logo
rss  Vol. XVI - Nº 256         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2021
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

 

Comunidades na diáspora devem usar língua como lóbi

Londres - As comunidades lusófonas na diáspora devem unir-se e usar a língua portuguesa como um lóbi junto das autoridades dos países de acolhimento, defendeu José Ferreira, diretor do portal luso-canadiano Adiaspora.com.

"Nas comunidades devemos usar mais a língua do que a comunidade em si, ou seja, criar um lóbi. A língua portuguesa tem mais impacto nos países de acolhimento do que propriamente São Tomé sozinho, ou Cabo Verde ou Brasil ou Portugal», afirmou o empresário à agência Lusa.

O portal organizou um seminário em Londres para comemorar o 10.º aniversário sob o tema «Insularidades», com a presença de oradores e participantes de ilhas e países da lusofonia.

"Foi a primeira vez que neste encontro tivemos a possibilidade de ter a representação, na audiência e tudo, de todos os países de língua portuguesa, que para nós foi fundamental», saudou.

O presidente da Câmara Municipal de Santana, Rui Moisés Ascensão, representou a Madeira, pelos Açores esteve o diretor regional dos Assuntos do Mar, Frederico Cardigos, e o Presidente da Câmara Distrital de Mé-Zochi, Nelson Carvalho, viajou de São Tomé e Príncipe.

Ao longo de sábado e domingo escutaram-se palestras de académicos, artistas e elementos da comunidade lusófona no Reino Unido e Canadá e realizaram-se manifestações artísticas, nomeadamente uma exposição de pintura do açoriano Vítor Borga, e atuações de grupos folclóricos da Madeira e São Tomé e Príncipe.

José Ferreira, emigrante no Canadá, admitiu que é sempre «um risco» organizar estes eventos em sítios diferentes, como tem feito todos os anos, mas mostrou-se satisfeito por ter tido um público numeroso.

Sobre a comunidade lusófona no Reino Unido, afirma que ainda não tem a mesma maturidade e dinâmica que a do Canadá, que remonta aos anos 1950, mas que «tem potencial enorme» e aconselha «um pouco mais de união», não só entre portugueses mas também entre lusófonos.

"A língua tem impacto mais forte perante os governos de acolhimento», argumentou José Ferreira.

Na sessão de encerramento esteve presente Christiana Valcarcel, mayor de Lambeth, bairro em Londres onde se concentra uma grande parte da comunidade lusófona.

O portal Adiaspora.com reivindica 16,5 milhões de visitas, 5,5 milhões de entradas só nos últimos 12 meses.

O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2021