logo
rss  Vol. XIV - Nº 250         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 23 de Janeiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Futebol no Quebeque

Pujante como nunca!

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

A Federação de Futebol do Quebeque convidou os Órgãos de Informação para uma conferência de Imprensa no passado dia 31 de agosto, às 11h00, no Auberge Universel. O assunto a tratar foi a criação de uma nova liga de futebol orientada para jogadores profissionais que não tenham saída em equipas como o Impacto de Montreal, Toronto Futebol Clube e Vancouver Whitecaps.

 

futebol no quebeque primeiras equipasdsc_0947
Foto: LusoPresse

Depois de muitas reuniões entre todos os interessados, a Federação decidiu avançar com o projeto, criando a «Première ligue de soccer du Québec», que entrará em ação já em 2012 com um número mínimo de seis formações. Mas a nova liga pode ir até às 12 equipas, isto se avançarem algumas das promessas no ar. Contudo, no momento, tratam-se apenas de promessas, pois na conferência de Imprensa apenas cinco deram a cara, sendo apresentadas oficialmente.

Arsenal, da cidade d'Assomption, Association sportive de Blainville, da cidade do mesmo nome, Brossard FC, da cidade de Brossard, FC Gatineau, também da cidade de Gatineau, e Lakeshore, bairro no oeste da cidade de Montreal, foram os primeiros clubes a avançarem com a sua inscrição, tendo por isso participado no encontro do Auberge Universel.

Agora espera-se que outras equipas se inscrevam na Terceira Divisão de futebol do país e a mais importante do Quebeque. E mais importante do país por ser considerada a seguir à norte-americana MLS (Major League Soccer) e à NSL (National Soccer League), onde está o Impacto, e que funciona como Segunda Divisão. De resto, a vontade dos dirigentes quebequenses, na voz e opinião de Dino Madonis, atual presidente federativo, é que a nova liga possa ser estendida ao resto do país, com mais duas «tranchas», uma no centro (Ontário) e a outra no Oeste do Canadá (todas as restantes províncias).

 

futebol no quebequedino madonis

Foto: LusoPresse

Mas para que a «Première Ligue de soccer du Québec» comece com o pé-direito, os seus responsáveis têm que continuar a trabalhar afincadamente não só para porem todas as estruturas organizacionais em andamento, como recrutar, pelo menos, mais uma formação para a nova competição, única maneira de dar seriedade a um projeto que se quer tenha o maior sucesso. É nessa perspetiva que há conversas com os donos do Impacto para que inscrevam uma formação reserva na nova liga. A sua Academia que neste momento integra a liga semiprofissional do Ontário? É capaz de ser uma possibilidade, mesmo se Dino Madonis não nos deu garantias.

Mas também há interessados na região de Otava. Do Quebeque pode ainda surgir uma equipa da capital. Há outros interessados de Montreal. Muitas possibilidades, que só poderão ser consideradas quando elas avançarem para as inscrições, respeitando o «Caderno de encargos», que ainda é significativo. Só para os jogadores fala-se num salário mínimo de 3 mil dólares, para um período de trabalho que vai de Abril a Outubro. Mas pode custar mais, dependendo dos interesses e objetivos dos dirigentes de cada grupo constituído.

Quanto ao recrutamento, virado essencialmente para o produto local, ele virá dos cada vez mais interessantes jogadores quebequenses formados nas estruturas do Impacto, Desporto-Estudos/Centro Nacional de Alta Performance (CNHP) e dos clubes seniores da província, alguns já com muita qualidade.

Recorde-se que esta iniciativa, que surge como segunda ou terceira tentativas de se chegar à criação dum verdadeiro Campeonato Nacional Canadiano de Futebol, surge numa altura que a Federação de Futebol do Quebeque está a comemorar os seus 100 anos de existência. Por esta mesma ocasião, também se assinala os 100 da «Coupe du Québec», a primeira competição de futebol a ser disputada em território quebequense.

O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020