logo
rss  Vol. XV - Nº 253         Montreal, QC, Canadá - quarta-feira, 03 de Junho de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Festival de Cinema dos Açores

Apresenta «Dharma Guns», de F.J. Ossang, rodado no arquipélago

Ponta Delgada, 20 out (Lusa) - O Festival de Cinema dos Açores, que começa no dia 30 na Horta, apresentará em antestreia na região o filme «Dharma Guns - A sucessão de Starkov», do realizador francês F.J. Ossang, revelou à Lusa o diretor do festival.

cinema
Foto: Internet

O filme, apresentado este ano no Festival de Cinema de Veneza, foi parcialmente rodado nos Açores e teve o apoio da Azores Film Comission e do Governo Regional, estando ainda em aberto a possibilidade de o realizador se deslocar ao Faial para assistir à exibição.

Luís Pereira, diretor do festival, revelou ainda que no festival também será exibido, extra-competição, o documentário «É na Terra Não é na Lua», o mais recente filme de Gonçalo Tocha, rodado na ilha do Corvo.

Gonçalo Tocha já confirmou a presença no festival, onde também estarão realizadores como Rodrigo Areias, Edgar Pêra, Sérgio Tréfaut, Susana Sousa Dias e Teresa Villaverde.

O festival, também designado Faial Filmes Fest, conta com 33 curtas-metragens e nove longas na seleção oficial.

«Sangue do meu sangue», de João Canijo, «O Barão», de Edgar Pêra, «Cisne», de Teresa Villaverde, e «Estrada de Palha», de Rodrigo Areias, são algumas das longas-metragens portuguesas que estarão em competição neste festival, o maior evento cinematográfico que se realiza nos Açores.

Nas curtas-metragens, a seleção oficial inclui 19 filmes de Portugal - dos quais cinco são de realizadores dos Açores -, cinco do Brasil, três de Espanha e um de Cabo Verde.

O programa do festival inclui ainda uma homenagem ao realizador António de Macedo, que deverá estar presente na sessão de encerramento, na qual será exibido o filme «Almada Negreiros Vivo Hoje».

O festival decorrerá de 30 de outubro a 05 de novembro.

O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020