logo
rss  Vol. XV - Nº 253         Montreal, QC, Canadá - quarta-feira, 03 de Junho de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Bilhete de Lisboa

 

Por Filipa Cardoso

Lisboa este verão ficou mais bonita e colorida graças às duas maiores fábricas de tintas de Portugal.

 

ass_cores_de_lisboa
Foto: Cartaz da Cin

A CIN através da sua 4ª edição da CIN RE-MAKE11 regressou em força.  Há 4 anos a CIN lançou o projeto «re-make».  É um projeto que, através da cor, demonstra que se pode alterar os espaços urbanos, tornando-os mais dinâmicos, artísticos e alegres.

Este ano o mote foi a música.  

A canção «Lisboa que me encontra», de Tiago Bettencourt, foi criada especialmente para este projeto.  Os versos deste artista foram interpretados graficamente por vários alunos das universidades de Arquitetura, Belas Artes e Design do país. O resultado desta CIN REMAKE11 pode ser admirado na Rua José Gomes Ferreira, na Av. de Ceuta, e na 2ª Circular.

À parte deste simpático projeto a CIN, líder do mercado de tintas, na Península Ibérica, Angola e Moçambique, continua a apostar na inovação, tendo recentemente inaugurado um laboratório na Maia onde terão sido investidos 7,5 milhões de euros.

A outra fábrica de tintas que também deixou a sua marca em mais de mil equipamentos urbanos foi a DYRUP.

Na Av. da Liberdade bancos de jardim, candeeiros, gradeamentos e pilaretes ganharam novas cores. A proposta é a de dar um toque de «Fen Shui» criando uma energia equilibrada.

Nuno Pires, diretor do marketing da DYRUP, explica que foi através de um projeto a que chamou «Happy Liberdade'que desenvolveu com a Câmara Municipal de Lisboa, que surgiu a ideia de utilizar cores Fen Shui  que transmitem um sentimento de paz e  equilíbrio com a natureza.  Junto aos equipamentos urbanos intervencionados será colocado uma inscrição «engineered by Dyrup» assim como será explicado, em grande painéis, o significado do movimento «Fen Shui».

E assim estas duas grandes fábricas de tintas desenvolveram dois projetos que revitalizaram e tornaram Lisboa mais agradável para todos.

O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020