logo
rss  Vol. XVII - Nº 280         Montreal, QC, Canadá - segunda-feira, 12 de Abril de 2021
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContactos arrowÚltima hora arrowClima arrowEndereços úteis
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Remessas de emigrantes...

Ultrapassam 2,5 mil ME em novembro

Lisboa – As remessas de emigrantes para Portugal ultrapassaram em novembro o valor conseguido no total dos últimos anos ao atingir cerca de 2,5 mil milhões de euros no final de novembro, de acordo com os dados do Banco de Portugal.

De acordo com o Boletim Estatístico do Banco de Portugal, estas remessas superam - quando ainda falta apurar um mês para o final do ano - os totais de 2011 (2,43 mil milhões de euros), de 2010 (2.425 milhões de euros) e de 2009 (2,28 mil milhões de euros) pelo menos.

Em novembro o valor das remessas dos emigrantes atingiu os 204 milhões de euros, mais 14% que o valor registado em novembro do ano passado.

Mais de metade deste valor continua a chegar de emigrantes em países da União Europeia, cerca de 106 milhões de euros, e deste valor mais de metade chega por sua vez de França, um quarto do total mensal, com 55,2 milhões de euros.

As remessas de emigrantes que chegam de países que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) correspondem, por sua vez, a 85% do valor total das remessas do mês de novembro, com 173,5 milhões de euros de total de 204 milhões de euros.

Por sua vez, o dinheiro que sai de Portugal através das remessas de imigrantes para outros países atingiu os 43 milhões de euros, o valor mais baixo desde junho deste ano.

Emigração
Lisboa – As remessas de emigrantes para Portugal ultrapassaram em novembro o valor conseguido no total dos últimos anos ao atingir cerca de 2,5 mil milhões de euros no final de novembro, de acordo com os dados do Banco de Portugal.
Remessas emigrantes.doc
yes
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2021