logo
rss  Vol. XV - Nº 241         Montreal, QC, Canadá - sábado, 08 de Agosto de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima

Deve inscrever-se no regime público de seguro medicamentos ou anular a inscrição?

Você está convidado a fazê-lo pela Internet!

httpwwwramqgouvqcca

Quebeque - No Quebeque, cerca de 3,3 milhões de pessoas está coberta pelo regime público de seguro medicamentos. Este regime é administrado pela Régie d'assurance maladie do Quebeque, que oferece agora, no seu sítio Internet, um serviço de inscrição e de anulação em linha.

Assim, se deve inscrever-se no regime público porque não tem mais direito a um regime privado, por exemplo na sequência de uma perda ou uma mudança de emprego, utilize o serviço em linha da Régie http://www.ramq.gouv.qc.ca se a sua situação familiar lhe permite.

Se, pelo contrário, agora está coberto por um regime privado, não se esqueça de anular a do regime público. Para fazê-lo através do serviço em linha, vá a http://www.ramq.gouv.qc.ca, onde encontrará as condições de utilização.

Aderir a um regime privado ou inscrever-se no regime público?

As pessoas admissíveis a um regime privado de seguro são obrigadas a aderir e cobrir o seu cônjuge e os filhos. Como tem acesso a um regime privado? Pode-se ter direito no âmbito do seu emprego ou da sua profissão, quer pelo seu patrão, sindicato ou associação ou ordem profissional. Também pode ter acesso através do seu cônjuge.

Só as pessoas que não são admissíveis a um regime privado podem inscrever-se no regime público de seguro medicamentos.

Relembramos-lhe que, desde 1997, é obrigatório possuir, sempre, um seguro que cubra os medicamentos, que garanta a todos um acesso razoável e equitativo aos medicamentos requeridos para a sua saúde.

Para informações: Marc Lortie

Responsável das relações de imprensa

Régie de l'assurance maladie du Québec

418 682-5168, poste 5285.

O tempo no resto do mundo

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020