossa geração (bom, sou uns aninhos mais velho, admito, mas andámos embarcados nos mesmos ventos da História), sobre o produto dos sonhos da utópica juventude de 60, tudo dito na prosa de quem poderia ter feito carreira brilhante no jornalismo (o autor andou por lá e foi muito tentado a permanecer) ou na escrita literária, sempre numa voz cujo tom me agarrou em sintonia ao longo das suas quase 400 páginas. E sem risco de desafinar.

Eduardo Paz Ferreira reúne nesta coletânea artigos de jornais, mas também muitos textos de intervenção em colóquios, congressos, conferências solicitadas para públicos diversos. Significativamente, em todos mantém a mesma voz, a mesmíssima inalterável ponderação, uma sábia e encantadora serenidade, uma sagesse culta, erudita, nunca presumida nem pomposa, refletindo por todos os flancos uma experiência de vida a temperar criticamente o saber haurido nos livros e debitado nas salas de aula.

O livro fecha (culmina) com esplêndida chave de ouro: uma entrevista com Anabela Mota Ribeiro, explicando, ou ajudando o leitor a entender, muitas posições do autor. Poderá dizer-se que abrindo portas para se entender até o próprio autor e o seu percurso bioideográfico. Conduzida hábil e sabiamente por Anabela Mota Ribeiro, o Professor colaborou de boamente e de boa fé expondo-se com uma candura contagiante e envolta em sensibilidade de impor respeito.

Crónicas de Anos de Chumbo são reflexões de quem seguiu o nosso século português bem de perto e muito por dentro, ou na proximidade dos que mais contribuíram para o seu rolar. O autor gosta particularmente dos versos de Wordsworth citados, no final do filme Spendor in the Grass, por Natalie Wood, e faz deles como a epígrafe ou mensagem-chave do livro: Nunca mais teremos o esplendor na relva, mas não nos queixaremos, antes ganharemos forças lutando pelo que tivemos.

Falei em sabedoria de vida? A que melhores versos poderemos nós agarrar-nos hoje num Portugal que ainda não vislumbrou saída para estes anos de chumbo?

Crónica
As Crónicas de Anos de Chumbo (2008-2013) de Eduardo Paz Ferreira (Edições 70, 2013) carregam consigo um punhado de qualidades, sendo uma delas o não terem nada a ver com o chumbo da gíria, nem sequer para chumbar o país que nos saiu na lotaria destes últimos anos.
Cronicas de pesoEduardoPazFerreira ONESIMO .doc
no
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2019