logo
rss  Vol. XVI - Nº 256         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2021
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Gestora algarvia vence Troféu de Melhor Empresária da Europa 2011

 

sandra correira
Sandra Correia
Foto: Fornecida pela família

Agência Lusa - A portuguesa Sandra Correia, 40 anos, presidente executiva da empresa algarvia de cortiça Pelcor, venceu na segunda-feira em França o Troféu de Melhor Empresária da Europa 2011, pelo Parlamento Europeu e Conselho Europeu das Mulheres Empresárias.

«Este prémio abre novas portas para a Pelcor e para a cortiça e é um caso de motivação e orgulho para Portugal», declarou à Lusa a empresária algarvia, criadora da marca Pelcor e que aproveitou a fábrica de rolhas de cortiça do pai para se lançar no mundo da moda e do design.

A entrega do troféu a Sandra Correia, a candidata portuguesa escolhida para representar Portugal, foi realizada por Alain Juppé, ministro dos Negócios Estrangeiros de França, e por Elisabeth Morin Chartier, vice presidente da Comissão Europeia dos Direitos das Mulheres e Igualdade de Género.

A marca Pelcor, além de estar no mercado das rolhas de cortiça para os mais finos champanhes, licores e vinhos do mundo, distingue-se atualmente pelos produtos de design luxuosos concebidos a partir da casca de sobreiro, onde os chapéus-de-chuva de cortiça são o artigo mais original que oferecem.

A marca produz também bolsas de cosmética, relógios de pulso, aventais, malas a tiracolo, sacos de compras, bolsas para moedas, carteiras para homem e até já criou uma linha exclusiva composta por mala, malote, carteira e porta óculos para a cantora Madona, quando a artista esteve em Portugal em 2008.

Alguns desses objetos de design feitos em cortiça estão à venda no Museu de Arte Moderna (MOMA) de Nova Iorque, um dos mais conceituados do mundo.

O negócio corticeiro da família Correia começou em 1935, no centro do Algarve, região considerada o berço da melhor cortiça do mundo.

A Pelcor tem tido um volume de negócios em ascensão onde, por exemplo, em 2007 superou de meio milhão de euros em relação a 2006, e está a apostar no mercado do Médio Oriente, designadamente Dubai ou Emirados Árabes.

Informação complementar do LusoPresse

A Sandra Correia é filha de César Correia que dirige agora com a filha e com o filho, Miguel Correia, a empresa Novacortiça S.A. originalmente criada pelo avô da laureada em 1935, em São Brás de Alportel. Esta empresa familiar desenvolve a sua atividade principalmente na área de componentes para a rolha de cortiça para garrafas de champanhe.

Mantendo e ampliando progressivamente as suas instalações e modernizando permanentemente os meios de produção, a Novacortiça fabrica atualmente 2.000.000 de discos de cortiça natural para o champanhe, fabrica granulados para os respetivos corpos das rolhas, diariamente, e em 2002 começou a desenvolver, pela mão da Sandra, a linha de produtos em pele de cortiça.

Nasce assim a Pelcor, marca registada que, em constante progresso, conquista os mercados dos brindes, dos artigos para casa, escritório e utensílios pessoais vários, culminando com o patamar voltado para a Moda, campo fértil de imaginação e ousadia, próprio dos sonhadores que tudo fazem com prazer, dedicação e amor.

E é assim que aparece agora este prémio ao nível da Europa, a que a Sandra faz jus pelo seu entusiasmo e voluntariedade.

Resta dizer que a Novacortiça espera ter, neste momento, dois anos de expansão com o alargamento do seu mercado estrangeiro para os produtos Pelcor, com um investimento acima dos 500.000 euros, subsidiado pelo Governo português ao abrigo do programa Qren.

CDJ

Foto fornecida por César Correia

O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2021