logo
rss  Vol. XV - Nº 245         Montreal, QC, Canadá - sábado, 04 de Julho de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Notícias de Lagoa

Lagoa vai ter Bolsa de Voluntários

A Câmara Municipal de Lagoa vai apadrinhar a criação de uma bolsa de voluntários no concelho.

 

lagoaexposicao  recantos_da_costa_das_ilhas_de_bruma_patente_no_cefal

Este foi um dos objetivos saídos do encontro «A Intervenção Social no Concelho de Lagoa: Parcerias do Século XXI» que decorreu no Edifício dos Paços do Concelho, inserido na comemoração do Dia da Europa, e que juntou os diversos interlocutores de âmbito social do Concelho. Foram ao todo 30 pessoas representando 16 instituições sociais lagoenses que, diariamente, prestam um importante papel nesta área, assim como outras entidades com reconhecido conhecimento da situação atual do Concelho.

Para o Presidente da Câmara Municipal de Lagoa, João Ponte, tratou-se de um encontro profícuo que teve como objetivo refletir sobre as necessidades, os constrangimentos e eventuais estratégias de sucesso destas instituições, encontrando parcerias num ano onde se tem dado um grande destaque aos aspetos ligados à cidadania ativa e ao voluntariado.

Conforme referiu o edil lagoense, deste encontro saíram alguns objetivos imediatos, desde logo a criação de uma bolsa de voluntários, um projeto que a autarquia lagoense irá apadrinhar, através da formação de uma equipa multidisciplinar para definir uma estratégia visando, no fundo, conseguir um conjunto de pessoas disponíveis para prestar voluntariado e dar resposta a eventuais carências em algumas das instituições locais.

Do encontro saiu ainda a vontade comum de criar uma resposta local para situações de emergência através da recolha de bens que possam ser utilizados nas mesmas, pois para o autarca lagoense o aumento do desemprego e as carências sociais obriga a que exista uma resposta local, que será feita através de uma instituição onde haverá recolha de bens a nível local e que possam ser canalizados para as pessoas que evidenciam essas carências, uma medida que será feita de uma forma articulada e não pretende ser, de modo algum, uma concorrência ao Banco Alimentar Contra a Fome, mas sim mais uma resposta para situações muito pontuais.

Aliás, no respeitante ao Banco Alimentar Contra a Fome, foi ainda decidido encaminhar ao Instituto de Ação Social uma recomendação no sentido de haver uma maior articulação com os agentes sociais do Concelho aquando da definição dos beneficiários do mesmo, atendendo a que presentemente esta articulação se cinge somente às juntas de freguesia do Concelho.

 

lagoa_vai_ter_bolsa_de_voluntarios

Durante o encontro «A Intervenção Social no Concelho de Lagoa: Parcerias do Século XXI» foi ainda abordado o tema da toxicodependência, tendo sido acordado uma revisão das estratégias de intervenção a este nível. Como salientou João Ponte, a Câmara Municipal de Lagoa, através da Empresa Municipal de Lagoa, tem já há alguns anos em funcionamento o seu  Plano Municipal de Prevenção Primária das Toxicodependências mas que em virtude da alteração da situação local, com outras respostas a nível regional, bem como pelos novos desafios para o futuro, se torna importante atualizar o mesmo, uma tarefa que será desempenhada de imediato pela EML».

Para a autarquia lagoense num momento de crise e que se reflete na sociedade atual, deve procurar-se reforçar as sinergias existentes no concelho, envolvendo, cada vez mais as diversas instituições sociais lagoenses que diariamente prestam um importante papel nesta área, minimizando os problemas sociais existentes. A Câmara Municipal de Lagoa vê e reconhece nas suas instituições importantes parceiros nesta missão social que, com a sua acutilância, têm trazido inegáveis melhorias na promoção do bem-estar dos lagoenses.

A sua Câmara mais perto de si, no Cabouco

«A sua Câmara mais perto de si» é a nova iniciativa desenvolvida pela Câmara Municipal de Lagoa que se encontra a decorrer esta semana na freguesia do Cabouco, estendendo-se posteriormente às restantes freguesias do Concelho, e que pretende prosseguir a política de proximidade empreendida pela autarquia lagoense para com a sua população.

Tendo a duração de uma semana nas freguesias mais pequenas do Concelho, e de duas semanas nas maiores freguesias lagoenses, esta é uma iniciativa inédita e que pretende manter a aposta que o executivo lagoense vem fazendo na maior aproximação do Poder Local às populações. Para tal, o Gabinete da Presidência encontra-se instalado na Junta de Freguesia do Cabouco, sendo que durante toda esta semana quase todos os serviços operacionais ficarão, única e exclusivamente, afetos a esta freguesia. Esta é uma ação que visa dar resposta ao levantamento das necessidades efetuado pelo executivo da Junta de Freguesia do Cabouco, pelo que nesta mesma semana o Presidente da Câmara Municipal de Lagoa, para além de acompanhar no terreno as diferentes atividades, estará igualmente disponível para receber qualquer munícipe.

A realização desta nova iniciativa camarária nas suas freguesias pretende reforçar esta mesma proximidade entre a autarquia lagoense e os seus munícipes, melhorando as respostas às suas necessidades e, consequentemente, na sua qualidade de vida, objetivos essenciais da política desenvolvida pela Câmara Municipal de Lagoa.

Exposição recantos da costa das Ilhas de Bruma patente no CEFAL

O Centro de Educação e Formação Ambiental de Lagoa (CEFAL) acolhe até 29 de junho e exposição fotográfica «Recantos da costa das ilhas de bruma».

Organizada pelo CEFAL, em parceria com a Associação Amigos do Calhau, e contando com a colaboração da Câmara Municipal de Lagoa, Escola Secundária de Lagoa, Observatório Vulcanológico e Geotérmico dos Açores (OVGA) e Museu Carlos Machado, esta é uma exposição que reúne 25 registos fotográficos que pretendem divulgar diversas paisagens da orla costeira das nove ilhas dos Açores e que são da autoria dos fotógrafos açorianos Diogo Caetano, Duarte Sousa, Fernando Abreu, Gaspar Ávila, José Eduardo Carreiro, José Pedro Medeiros, José Xavier, Nuno Fonseca, Paulo Medeiros, Sandra Botelho, Marcelo Borges e Miguel Ramos, estes dois últimos premiados pela National Geographic.

Esta é uma exposição que mostra um olhar singular destes 12 fotógrafos sobre 25 recantos da costa das ilhas açorianas, estando a mesma inserida no programa de atividades «Unidos pelo Calhau», promovido pelo CEFAL, Associação Amigos do Calhau e Escola Secundária de Lagoa, cujo programa diversificado de atividades, que está a ser desenvolvido durante o presente mês de maio, pretende envolver um público diversificado.

Aquando da inauguração desta exposição houve ainda lugar para uma palestra ministrada pelo profissional de fotografia subaquática, e igualmente premiado pela National Geographic, Nuno Sá, que teve como tema «Açores, um oásis no Atlântico - fotografia subaquática», ocasião em que o mesmo exibiu e descreveu diversas fotografias mostrando a beleza da biodiversidade marinha dos Açores.

Esta exposição possui ainda alguns exemplares de espécies da fauna aquática e aves costeiras, cedidas temporariamente pelo Museu Carlos Machado, bem como alguns exemplares de rochas e minerais característicos das nossas ilhas, cedidos pelo OVGA.

Lagoenses rendem-se à recolha seletiva porta a porta

Dois meses após a implementação da recolha seletiva porta a porta no Concelho de Lagoa, os lagoenses têm mostrado uma grande adesão a este novo sistema de recolha.

Prova disso são os números referentes a março e abril do corrente ano em que se verificou um aumento na recolha seletiva no Concelho na ordem dos 142,5% e 158,6%, respetivamente, em comparação com o mesmo período homólogo de 2010.

Aliás, só com a recolha seletiva porta a porta, foram recolhidos 28 520 kg de papel e plástico e 20 460 kg de vidro nos primeiros dois meses de implementação deste tipo de recolha, que está a ser realizada dois dias por semana, ficando a terça-feira reservada à recolha de vidro e a quinta-feira para recolha de papel e cartão e embalagens de plástico.

Para além disso, a Lagoa tem igualmente uma rede de ecopontos instalada no concelho, e que representa um total de 40 Ecopontos, para além de mais 12 Vidrões, que continuam a funcionar em simultâneo com a recolha seletiva porta a porta.

Neste âmbito, saliente-se que mesmo com a recolha seletiva porta a porta, a recolha nos diversos ecopontos do Concelho registou igualmente um acréscimo nos meses de março e abril, em comparação com o período homólogo de 2010. Assim sendo, foram recolhidos nos últimos dois meses nos diversos ecopontos do Concelho 18 640 kg de papel e cartão, mais 7% do que em igual período de 2010, enquanto a nível da recolha de plástico o aumento verificado foi de 9%, representando 9 520 kg, e tendo a recolha de vidro registado o maior aumento, 63%, representando 21 920 kg recolhidos

Segundo o Presidente da Câmara Municipal de Lagoa, João Ponte, estes são valores que refletem bem o forte impacto das políticas adotadas pelo atual executivo lagoense em benefício dos munícipes e do próprio ambiente, área a que a Câmara Municipal de Lagoa tem estado sensível e tem procurado preservar.

Por tal facto, o novo serviço de recolha porta a porta, tem sido uma aposta ganha do município e que se está a revelar como extremamente positiva quer para o Concelho, quer para os próprios lagoenses que têm colaborado ativamente com a separação dos seus resíduos para reciclagem.

Para o autarca lagoense estes são números que podem registar ainda um maior aumento atendendo ao facto de ainda existirem muitas famílias que não fazem a separação doméstica dos seus resíduos. Em virtude disso, a Câmara Municipal de Lagoa encontra-se a desenvolver uma iniciativa no sentido de apelar a uma maior envolvência dos lagoenses nesta recolha seletiva porta a porta, um apelo que o autarca lagoense não deixou de reforçar porque estas são iniciativas com inegáveis ganhos para os munícipes, para o ambiente e para o próprio Concelho de Lagoa.

O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020